Re­for­ma ou ajuste?

O Estado de S. Paulo - - Economia - BERNARD APPY DI­RE­TOR DO CEN­TRO DE CIDADANIA FIS­CAL

Uma das crí­ti­cas ao pro­je­to de re­for­ma tri­bu­tá­ria em aná­li­se na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos (PEC 45) é de que ela se­ria des­ne­ces­sá­ria e equi­vo­ca­da. Des­ne­ces­sá­ria por­que os gran­des pro­ble­mas do sis­te­ma tri­bu­tá­rio bra­si­lei­ro – burocracia e ex­ces­so de li­ti­gi­o­si­da­de – po­de­ri­am ser re­sol­vi­dos por meio de mu­dan­ças ad­mi­nis­tra­ti­vas. Equi­vo­ca­da por­que a ado­ção de uma alí­quo­ta uni­for­me pa­ra to­dos os bens e ser­vi­ços re­sul­ta­ria nu­ma gran­de re­dis­tri­bui­ção da carga tri­bu­tá­ria pre­ju­di­can­do, por exem­plo, os pres­ta­do­res de ser­vi­ços do re­gi­me do lu­cro pre­su­mi­do. A prin­ci­pal falha des­se ti­po de crí­ti­ca é que ela par­te de uma vi­são li­mi­ta­da dos pro­ble­mas do sis­te­ma tri­bu­tá­rio bra­si­lei­ro, bem co­mo de uma in­com­pre­en­são das ca­rac­te­rís­ti­cas de um bom sis­te­ma tri­bu­tá­rio.

O ar­gu­men­to de que uma re­for­ma es­tru­tu­ral dos tri­bu­tos se­ria des­ne­ces­sá­ria, pois se­ria pos­sí­vel re­du­zir a burocracia e o li­tí­gio por meio de me­lho­ri­as no pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo fis­cal, é equi­vo­ca­do por dois mo­ti­vos.

Por um la­do, ain­da que a me­lho­ra do pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo fis­cal se­ja de­se­já­vel, ela é cla­ra­men­te in­su­fi­ci­en­te pa­ra eli­mi­nar os pro­ble­mas que re­sul­tam na ex­ces­si­va burocracia e li­ti­gi­o­si­da­de. Par­te im­por­tan­te des­ses pro­ble­mas é de na­tu­re­za es­tru­tu­ral, co­mo a fron­tei­ra im­pre­ci­sa en­tre a área de in­ci­dên­cia do ICMS e do ISS. Par­te de­ve-se à pro­fu­são de alí­quo­tas dos tri­bu­tos atu­ais, a qual ine­vi­ta­vel­men­te le­va a pro­ble­mas de clas­si­fi­ca­ção e con­ten­ci­o­so.

Por ou­tro la­do, e prin­ci­pal­men­te, as dis­tor­ções es­tru­tu­rais dos tri­bu­tos bra­si­lei­ros so­bre bens e ser­vi­ços – co­mo a frag­men­ta­ção da ba­se de in­ci­dên­cia, a tri­bu­ta­ção na ori­gem e a cu­mu­la­ti­vi­da­de – têm im­pac­tos que vão mui­to além da burocracia e do al­to grau de li­tí­gio. En­tre es­ses im­pac­tos se des­ta­cam a one­ra­ção de investimen­tos e ex­por­ta­ções, a guer­ra fis­cal en­tre os Es­ta­dos (e en­tre os mu­ni­cí­pi­os) e a cri­a­ção de uma sé­rie de dis­tor­ções alo­ca­ti­vas que le­vam a uma or­ga­ni­za­ção ex­tre­ma­men­te ine­fi­ci­en­te da eco­no­mia bra­si­lei­ra. A con­sequên­cia é uma enor­me re­du­ção do po­ten­ci­al de cres­ci­men­to da eco­no­mia bra­si­lei­ra, de­cor­ren­te da per­da de pro­du­ti­vi­da­de e da re­du­ção da ta­xa de in­ves­ti­men­to.

Tais pro­ble­mas não po­dem ser re­sol­vi­dos man­ten­do-se os tri­bu­tos atu­ais: em par­te por­que são de na­tu­re­za es­tru­tu­ral (co­mo a frag­men­ta­ção da ba­se de in­ci­dên­cia, a tri­bu­ta­ção na ori­gem e a in­ci­dên­cia cu­mu­la­ti­va do ISS) e em par­te por­que sua cor­re­ção re­sul­ta­ria nu­ma per­da de ar­re­ca­da­ção que é in­viá­vel na atu­al si­tu­a­ção fis­cal do País (co­mo a de­so­ne­ra­ção com­ple­ta dos investimen­tos e das ex­por­ta­ções no ICMS).

Já o ar­gu­men­to de que o mo­de­lo de alí­quo­ta uni­for­me da PEC 45 se­ria equi­vo­ca­do por pro­vo­car gran­de re­dis­tri­bui­ção da carga tri­bu­tá­ria tam­bém não se sus­ten­ta.

Em pri­mei­ro lu­gar, a pro­pos­ta da ado­ção de alí­quo­ta uni­for­me e ba­se am­pla na tri­bu­ta­ção do con­su­mo não é uma invenção bra­si­lei­ra, mas sim a re­co­men­da­ção qua­se unâ­ni­me da li­te­ra­tu­ra in­ter­na­ci­o­nal. Não é por aca­so que a gran­de mai­o­ria dos IVAs cri­a­dos nos úl­ti­mos 30 anos tem ape­nas uma alí­quo­ta po­si­ti­va (em­bo­ra com al­guns ca­sos de isen­ção e alí­quo­ta ze­ro).

Só me­lho­ri­as no pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo fis­cal não bas­tam pa­ra re­sol­ver ex­ces­so de burocracia e li­ti­gi­o­si­da­de

Em se­gun­do lu­gar, um dos efei­tos da re­dis­tri­bui­ção da carga tri­bu­tá­ria (cla­ra­men­te su­pe­res­ti­ma­da pe­los crí­ti­cos) é cor­ri­gir dis­tor­ções alo­ca­ti­vas ab­so­lu­ta­men­te in­jus­ti­fi­cá­veis. Es­se é o ca­so, por exem­plo, dos sócios de em­pre­sas do re­gi­me do lu­cro pre­su­mi­do. No re­gi­me atu­al, um pres­ta­dor de ser­vi­ço do lu­cro pre­su­mi­do com ren­da men­sal de R$ 100 mil ou mais es­tá su­jei­to a uma alí­quo­ta mar­gi­nal de 14,5% a 19,5%, en­quan­to a alí­quo­ta mar­gi­nal in­ci­den­te so­bre a ren­da de um em­pre­ga­do for­mal que ga­nha R$ 6 mil che­ga a mais de 42% (par­te co­bra­da na for­ma de IRPF e par­te co­mo con­tri­bui­ção do em­pre­ga­dor so­bre a fo­lha).

Os crí­ti­cos da PEC 45 ar­gu­men­tam que a cor­re­ção des­sa dis­tor­ção le­va­ria a uma “tem­pes­ta­de per­fei­ta” de so­ne­ga­ção. Ho­nes­ta­men­te, pre­fi­ro acre­di­tar que é pos­sí­vel com­ba­ter a so­ne­ga­ção no Bra­sil sem de­pen­der de um sis­te­ma tri­bu­tá­rio em que os ri­cos são mui­to me­nos tri­bu­ta­dos que os em­pre­ga­dos for­mais de ren­da mé­dia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.