Ban­cos dis­pu­tam cré­di­to imo­bi­liá­rio

Após re­du­ção da Se­lic, ins­ti­tui­ções pri­va­das bri­gam por vi­ce-li­de­ran­ça do se­tor; de­pois de cor­te, Bra­des­co tem a me­nor ta­xa do mer­ca­do

O Estado de S. Paulo - - Economia - Re­na­to Ja­ki­tas Ali­ne Bron­za­ti

Na es­tei­ra de mais um cor­te dos ju­ros bá­si­cos da eco­no­mia, anun­ci­a­do na se­ma­na pas­sa­da pe­lo Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria (Co­pom), os ban­cos pri­va­dos de­ram iní­cio a uma ofen­si­va no mer­ca­do de cré­di­to imo­bi­liá­rio. Após o Itaú ter anun­ci­a­do, na sex­ta fei­ra, uma que­da na ta­xa mí­ni­ma de 8,30% ao ano mais ta­xa re­fe­ren­ci­al (TR) pa­ra 7,45%, on­tem o Bra­des­co se­guiu o mo­vi­men­to: re­du­ção de 8,10% pa­ra 7,30%, a me­nor ta­xa do mer­ca­do. Os dois mai­o­res ban­cos pri­va­dos dis­pu­tam a vi­ce-li­de­ran­ça do se­tor, do­mi­na­do pe­la Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral, tan­to em vo­lu­me quan­to em va­lor de con­ces­sões.

Com a re­a­ção das du­as ins­ti­tui­ções, con­si­de­ran­do as cin­co mai­o­res do mer­ca­do, a ta­xa mí­ni­ma pa­ra li­nhas de fi­nan­ci­a­men­to do seg­men­to abre o mês de ou­tu­bro com mé­dia de 7,91%, que­da de 0,33 pon­to por­cen­tu­al. Em ju­lho, o San­tan­der tam­bém já ha­via re­du­zi­do a sua ta­xa de 8,50% pa­ra 7,99%.

Ques­ti­o­na­do, o ban­co es­pa­nhol não des­car­ta no­vo cor­te pa­ra as pró­xi­mas se­ma­nas, ape­sar de es­tar mais cen­tra­do, nes­te mo­men­to, em li­nhas de cré­di­to pes­so­al. Ho­je, anun­cia re­du­ção de 1,05% pa­ra 0,99% em seu pro­du­to de em­prés­ti­mo com ga­ran­tia de imó­vel. Co­nhe­ci­do por ho­me equity, es­pé­cie de hi­po­te­ca, li­nha é de­fen­di­da pe­lo pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral, Roberto Cam­pos Ne­to.

Se­lic. Di­an­te das ro­da­das de re­du­ções da Se­lic – ta­xa bá­si­ca da eco­no­mia, que após no­vo cor­te de 0,5 pon­to por­cen­tu­al es­tá no me­nor pa­ta­mar da his­tó­ria, 5,50% –, cha­ma a aten­ção do mer­ca­do a au­sên­cia da Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral no mo­vi­men­to de que­da de ju­ros no cré­di­to imo­bi­liá­rio. O ban­co man­tém sua ta­xa mí­ni­ma em 8,50% des­de ju­nho. Pro­cu­ra­da, a Cai­xa não res­pon­deu os pe­di­dos de en­tre­vis­ta até o fe­cha­men­to des­ta edi­ção.

Pa­ra es­pe­ci­a­lis­tas, a fal­ta de novidades do ban­co pú­bli­co po­de si­na­li­zar uma pos­tu­ra mais con­ser­va­do­ra da ins­ti­tui­ção, que pre­ten­de es­pe­rar pe­la estabiliza­ção da Se­lic pa­ra, em se­gui­da, re­pas­sar os cor­tes de uma vez pa­ra o con­su­mi­dor. Ou uma es­tra­té­gia pa­ra tur­bi­nar sua li­nha de cré­di­to pa­ra a ca­sa pró­pria cor­ri­gi­da pe­lo IPCA, ín­di­ce ofi­ci­al de in­fla­ção, lan­ça­da no úl­ti­mo dia 20 de agos­to.

Ao lan­çar o no­vo fi­nan­ci­a­men­to, o ob­je­ti­vo do ban­co pú­bli­co é po­der re­em­pa­co­tar os re­ce­bí­veis co­mo tí­tu­los de dí­vi­da, que se­rão ven­di­dos no mer­ca­do a in­ves­ti­do­res. No dia 13 de se­tem­bro, o pre­si­den­te da Cai­xa, Pe­dro Gui­ma­rães, afir­mou que o ban­co já ha­via li­be­ra­do R$ 200 mi­lhões em cré­di­to imo­bi­liá­rio com cor­re­ção pe­lo IPCA. Se­gun­do ele, a ins­ti­tui­ção já con­ta­va com R$ 5 bi­lhões em fi­nan­ci­a­men­tos pré-apro­va­dos e R$ 600 mi­lhões em pro­ces­so de con­tra­ta­ção.

“Acho que a au­sên­cia da Cai­xa no ci­clo de re­du­ção de­ve-se, so­bre­tu­do, à no­va li­nha de fi­nan­ci­a­men­to com IPCA. O ban­co vai cen­trar es­for­ços nes­se pro­du­to”, re­for­ça o pre­si­den­te do Sindicato da Ha­bi­ta­ção de São Pau­lo (Se­co­vi-SP), Ba­si­lio Ja­fet.

Se­gun­do ele, a dis­pu­ta en­tre os ban­cos pri­va­dos no cré­di­to ha­bi­ta­ci­o­nal de­ve se acir­rar ain­da mais, já que o seg­men­to é vis­to co­mo de bai­xo ris­co e garante o cli­en­te den­tro da ins­ti­tui­ção por um lon­go pe­río­do de tem­po. “Ho­je, o cré­di­to mais ba­ra­to, que pas­sa a ser o do Bra­des­co, é 1,8% mai­or que a Se­lic. Acho que há es­pa­ço pa­ra cair um pou­co mais, já que 1,8% não re­pre­sen­ta o cus­to do cré­di­to.”

Ra­fa­el Sas­so, da Me­lhor Ta­xa, star­tup que com­pa­ra ta­xas de cré­di­to imo­bi­liá­rio, tam­bém es­pe­ra por mais re­du­ções na concorrênc­ia an­tes do fim do ano. “Pro­va­vel­men­te vai ter mais que­da de ta­xa ra­pi­da­men­te.”

Ran­king. Se­gun­do da­dos da Associação Bra­si­lei­ra das En­ti­da­des de Cré­di­to Imo­bi­liá­rio e Pou­pan­ça (Abe­cip), o Itaú fi­gu­ra na pri­mei­ra po­si­ção en­tre os ban­cos pri­va­dos no País em con­ces­são de cré­di­to imo­bi­liá­rio pa­ra pes­so­as fí­si­cas em 2019. A car­tei­ra to­tal de cré­di­to imo­bi­liá­rio do ban­co é de mais de R$ 49 bi­lhões, dos quais R$ 44 bi­lhões são de fi­nan­ci­a­men­tos pa­ra pes­so­as fí­si­cas. Bra­des­co se­gue na se­gun­da co­lo­ca­ção e o San­tan­der fe­cha o ran­king. Na lis­ta das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras em ge­ral, a Cai­xa li­de­ra, com em­prés­ti­mos de R$10 bi­lhões, até agos­to, em cré­di­to pa­ra com­pra da ca­sa pró­pria. Fo­ram fi­nan­ci­a­das 48.654 uni­da­des.

Em agos­to, o cré­di­to imo­bi­liá­rio com re­cur­sos do Sis­te­ma Bra­si­lei­ro de Pou­pan­ça e Em­prés­ti­mo (SBPE) atin­giu R$ 6,71 bi­lhões, avan­ço de 18,4% em re­la­ção ao mes­mo mês do ano pas­sa­do.

WERTHER SAN­TA­NA/ESTADÃO-13/7/2018

Pa­ra bai­xo. Con­si­de­ran­do os cin­co mai­o­res ban­cos, a ta­xa mí­ni­ma de cré­di­to imo­bi­liá­rio ini­cia ou­tu­bro em 7,91% ao ano

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.