Me­ni­na-Ma­ra­vi­lha

O Estado de S. Paulo - - Economia - ANA CAR­LA ABRÃO E-MAIL: [email protected] ES­CRE­VE ÀS TER­ÇAS-FEI­RAS ECO­NO­MIS­TA E SÓCIA DA CON­SUL­TO­RIA OLI­VER WYMAN. O AR­TI­GO RE­FLE­TE EX­CLU­SI­VA­MEN­TE A OPI­NIÃO DA COLUNISTA

Amor­te de uma cri­an­ça já é, iso­la­da­men­te, al­go de im­pos­sí­vel com­pre­en­são. Uma mor­te trá­gi­ca co­mo a da me­ni­na Ágatha Félix, ba­le­a­da no Com­ple­xo do Ale­mão no Rio de Ja­nei­ro quan­do vol­ta­va pa­ra ca­sa é, além de do­lo­ro­so, in­jus­ti­fi­cá­vel e ina­cei­tá­vel. Mas à dor in­fi­ni­ta da sua mor­te se mis­tu­ram tam­bém ques­tões so­ci­ais que pre­ci­sam ser en­ca­ra­das no Bra­sil se qui­ser­mos vi­ver num país me­lhor. Ques­tões que es­tão, in­va­ri­a­vel­men­te, re­la­ci­o­na­das à fa­lên­cia das nos­sas po­lí­ti­cas pú­bli­cas.

Ágatha, co­mo tantas ou­tras cri­an­ças, vi­via nu­ma das fa­ve­las que con­vi­ve la­do a la­do com o cres­ci­men­to e o de­sen­vol­vi­men­to das nos­sas gran­des me­tró­po­les. No ca­so de­la era o Com­ple­xo do Ale­mão, bair­ro que abri­ga um dos mai­o­res con­jun­tos de fa­ve­las do Rio de Ja­nei­ro e que os­ten­ta o pi­or Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no (IDH) do mu­ni­cí­pio. O Ale­mão é con­si­de­ra­do uma das áre­as mais vi­o­len­tas da ci­da­de, ape­sar da atu­a­ção da Uni­da­de de Po­lí­cia Pa­ci­fi­ca­do­ra (UPP), pre­sen­te no bair­ro des­de 2011. Mas a ver­da­de é que ali o Es­ta­do não exis­te. A lei é ou­tra, as li­de­ran­ças e as re­gras são de­fi­ni­das à mar­gem das ins­ti­tui­ções, dos di­rei­tos in­di­vi­du­ais, da li­ber­da­de e do al­can­ce do Es­ta­do. As­sim co­mo sur­giu de­sor­de­na­da­men­te, mo­vi­da pe­la ne­ces­si­da­de, a co­mu­ni­da­de abri­ga pes­so­as que ten­tam di­a­ri­a­men­te so­bre­vi­ver as­sim, nu­ma ter­ra com ou­tras leis.

A au­sên­cia do Es­ta­do se mos­tra me­nos na ocu­pa­ção ir­re­gu­lar e de­sor­de­na­da e mui­to mais na fal­ta de in­fra­es­tru­tu­ra, no es­go­to a céu aber­to, nas con­di­ções in­sa­lu­bres de tan­tos bar­ra­cos e no do­mí­nio pe­lo trá­fi­co – ape­sar dos oi­to anos de pre­sen­ça da UPP. Mas há ou­tras au­sên­ci­as que es­tão na raiz de tu­do que se vê e que cul­mi­nam em Agatha, a me­ni­na ma­ra­vi­lha que perdeu seu fu­tu­ro com uma bala nas cos­tas.

Edu­ca­ção e saú­de pú­bli­cas es­tão na ba­se do que se con­si­de­ram opor­tu­ni­da­des e dig­ni­da­de hu­ma­nas. Po­lí­ti­cas pú­bli­cas mais efi­ca­zes que ge­rem aces­so e qua­li­da­de nes­sas áre­as são o iní­cio do pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção da ca­pa­ci­da­de do Es­ta­do de me­lho­rar a vi­da das pes­so­as. Mas es­sas po­lí­ti­cas pre­ci­sam es­tar acom­pa­nha­das de investimen­tos em sa­ne­a­men­to, es­co­las e cre­ches, pro­gra­mas de pre­ven­ção de do­en­ças, nu­tri­ção, ati­vi­da­des so­ci­o­e­du­ca­ti­vas, etc. Ações que não acon­te­cem de for­ma cor­re­ta sem que ha­ja pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co, ava­li­a­ção de im­pac­to, acom­pa­nha­men­to de re­sul­ta­dos e, cla­ro, alo­ca­ção efi­ci­en­te de re­cur­sos. A fa­lên­cia do Es­ta­do é a cau­sa e não a con­sequên­cia das nos­sas in­ca­pa­ci­da­des. É gra­ças à nos­sa ine­fi­ci­ên­cia em for­mu­lar, im­plan­tar e ava­li­ar po­lí­ti­cas pú­bli­cas efi­ca­zes que a nos­sa so­ci­e­da­de so­fre.

Mas no cam­po da se­gu­ran­ça pú­bli­ca há uma ou­tra ver­ten­te que pre­ci­sa avan­çar e ser tra­ta­da co­mo pri­o­ri­da­de. Tra­ta-se da dis­se­mi­na­ção no uso de da­dos, evi­dên­ci­as, in­for­ma­ção e tec­no­lo­gia de for­ma a per­mi­tir que in­ter­ven­ções di­re­tas am­pli­em a efi­cá­cia das ações po­li­ci­ais. Há que se fu­gir dos ex­tre­mos que por um la­do de­fen­dem e pro­te­gem o in­fra­tor co­mo fru­to das nos­sas ma­ze­las so­ci­ais e por ou­tro va­li­dam os ex­ces­sos das po­lí­ci­as co­mo for­ma de re­sol­ver a atu­al si­tu­a­ção de des­con­tro­le. Afi­nal, leis exis­tem e de­vem ser res­pei­ta­das. Se não são adequadas, de­vem ser al­te­ra­das. Mas não po­de­mos fu­gir ao cum­pri­men­to de­las, sob ris­co de mi­grar­mos de uma con­di­ção de vi­o­lên­cia e in­se­gu­ran­ça pa­ra ou­tra igual­men­te per­ver­sa.

Há, por­tan­to, que se en­ten­der o que fun­ci­o­na, o que tem im­pac­to con­cre­to, o que deu cer­to aqui e lá fo­ra. Te­mos in­ves­ti­do re­cur­sos cres­cen­tes nas áre­as de se­gu­ran­ça, mas os re­sul­ta­dos são tí­mi­dos, quan­do não re­tro­ces­sos. Se­gun­do da­dos do Fó­rum Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, o va­lor to­tal dos gas­tos com se­gu­ran­ça pú­bli­ca atin­gi­ram R$ 91 bi­lhões em 2018, um cres­ci­men­to de qua­se 4% em re­la­ção a 2017 e o equi­va­len­te a 1,34% do PIB. Em­bo­ra te­nha­mos co­lhi­do re­cu­os nos nú­me­ros de mor­tes vi­o­len­tas in­ten­ci­o­nais, com uma re­du­ção de 10,8% em 2018, não há co­mo co­me­mo­rar uma ta­xa de 27,5 por 100 mil ha­bi­tan­tes. E não há co­mo to­le­rar mor­tes, em par­ti­cu­lar de cri­an­ças, ví­ti­mas ino­cen­tes de nos­so des­ca­la­bro so­ci­al.

Nas fo­tos di­vul­ga­das, Ágatha ir­ra­di­a­va aque­la ener­gia e es­pe­ran­ça que só as cri­an­ças são ca­pa­zes de de­mons­trar, tal­vez por não en­ten­de­rem a du­re­za da vi­da que lhes es­pe­ra fo­ra da sua ino­cên­cia. Ágatha ia à es­co­la, ao bal­let, ao in­glês. Uma con­quis­ta de pais que en­ten­de­ram a im­por­tân­cia de ga­ran­tir à fi­lha opor­tu­ni­da­des que por nas­cen­ça lhes fo­ram ne­ga­das. Uma Me­ni­naMa­ra­vi­lha a me­nos, num país que san­gra to­dos os di­as gra­ças a um Es­ta­do in­ca­paz de pro­mo­ver jus­ti­ça so­ci­al.

Não há co­mo to­le­rar mor­tes de cri­an­ças ví­ti­mas de nos­so des­ca­la­bro so­ci­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.