De­man­da por qua­li­da­de im­pul­si­o­na pe­cuá­ria

Evo­lu­ção da ge­né­ti­ca mu­dou a re­pro­du­ção que te­ve um sal­to de pro­du­ti­vi­da­de nos úl­ti­mos 19 anos no País

O Estado de S. Paulo - - Economia - Ari­os­to Mes­qui­ta ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO CAM­PO GRAN­DE

A pro­du­ção de be­zer­ros deu um sal­to de pro­du­ti­vi­da­de nos úl­ti­mos 19 anos no Bra­sil e se­gue em­ba­la­da na es­tei­ra de um no­vo per­fil de mer­ca­do in­ter­no pa­ra a car­ne bo­vi­na. “No ano 2000, a cria bra­si­lei­ra ge­ra­va 45 be­zer­ros de 170 kg de pe­so mé­dio de 100 va­cas, que ocu­pa­vam 250 hec­ta­res. Ho­je, são ob­ti­dos 65 be­zer­ros de 200 kg de 100 re­pro­du­to­ras que, por sua vez, ocu­pam uma área mé­dia de 140 hec­ta­res”, des­ta­ca o pes­qui­sa­dor do Cen­tro de Es­tu­dos Avan­ça­dos em Eco­no­mia Apli­ca­da (Ce­pea), da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP), Sér­gio de Zen.

No 4.º Sim­pó­sio In­ter­na­ci­o­nal de Re­pro­du­ção, Pro­du­ção e Nu­tri­ção de Bo­vi­nos (Re­pro­nu­tri 2019), en­cer­ra­do na sex­ta­fei­ra, em Cam­po Gran­de, o es­pe­ci­a­lis­ta dis­se que a evo­lu­ção da ge­né­ti­ca “mu­dou a re­pro­du­ção” na bo­vi­no­cul­tu­ra de cor­te, aten­den­do a uma de­man­da ca­da vez mai­or por car­ne de qua­li­da­de.

“Em São Pau­lo, por exem­plo, quem es­tá vi­a­bi­li­zan­do o be­zer­ro é o mer­ca­do de cor­tes no­bres”, afir­ma, lem­bran­do que é ca­da vez mai­or o nú­me­ro de bu­ti­ques de car­ne pe­las ci­da­des. “Al­guém co­nhe­ce al­gu­ma bu­ti­que de fran­go?”, pro­vo­ca De Zen, en­fa­ti­zan­do as di­fe­ren­ças en­tre as ca­dei­as pro­du­ti­vas.

Es­sa no­va ten­dên­cia apon­ta­da por ele vai ao en­con­tro de com­por­ta­men­tos de mer­ca­do ado­ta­dos por gi­gan­tes do se­tor de pro­teí­na. Em se­tem­bro, por exem­plo, a JBS (que ob­tém 51% de seu fa­tu­ra­men­to no mer­ca­do ame­ri­ca­no) reu­niu mais de cem in­ves­ti­do­res e em­pre­sá­ri­os em No­va York (EUA) pa­ra anun­ci­ar que nes­te ano vol­tou seu fo­co to­tal­men­te pa­ra a pro­du­ção gour­met, dan­do pri­o­ri­da­de a mar­cas e va­lor agre­ga­do.

A tec­ni­fi­ca­ção exi­gi­da pa­ra se pro­du­zir um be­zer­ro que vai ge­rar um boi de qua­li­da­de tam­bém es­tá, se­gun­do o pes­qui­sa­dor do Ce­pea, aju­dan­do a fi­xar o cri­a­dor na ati­vi­da­de. “Quem sai da cria e ten­ta voltar ho­je vai le­var pe­lo me­nos cin­co anos pa­ra en­gre­nar”, es­ti­ma De Zen.

No mes­mo sim­pó­sio na ca­pi­tal sul-ma­to-gros­sen­se, o ex-professor da Uni­ver­si­da­de do Ne­bras­ka (EUA) e atu­al lí­der na Amé­ri­ca do Nor­te da mul­ti­na­ci­o­nal MSD Saú­de Ani­mal, Jud­son Vas­con­ce­los, tam­bém des­ta­cou o sur­gi­men­to de no­vas de­man­das. Ele aler­ta, po­rém, que mui­tos des­ses ajus­tes de há­bi­tos alimentare­s es­tão co­lo­can­do sob sus­pei­ta a bo­vi­no­cul­tu­ra de cor­te, so­bre­tu­do com a che­ga­da de no­vas al­ter­na­ti­vas em pro­teí­na, co­mo os ham­búr­gue­res ve­ga­nos, por exem­plo: “A mu­dan­ça no per­fil do con­su­mi­dor é uma ten­dên­cia mun­di­al e a pe­cuá­ria pre­ci­sa res­pon­der bem a is­so. Os no­vos há­bi­tos alimentare­s vêm de mi­no­ri­as, mas a ca­deia in­dus­tri­al es­tá se adap­tan­do ao que o con­su­mi­dor pe­de”.

O Re­pro­nu­tri 2019 reu­niu 905 ins­cri­tos e par­ti­ci­pan­tes do Bra­sil e das Amé­ri­cas do Sul e do Nor­te.

CÉLIO MESSIAS/ESTADÃO-3/3/2011

Fo­co. Gi­gan­tes do se­tor têm pri­o­ri­za­do pro­du­ção gour­met

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.