A do­se do re­mé­dio

O Estado de S. Paulo - - Economia - DE­MI GETSCHKO E-MAIL: [email protected] ES­CRE­VE QUINZENALM­ENTE

Além de ame­a­ças diá­ri­as à nos­sa pri­va­ci­da­de, es­ta­mos ex­pos­tos a uma ca­co­fo­nia cres­cen­te no am­bi­en­te vir­tu­al, e is­so nos cau­sa incô­mo­do. É com­pre­en­sí­vel e ade­qua­do que­rer li­vrar-se de um incô­mo­do; o ris­co é agir pre­ci­pi­ta­da­men­te e aca­bar ge­ran­do um mal pi­or. Va­le a re­gra enun­ci­a­da por Jon Pos­tel: pa­ra vi­ver­mos na In­ter­net, de­ve­mos ser li­be­rais no que acei­ta­mos e con­ser­va­do­res no que fa­ze­mos. Ou se­ja, é ine­vi­tá­vel que te­nha­mos que pas­sar por si­tu­a­ções que nos de­sa­gra­dam, mas de­ve­mos evi­tar ge­rá-las aos de­mais. E res­ta ten­tar ame­ni­zar o qua­dro.

Pa­ra abor­dar al­guns des­ses abu­sos, é im­por­tan­te dis­tin­guir en­tre “In­ter­net” e as cons­tru­ções fei­tas so­bre ela. A es­tru­tu­ra es­sen­ci­al da In­ter­net é o con­jun­to de pro­to­co­los e equi­pa­men­tos so­bre os quais es­se mun­do ima­te­ri­al e sem fron­tei­ras ope­ra. “In­ter­net” não são as re­des so­ci­ais, nem os apli­ca­ti­vos, nem mes­mo os sí­ti­os que vi­si­ta­mos, mas é, sim, quem tor­nou viá­veis es­sas cons­tru­ções. Foi a ele­tri­ci­da­de, por exem­plo, que per­mi­tiu motores elé­tri­cos, mas não pa­re­ce sen­sa­to cul­pá-la quan­do al­guém é ele­tro­cu­ta­do, ou quan­do com­pu­ta­do­res elé­tri­cos aju­dam a vi­o­lar nos­sa pri­va­ci­da­de. Is­so, en­tre­tan­to, não sig­ni­fi­ca que não se­jam ne­ces­sá­ri­os es­for­ços con­tí­nu­os pa­ra tor­nar es­sa pla­ta­for­ma mais só­li­da e se­gu­ra. É uma pre­o­cu­pa­ção cons­tan­te dos gru­pos téc­ni­cos a cri­a­ção de pro­to­co­los que in­cor­po­rem crip­to­gra­fia, pro­ces­sos que pos­sam ser cer­ti­fi­ca­dos por as­si­na­tu­ras di­gi­tais. For­mas de tor­nar a re­de mais re­si­li­en­te a abu­sos dos mal-in­ten­ci­o­na­dos, cu­jo nú­me­ro só faz cres­cer...

Quem even­tu­al­men­te es­pa­lha de­sin­for­ma­ção, dis­se­mi­na me­do, es­tig­ma­ti­za in­di­ví­du­os, ame­a­ça nos­sa se­gu­ran­ça são as ações que ocor­rem nas cons­tru­ções so­bre a In­ter­net. Es­se é ob­je­to das pre­o­cu­pa­ções co­me­zi­nhas. Afi­nal, não nos in­co­mo­da tan­to o com­por­ta­men­to da in­fra­es­tru­tu­ra In­ter­net, quan­to o do que foi cri­a­do so­bre ela. En­quan­to to­dos dão tra­tos à bo­la de co­mo me­lho­rar es­se ce­ná­rio, sur­ge um no­vo e ines­pe­ra­do mo­vi­men­to: gran­des em­pre­sas da área pe­dem aos go­ver­nos “mais re­gu­la­ção”! Eis aí uma pí­lu­la dou­ra­da que de­ve­mos exa­mi­nar com mui­to cui­da­do an­tes de de­ci­dir se a en­go­li­mos. Cla­ro que uma em­pre­sa, co­mo um clu­be, po­de ter re­gras próprias de com­por­ta­men­to ade­qua­do pa­ra seus as­so­ci­a­dos, mas is­so é bem di­fe­ren­te de ela pe­dir a um go­ver­no que a re­gu­le, afe­tan­do por ex­ten­são o com­por­ta­men­to de to­das as de­mais ini­ci­a­ti­vas. Fi­ca pa­ra uma pró­xi­ma um exa­me com mais de­ta­lhes do que se es­con­de sob es­sa apa­ren­te an­ti­no­mia: um pe­di­do de re­gu­la­ção so­bre a even­tu­al au­tor­re­gu­la­ção.

Re­gu­la­ção é me­ca­nis­mo im­por­tan­te pa­ra se ga­ran­tir um jo­go lim­po no mer­ca­do. É um re­mé­dio pa­ra ma­les que ad­vêm de de­se­qui­lí­bri­os es­tru­tu­rais. Por exem­plo, a lei de proteção de da­dos in­di­vi­du­ais de­vol­ve-nos o con­tro­le de nos­sas in­for­ma­ções, re­e­qui­li­bran­do o po­der. Co­mo to­do re­mé­dio, re­gu­la­ção de­ve ser usa­da em si­tu­a­ções es­pe­cí­fi­cas e em do­ses adequadas. Seu ex­ces­so ou sua fal­ta são da­no­sos. No gre­go, re­mé­dio e ve­ne­no são a mes­ma pa­la­vra. Em por­tu­guês, “dro­ga” po­de ser re­mé­dio ou ve­ne­no. À épo­ca do des­co­bri­men­to do Bra­sil, Pa­ra­cel­so, um mé­di­co e al­qui­mis­ta suí­ço, aler­ta­va: “O que se­pa­ra re­mé­dio de ve­ne­no é ape­nas a do­se”.

Re­gu­la­ção é me­ca­nis­mo im­por­tan­te pa­ra se ga­ran­tir um jo­go lim­po no mer­ca­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.