Star­tup de saú­de re­ce­be apor­te de US$ 2 mi­lhões

Va­lor Ca­pi­tal li­de­ra in­ves­ti­men­to na TNH, que tem um as­sis­ten­te vir­tu­al de saú­de men­tal; fo­co é ex­pan­são pa­ra mun­do cor­po­ra­ti­vo

O Estado de S. Paulo - - Economia - Bru­no Ro­ma­ni

A star­tup de saú­de TNH Health anun­cia ho­je que re­ce­beu um in­ves­ti­men­to de US$ 2 mi­lhões, li­de­ra­do pe­lo fun­do ame­ri­ca­no Va­lor Ca­pi­tal Group – par­ti­ci­pa­ram tam­bém da ro­da­da os fun­da­do­res da re­de de la­bo­ra­tó­ri­os Sa­lo­mão Zop­pi, a Vi­da­link e Ma­ria Health Part­ners. A Va­lor é o fun­do que aju­dou a Sto­ne a abrir ca­pi­tal em No­va York e tam­bém o ser­vi­ço cor­po­ra­ti­vo de aca­de­mi­as Gym­pass a fa­zer sua ex­pan­são in­ter­na­ci­o­nal.

A TNH de­sen­vol­ve um as­sis­ten­te vir­tu­al cha­ma­do Vi­ki, que con­ver­sa so­bre te­mas li­ga­dos à saú­de men­tal, co­mo an­si­e­da­de, es­tres­se, de­pres­são e qua­li­da­de do so­no – é pos­sí­vel uti­li­zar o “psi­có­lo­go vir­tu­al” gra­tui­ta­men­te no Fa­ce­bo­ok Mes­sen­ger. “Es­se di­nhei­ro vai aju­dar a apro­fun­dar­mos nos­so pro­du­to, ex­pan­dir nos­sos ne­gó­ci­os pa­ra o mun­do cor­po­ra­ti­vo e cres­cer nos­sa ba­se de usuá­ri­os no Bra­sil”, diz ao Es­ta­do Mi­cha­el Kapps, co­fun­da­dor da em­pre­sa.

Fun­da­da em 2013, a TNH tem um ti­me de 30 pes­so­as, di­vi­di­dos en­tre Join­vil­le (SC) e São Pau­lo, que de­sen­vol­ve a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al da Vi­ki.

“O que mais nos im­pres­si­o­nou na TNH é ca­pa­ci­da­de de en­ga­ja­men­to da fer­ra­men­ta, que con­se­gue trans­mi­tir in­for­ma­ções im­por­tan­tes pa­ra a saú­de do in­di­ví­duo”, diz Mi­cha­el Nic­klas, só­cio da Va­lor Ca­pi­tal.

O exe­cu­ti­vo diz acre­di­tar que es­se se­ja ape­nas o pri­mei­ro in­ves­ti­men­to da Va­lor na TNH. “Te­mos mais pla­nos ca­so eles atin­jam de­ter­mi­na­das me­tas.”

A TNH mira co­mo fon­tes de re­cei­ta o mer­ca­do cor­po­ra­ti­vo – ope­ra­do­ras de saú­de e ou­tras em­pre­sas que pre­ten­dem ofe­re­cer o “psi­có­lo­go vir­tu­al” pa­ra cli­en­tes e fun­ci­o­ná­ri­os. A ex­pan­são da fer­ra­men­ta pa­ra o se­tor pú­bli­co tam­bém é vis­ta com bons olhos. A em­pre­sa es­tá no pro­ces­so de fe­char um con­tra­to com a ci­da­de de Bal­ti­mo­re, EUA, pa­ra ofe­re­cer a as­sis­ten­te, além de man­ter con­ver­sas com go­ver­nos da re­gião Nor­des­te.

Pa­ra a com­pa­nhia, po­rém, é im­por­tan­te man­ter a ver­são gra­tui­ta da fer­ra­men­ta. É com os da­dos ge­ra­dos por es­sa ba­se de usuá­ri­os que a TNH con­se­gue aper­fei­ço­ar a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al da pla­ta­for­ma.

Ci­fra im­por­tan­te. Ape­sar de bai­xo quan­do com­pa­ra­do a ou­tros apor­tes em star­tups bra­si­lei­ras em 2019, o in­ves­ti­men­to na TNH é um dos mai­o­res va­lo­res do ano re­ce­bi­do por uma

he­alth­te­ch do País. “Te­mos olha­do pa­ra o se­tor de saú­de há mui­to tem­po, mas não ha­vía­mos en­con­tra­do um ati­vo in­te­res­san­te, pois es­se é um se­tor frag­men­ta­do, que tam­bém tem ques­tões re­gu­la­tó­ri­as”, diz Nic­klas.

A TNH co­me­çou co­mo um chat­bot de saú­de bá­si­ca e evo­luiu pa­ra uma fer­ra­men­ta de mo­ni­to­ra­men­to de grá­vi­das e pa­ci­en­tes crô­ni­cos, co­mo di­a­bé­ti­cos. A di­fi­cul­da­de da re­gu­la­men­ta­ção de te­le­me­di­ci­na, que per­mi­te con­sul­tas à dis­tân­cia, in­cen­ti­vou a mi­gra­ção pa­ra o seg­men­to de saú­de men­tal, que tem ques­tões re­gu­la­tó­ri­as mais re­sol­vi­das.

“Fa­ze­mos tu­do o que o mé­di­co não faz. O mé­di­co não li­ga pa­ra dar apoio emo­ci­o­nal ou pa­ra lem­brar de to­mar re­mé­dio. Fo­ca­mos em ori­en­ta­ção, o que é per­mi­ti­do”, diz Kapps.

TNH

Apos­ta. Mi­cha­el Kapps, da TNH, quer am­pli­ar usuá­ri­os: ‘Fa­ze­mos tu­do o que o mé­di­co não faz’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.