Kent Na­ga­no na Sa­la São Pau­lo

Ma­es­tro ame­ri­ca­no re­ge a Or­ques­tra Sinfô­ni­ca de Mon­tre­al

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - João Luiz Sampaio ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO

A ópe­ra é uma cons­tan­te na vi­da do ma­es­tro nor­te-ame­ri­ca­no Kent Na­ga­no. Mas, nos úl­ti­mos anos, ele re­sol­veu en­fren­tar o com­po­si­tor Ri­chard Wag­ner de uma ma­nei­ra es­pe­ci­al. An­tes de in­ter­pre­tar, em Colô­nia, na Ale­ma­nha, a te­tra­lo­gia O Anel do Ni­be­lun­go, cri­ou um pro­je­to de cin­co anos no qual pa­les­tras, de­ba­tes, lan­ça­men­tos de li­vros e pes­qui­sas nas par­ti­tu­ras ori­gi­nais pu­des­sem ofe­re­cer um no­vo olhar so­bre a obra. “Te­mos sen­ti­do ir­ri­ta­ção, ani­ma­ção, en­tu­si­as­mo, tu­do ao mes­mo tem­po”, ele con­ta. “Voltar ao co­me­ço é sem­pre im­por­tan­te, en­ten­der o que es­tá por trás das coi­sas, o ob­je­ti­vo ini­ci­al que le­vou à cri­a­ção de uma obra, a ra­zão do que fa­ze­mos.”

Es­se ti­po de cui­da­do na re­lei­tu­ra do re­per­tó­rio do pas­sa­do é uma das mar­cas da car­rei­ra de Na­ga­no, que nes­ta ter­ça e quar­ta, di­as 1.º e 2, re­ge a Or­ques­tra Sinfô­ni­ca de Mon­tre­al na Sa­la São Pau­lo pe­la tem­po­ra­da da Cul­tu­ra Ar­tís­ti­ca. E é a es­sên­cia do tra­ba­lho que ele re­a­li­zou com o gru­po do qual es­te­ve à fren­te nos úl­ti­mos 16 anos.

“Uma tur­nê é um mo­men­to de mos­trar aqui­lo que vo­cê é. E, no ca­so da Sinfô­ni­ca de Mon­tre­al, is­so sig­ni­fi­ca en­ten­der o lu­gar de on­de ela vem, o pa­pel que de­sem­pe­nha na so­ci­e­da­de em que es­tá in­se­ri­da. Quan­do de­sem­bar­quei em Qu­e­bec, era co­mo se es­ti­ves­se em so­lo eu­ro­peu. A in­fluên­cia eu­ro­peia era mui­to vi­va, sem re­jei­ções. Ao mes­mo tem­po, ha­via um de­se­jo de mo­der­ni­da­de ca­rac­te­rís­ti­co do no­vo mun­do. E is­so su­ge­ria, em um pri­mei­ro mo­men­to, que a ex­pe­ri­ên­cia sinfô­ni­ca pre­ci­sa­va ser a mais ri­ca pos­sí­vel, com um mer­gu­lho mais pro­fun­do no gran­de re­per­tó­rio”, diz.

Os pro­gra­mas em São Pau­lo são sím­bo­los dis­so. Ho­je, o gru­po to­ca o Con­cer­to pa­ra vi­o­li­no, de Brahms, e o Con­cer­to pa­ra or­ques­tra de Bar­tók; amanhã, o Con­cer­to pa­ra vi­o­li­no nº 3, de Mo­zart, e a Sin­fo­nia nº 5, de Mah­ler. A so­lis­ta se­rá a vi­o­li­nis­ta Ale­xan­dra Soumm, que subs­ti­tui Ve­ro­ni­ka Eber­le, pre­vi­a­men­te anun­ci­a­da, que can­ce­lou sua par­ti­ci­pa­ção na tur­nê da or­ques­tra na se­ma­na pas­sa­da.

São pe­ças que, se co­lo­ca­das la­do a la­do cro­no­lo­gi­ca­men­te, co­brem du­zen­tos anos de mú­si­ca, do sé­cu­lo 18 ao sé­cu­lo 20. O ma­es­tro cres­ceu na ci­da­de de Mor­ro Bay, na Ca­li­fór­nia, on­de seus pais, im­por­tan­tes aca­dê­mi­cos, tro­ca­ram a vi­da na uni­ver­si­da­de pe­lo tra­ba­lho na fa­zen­da da fa­mí­lia. A for­ma­ção mu­si­cal se deu em ca­sa, mas tam­bém na es­co­la. E, na uni­ver­si­da­de, o es­tu­do for­mal o di­ri­giu à com­po­si­ção. A re­gên­cia sur­giu de­pois, por aca­so. “Meus co­le­gas for­ma­vam gru­pos pa­ra in­ter­pre­tar su­as obras e pre­ci­sa­vam de al­guém que pu­des­se re­gê-los.”

A ideia da cri­a­ção as­so­ci­a­da à in­ter­pre­ta­ção lhe deu um olhar di­fe­ren­ci­a­do – e tal­vez mais dinâmico – na re­la­ção com o re­per­tó­rio. Se mui­tas pe­ças ga­nha­ram vi­da por su­as mãos, o olhar pa­ra o pas­sa­do tam­bém se trans­for­mou: na­da, diz, es­tá fe­cha­do em seu tem­po, e é pos­sí­vel en­ten­der a his­tó­ria co­mo uma sequên­cia de trans­for­ma­ções que di­a­lo­gam com o que pas­sou tan­to quan­to com o que vi­rá.

Is­so se tor­na pos­sí­vel, po­rém, quan­do se ten­ta olhar pa­ra a mú­si­ca sem­pre de no­vas ma­nei­ras. “A per­gun­ta é: por que as pes­so­as vão a uma sa­la de con­cer­tos? Por que elas que­rem ou­vir es­sa mú­si­ca? Nin­guém é obri­ga­do a ou­vir mú­si­ca clás­si­ca, mas as pes­so­as fa­zem is­so. E de ma­nei­ra bas­tan­te par­ti­cu­lar. Se eu ve­jo um fil­me, por mais que gos­te de­le, tal­vez con­si­ga vê-lo mais uma ou du­as ve­zes. Com uma sin­fo­nia, po­rém, nos­sa re­la­ção é di­fe­ren­te. Eu a ouço de­ze­nas de ve­zes – e es­tou pron­to pa­ra mais. Pa­ra mim, as pes­so­as es­tão sem­pre bus­can­do al­go, que­ren­do des­co­brir al­go. Uma sin­fo­nia tal­vez se­ja sím­bo­lo da per­fei­ção hu­ma­na, da­qui­lo que po­de­mos atin­gir.”

FE­LIX BROEDE

Tur­nê. Ma­es­tro Kent Na­ga­no con­ta que a re­gên­cia sur­giu por cau­sa de gru­po de ami­gos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.