‘Tu­do, tu­do, tu­do vai dar pé...’

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - ROBERTA MARTINELLI E-MAIL: [email protected]­TA­DAO.COM

Sa­be quan­do vo­cê vai a um show ou a uma pe­ça ou fil­me e sai achan­do que o mun­do vai dar cer­to? Acon­te­ce e mui­to. Ain­da bem. Aque­la obra que te en­che de es­pe­ran­ça... En­tre um tur­no e ou­tro das elei­ções pre­si­den­ci­ais do ano pas­sa­do fui a um show que ti­ve cer­te­za que o mun­do to­do da­ria mui­to cer­to... Fu­en, er­rei. Mas que a ar­te se­ja sem­pre fer­ra­men­ta de lu­ta, ques­ti­o­na­men­to e mo­ti­va­ção. Sem im­pe­di­men­tos ou res­tri­ções im­pos­tas. A ca­da obra de ar­te des­sas, um sus­pi­ro. E, a so­ma de to­dos os sus­pi­ros nos faz mais for­tes. Es­se fim de se­ma­na es­ti­ve em um show des­ses. Vai dar cer­to! A can­to­ra e com­po­si­to­ra Le­trux fez em São Pau­lo, no Au­di­tó­rio Ibi­ra­que­ra, uma noi­te ca­tár­ti­ca de gra­va­ção do pri­mei­ro DVD: Le­trux em Noi­te de Cli­mão, com di­re­ção de Ta­ta Pi­er­ry.

A gra­va­ção foi no sá­ba­do ago­ra e ape­sar da brin­ca­dei­ra da can­to­ra “fiz es­se DVD pa­ra as­sis­tir com 82 anos” que re­gis­tro es­pe­ci­al do nos­so tem­po foi o show.

O pú­bli­co fez um es­pe­tá­cu­lo à par­te. Mui­tos es­ta­vam ves­ti­dos de Le­trux. Sim, vi as Le­trux de to­dos os cli­pes no hall do au­di­tó­rio an­tes de o show co­me­çar. Al­guns usa­vam ca­mi­se­ta ver­me­lha. Ou­tros tan­tos es­ta­vam com lo­ok to­do ver­me­lho. Bo­ni­to de ver o en­vol­vi­men­to e iden­ti­fi­ca­ção da pla­teia. To­dos ves­ti­dos, pron­tos e lou­cos pa­ra o cli­mão.

E ele lo­go che­ga... O fun­do do pal­co se abre e na con­tra­luz ela en­tra, to­da en­ro­la­da em uma ca­pa ver­me­lha. A pla­teia a re­ce­be aos ber­ros. A su­per-he­roí­na dos nos­sos tem­pos não sal­va nin­guém de tra­gé­di­as, mas nos di­ver­te e ins­ti­ga já que es­ta­mos no meio de uma. Es­sa he­roí­na nos re­lem­bra que o es­ta­do é lai­co, que o amor é livre, faz mú­si­ca pa­ra a tra­di­ci­o­nal fa­mí­lia bra­si­lei­ra sa­pa­tão e gri­fa que não de­ve­mos nos ca­lar nun­ca. Mes­mo que com is­so pos­sa­mos per­der di­nhei­ro, pa­tro­cí­nio... Sim, nos­sa su­per é do sig­no de Capricórni­o e nos con­fi­den­cia que vai su­bir a mon­ta­nha so­zi­nha, se for pre­ci­so, mas con­ti­nu­a­rá se po­si­ci­o­nan­do po­li­ti­ca­men­te. A pla­teia aplau­de de no­vo. A co­ra­gem que pou­cos têm, mas to­dos ad­mi­ram. Nos­sa su­per-he­roí­na critica a per­fei­ção, ela não é su­per na­da, é hu­ma­na.

No co­me­ço do show, uma fa­la pe­dia pa­ra o pú­bli­co per­ma­ne­cer sen­ta­do pa­ra a gra­va­ção, mas a pla­teia qua­se que não se aguen­ta­va, te­ve até um pe­di­do du­ran­te o show. “Dan­cem por den­tro, com os ór­gãos, com os fi­os de cabelo, e quan­do vo­cês le­van­ta­rem fa­rão o mo­vi­men­to mais lin­do de to­dos.”

No fim, o mo­vi­men­to con­ti­do saiu. Fi­cou lá. Re­gis­tra­do. Pa­re­ce que vai dar cer­to e o re­sul­ta­do sai em DVD. No meio do show um fo­ra ao atu­al pre­si­den­te. “Eu não qu­e­ro es­se no­me re­gis­tra­do aqui.” Me­lhor não! Eles pas­sa­rão. A mú­si­ca fi­ca.

SILLASH

Le­trux. Gra­va­ção DVD

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.