‘Não há ris­co de fe­char, es­ta­mos con­se­guin­do equi­li­brar as con­tas’

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - BRU­MA­DI­NHO / L.A.

Ex-fun­ci­o­ná­rio do Fed, o Ban­co Cen­tral dos EUA, o pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do Inho­tim, Ricardo Ga­zel, afir­ma que o po­si­ci­o­na­men­to da em­pre­sa de au­di­to­ria Er­nest & Young so­bre a pos­si­bi­li­da­de de fe­cha­men­to do mu­seu é pra­xe. “Quan­do tem mu­dan­ça mai­or em al­gum flu­xo de re­cei­ta, co­lo­cam es­sa no­ta.” Ga­zel afir­ma que o mu­seu não vai fe­char. “Em ne­nhu­ma ins­ti­tui­ção cul­tu­ral no Bra­sil so­bra di­nhei­ro. Es­ta­mos sem­pre bus­can­do for­mas de co­brir des­pe­sas e ra­ci­o­na­li­zar gas­tos. Ter es­tru­tu­ra mais en­xu­ta”, diz Ga­zel, que acre­di­ta que o flu­xo de vi­si­tan­tes es­tá co­me­çan­do a se nor­ma­li­zar.

Re­la­tó­rio da E & Y so­bre os ba­lan­ços de Inho­tim re­la­ti­vos a 2017 e 2018 apon­ta pa­ra a pos­si­bi­li­da­de de fe­cha­men­to do ins­ti­tu­to. O que le­vou o mu­seu a es­sa si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra? É pra­xe de to­da com­pa­nhia de au­di­to­ria. Quan­do tem mu­dan­ça mai­or em al­gum flu­xo de re­cei­ta, eles põem es­sa no­ta. Não há ne­nhum ris­co de fe­char.

Inho­tim re­gis­tra cons­tan­tes que­das nas re­cei­tas de in­gres­so e de pro­je­tos e con­vê­ni­os.

A que­da nos in­gres­sos ocorreu por con­ta da fe­bre ama­re­la em 2018. Hou­ve re­du­ção no flu­xo de vi­si­tan­tes, que só foi se res­ta­be­le­cer por vol­ta de ou­tu­bro. A cri­se econô­mi­ca ob­vi­a­men­te te­ve im­pac­to em al­gu­mas das re­cei­tas, mas ti­ve­mos au­men­to em ou­tras, o que nos pos­si­bi­li­tou fe­char (o ba­lan­ço) sem en­di­vi­da­men­to.

Qual o im­pac­to do rom­pi­men­to da bar­ra­gem da Va­le no mo­vi­men­to em Inho­tim?

Fi­ca­mos fe­cha­dos por 15 di­as. De­pois dis­so mui­ta gen­te ima­gi­nou que o Inho­tim con­ti­nu­a­va fe­cha­do, que Bru­ma­di­nho es­ta­va de­bai­xo de la­ma. De­pois te­ve a cam­pa­nha “Abra­ce Bru­ma­di­nho” pa­ra ten­tar re­to­mar o flu­xo de vi­si­tan­tes. Tem de lem­brar que em qual­quer mu­seu do mun­do ou ins­ti­tui­ção cul­tu­ral, o flu­xo de vi­si­tan­tes, a re­cei­ta de en­tra­das fi­ca por vol­ta de 20%, 25% do cus­to de ma­nu­ten­ção. Ago­ra, cla­ro que quan­to mais vi­si­tan­tes, mais em­pre­sas que­rem ter sua ima­gem as­so­ci­a­da à ins­ti­tui­ção. Hou­ve re­du­ção de re­cei­ta de in­gres­sos, mas nos­sos par­cei­ros vi­e­ram e es­ta­mos con­se­guin­do equi­li­brar as con­tas.

O ins­ti­tu­to pro­cu­rou a Va­le pa­ra so­li­ci­tar aju­da fi­nan­cei­ra de­pois da tra­gé­dia? Te­ve su­ces­so na ne­go­ci­a­ção?

Sem­pre es­ta­mos em con­ver­sa­ção com par­cei­ros, e com a Va­le es­pe­ci­al­men­te. De­pois da tra­gé­dia a em­pre­sa tem da­do apoio a vá­ri­as ati­vi­da­des. Não pos­so di­zer quan­to, mas au­men­tou es­te ano o pa­tro­cí­nio (da mi­ne­ra­do­ra).

Seis ga­le­ri­as es­tão em ma­nu­ten­ção em Inho­tim, con­for­me avi­so na en­tra­da do mu­seu. Há quan­to tem­po? Qual o mo­ti­vo? To­dos os anos te­rão ga­le­ri­as em obras. O mo­ni­to­ra­men­to é con­tí­nuo. Vá­ri­as se­rão re­a­ber­tas ago­ra em ou­tu­bro.

O que es­tá sen­do fei­to pa­ra man­ter Inho­tim aber­to? Au­men­ta­mos a pro­gra­ma­ção cul­tu­ral. Quan­do há um show, por exem­plo, do Al­ceu Va­len­ça, há uma ex­po­si­ção mui­to gran­de na mí­dia. To­dos fi­cam sa­ben­do que o mu­seu es­tá aber­to e com pro­gra­ma­ção cul­tu­ral. Es­ta­mos sem­pre bus­can­do no­vos pa­tro­cí­ni­os e for­mas de co­brir des­pe­sas e ra­ci­o­na­li­zar gas­tos. Inho­tim não fe­cha. É uma ins­ti­tui­ção só­li­da. Não exis­te a me­nor pos­si­bi­li­da­de de fe­char. O pú­bli­co já re­cu­pe­rou bas­tan­te. Es­ta­mos pró­xi­mos do flu­xo nor­mal, que é de 350 mil vi­si­tan­tes/ano.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.