Com 25 anos de Bra­sil, HBO apos­ta no ‘lo­cal’

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Thaís Fer­raz ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO

Do­na de su­ces­sos co­mo Ga­me of Th­ro­nes e The So­pra­nos, a HBO che­gou ao Bra­sil em 1994. Com­ple­tan­do 25 anos no País, o ca­nal investe ago­ra na pro­du­ção lo­cal, com 19 tí­tu­los, en­tre do­cu­men­tá­ri­os, sé­ri­es e uma ani­ma­ção, em exi­bi­ção ou já anun­ci­a­das.

En­tre elas, se des­ta­ca a sé­rie Pi­co da Ne­bli­na, pro­du­zi­da em par­ce­ria com a pro­du­to­ra in­de­pen­den­te O2 Fil­mes, de Fer­nan­do Mei­rel­les. Na pro­du­ção fic­tí­cia, o tra­fi­can­te Bi­ri­ba aban­do­na o mun­do do cri­me e se tor­na em­pre­sá­rio após a ma­co­nha ser le­ga­li­za­da no Bra­sil.

“Eu te­nho mui­to or­gu­lho des­se pro­je­to, que de­man­dou três anos de tra­ba­lho. Com ele, atra­ves­sa­mos uma fron­tei­ra”, afir­mou o vi­ce-pre­si­den­te de Pro­du­ções Ori­gi­nais da HBO na Amé­ri­ca La­ti­na, Roberto Ri­os, em en­tre­vis­ta coletiva con­ce­di­da a jor­na­lis­tas.

“O di­re­tor, Ki­ko Mei­rel­les, con­se­guiu tra­zer ma­tu­ri­da­de e re­no­var a lin­gua­gem da sé­rie, por­que ele cres­ceu ven­do pro­je­tos co­mo Fi­lhos do Car­na­val (exi­bi­do pe­la emis­so­ra em 2006).”

É um mo­de­lo que in­te­res­sa à emis­so­ra. Na en­tre­vis­ta, Ri­os e o pre­si­den­te de Network da HBO pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na, Luis Pe­ra­za, afir­ma­ram que a em­pre­sa pre­ten­de con­ti­nu­ar fa­zen­do par­ce­ri­as com pro­du­to­ras in­de­pen­den­tes, co­mo a O2 e a Coi­o­te, que co­as­si­na a sé­rie Todxs, tam­bém lan­ça­da em 2019. “Te­mos mui­tos pro­je­tos as­sim vin­do por aí, em to­dos os paí­ses”, afir­mou Ri­os. “As pro­du­to­ras in­de­pen­den­tes têm uma lin­gua­gem mais ágil, um for­ma­to di­fe­ren­te”, dis­se.

Pro­du­zir con­teú­do lo­cal, no en­tan­to, nem sem­pre foi fá­cil. “Na épo­ca de ou­ro da HBO, quan­do exi­bía­mos sé­ri­es co­mo So­pra­nos e Sex and The City, nós ti­ve­mos que con­ven­cer a di­re­to­ria a apos­tar em pro­du­ções lo­cais”, con­ta Pe­ra­za. A pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia foi a ar­gen­ti­na Epi­tá­fi­os, sé­rie fa­la­da em es­pa­nhol e com elen­co lo­cal. “Foi um su­ces­so, nem nós es­pe­rá­va­mos por is­so. Ela pro­vou que a ideia do pro­je­to era viá­vel”, afir­ma Pe­ra­za.

No­vas apos­tas. O fenô­me­no

Ga­me of Th­ro­nes, que che­gou ao fim em ju­nho des­te ano, foi um mar­co na his­tó­ria da HBO. “Ele foi se cons­truin­do pou­co a pou­co. Acre­di­to que a vei­cu­la­ção se­ma­nal dos epi­só­di­os foi uma cha­ve pa­ra o su­ces­so”, afir­ma Pe­ra­za. “É o ar­co ef­fect, vo­cê vê um epi­só­dio e quer ver o pró­xi­mo”, diz.

Mas há vi­da após o fim da sé­rie, afir­ma o exe­cu­ti­vo.

“GoT mu­dou a re­fe­rên­cia do que são sé­ri­es ori­gi­nais, e nin­guém pen­sou que che­ga­ría­mos a es­se ex­tre­mo. Mas te­mos ou­tros pro­je­tos que de­vem che­gar tam­bém nes­se pon­to”, diz. “Os ‘fi­lho­tes’ de

GoT (três pre­que­las que se­rão lan­ça­das pe­la HBO) têm mui­to po­ten­ci­al.”

Ri­os des­ta­ca ou­tros tí­tu­los de fô­le­go. “No es­pa­ço en­tre as tem­po­ra­das de GoT, sur­gi­ram sé­ri­es co­mo Big Lit­tle Li­es, e após o fim, vi­e­ram tí­tu­los co­mo Cher­nobyl e Eupho­ria”, afir­ma.

HBO

‘Pi­co da Ne­bli­na’. Sé­rie na­ci­o­nal é des­ta­que da emis­so­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.