PE­LA SAÚ­DE DAS PES­SO­AS E DAS EM­PRE­SAS

O Estado de S. Paulo - - Saúde Suplementa­r - Rob­son Bra­ga de Andrade Em­pre­sá­rio e pre­si­den­te da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria (CNI)

Ofe­re­cer pla­no de saú­de aos tra­ba­lha­do­res e seus de­pen­den­tes traz be­ne­fí­ci­os às em­pre­sas: en­tre ou­tros, atrai e re­tém ta­len­tos, e con­tri­bui pa­ra a boa ima­gem e a re­pu­ta­ção cor­po­ra­ti­va. Não é à toa que qua­se 70% dos bra­si­lei­ros que es­tão no sis­te­ma de saú­de su­ple­men­tar in­te­gram pla­nos co­le­ti­vos em­pre­sa­ri­ais. De­vi­do ao pe­so sig­ni­fi­ca­ti­vo das com­pa­nhi­as no fi­nan­ci­a­men­to des­se ser­vi­ço, é fun­da­men­tal que elas se­jam ou­vi­das e pos­sam pro­por me­di­das que fa­vo­re­çam sua sus­ten­ta­bi­li­da­de e a me­lho­ra de sua qua­li­da­de. Não são pou­cos os de­sa­fi­os, pois o sis­te­ma es­tá lon­ge do ide­al.

A fal­ta de uma ges­tão in­te­gra­da, com ba­se em in­for­ma­ções trans­pa­ren­tes e pa­dro­ni­za­das, e com fo­co nos re­sul­ta­dos, ge­ra des­per­dí­ci­os, re­a­li­za­ção de pro­ce­di­men­tos des­ne­ces­sá­ri­os e in­sa­tis­fa­ção dos usuá­ri­os. Além dis­so, os gas­tos com pla­nos de saú­de re­pre­sen­tam, em mé­dia, 13,1% da fo­lha de pa­ga­men­to, sen­do a se­gun­da mai­or des­pe­sa das em­pre­sas. A mé­dia anu­al de re­a­jus­te do be­ne­fí­cio é de 10%, bem aci­ma do ín­di­ce de in­fla­ção.

O se­tor em­pre­sa­ri­al faz a sua par­te pa­ra ga­ran­tir a sus­ten­ta­bi­li­da­de dos pla­nos. Há dois anos, o Ser­vi­ço So­ci­al da In­dús­tria (Se­si) e a Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria (CNI) cri­a­ram o Gru­po de Tra­ba­lho em Saú­de Su­ple­men­tar, com­pos­to por em­pre­sas con­tra­tan­tes, com o ob­je­ti­vo de pro­por ca­mi­nhos pa­ra a ma­nu­ten­ção do be­ne­fí­cio, a me­lho­ra dos ser­vi­ços e a ra­ci­o­na­li­za­ção dos cus­tos. Ho­je, es­sa ini­ci­a­ti­va con­ta com 68 em­pre­sas, que re­pre­sen­tam qua­se 3 mi­lhões de be­ne­fi­ciá­ri­os.

Es­sa mo­bi­li­za­ção é ins­pi­ra­da em mo­vi­men­to dos Es­ta­dos Unidos que le­vou à co­la­bo­ra­ção en­tre em­pre­ga­do­res e o se­tor de saú­de pa­ra apri­mo­rar a pres­ta­ção e di­mi­nuir os cus­tos. No Bra­sil, es­sa co­o­pe­ra­ção vem per­mi­tin­do a ela­bo­ra­ção de pro­pos­tas de po­lí­ti­cas pú­bli­cas e a tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as en­tre os par­ti­ci­pan­tes pa­ra me­lho­rar a ges­tão da saú­de e ne­go­ci­ar, de for­ma mais efe­ti­va, com ope­ra­do­ras e pres­ta­do­ras de ser­vi­ços de saú­de.

En­tre as pri­o­ri­da­des, es­tão a pa­dro­ni­za­ção e a qua­li­da­de das in­for­ma­ções so­bre o sis­te­ma pa­ra ori­en­tar as de­ci­sões so­bre investimen­tos na promoção da saú­de e na pre­ven­ção de do­en­ças. A me­lhor ges­tão dos da­dos con­tri­bui pa­ra aper­fei­ço­ar os cui­da­dos de saú­de por meio de jor­na­das do pa­ci­en­te es­ta­be­le­ci­das de acor­do com os pa­drões de tra­ta­men­to das do­en­ças mais fre­quen­tes. Além dis­so, a pre­ci­são fa­ci­li­ta cam­pa­nhas que ori­en­tem usuá­ri­os no uso mais ra­ci­o­nal do sis­te­ma ao iden­ti­fi­car fon­tes de des­per­dí­cio, por exem­plo.

O se­tor em­pre­sa­ri­al tam­bém de­fen­de um mo­de­lo de con­tra­ta­ção, uso e re­mu­ne­ra­ção ba­se­a­dos em va­lor. Com is­so, ope­ra­do­ras e pres­ta­do­res de ser­vi­ços de saú­de se­ri­am es­ti­mu­la­dos por pa­drões de de­sem­pe­nho que exer­çam me­lhor im­pac­to so­bre a saú­de dos usuá­ri­os.

A fren­te do Gru­po de Tra­ba­lho em Saú­de Su­ple­men­tar que mais avan­ça é a re­fe­ren­te à re­es­tru­tu­ra­ção do sis­te­ma, com os pres­ta­do­res do ser­vi­ço pas­san­do a dar ên­fa­se a um mo­de­lo as­sis­ten­ci­al in­te­gra­do, com fo­co em aten­ção pri­má­ria e promoção da saú­de. Por meio des­se es­for­ço ar­ti­cu­la­do com os de­mais elos da ca­deia, as em­pre­sas con­se­guem fa­zer mais e me­lhor em fa­vor da saú­de dos tra­ba­lha­do­res e de­pen­den­tes. A in­dús­tria, que já vi­a­bi­li­za ações sig­ni­fi­ca­ti­vas em promoção da saú­de, pas­sa a for­mar par­ce­ri­as com o se­tor pa­ra po­ten­ci­a­li­zar a pre­ven­ção de do­en­ças.

O mais im­por­tan­te in­ves­ti­men­to das em­pre­sas é na saú­de e no bem-es­tar dos tra­ba­lha­do­res e de seus fa­mi­li­a­res. Nes­ses tem­pos em que o aces­so à saú­de pri­va­da so­fre a ame­a­ça dos cus­tos ele­va­dos, o mo­de­lo de mer­ca­do co­la­bo­ra­ti­vo am­plo, com par­ti­ci­pa­ção de­ci­si­va dos con­tra­tan­tes e usuá­ri­os do sis­te­ma, sur­ge co­mo opor­tu­ni­da­de pa­ra que se al­can­cem me­lho­res re­sul­ta­dos nes­se se­tor im­pres­cin­dí­vel pa­ra o au­men­to da pro­du­ti­vi­da­de da eco­no­mia e pa­ra a me­lho­ra da qua­li­da­de de vi­da dos bra­si­lei­ros. Is­so é o que to­dos nós que­re­mos.

Mi­guel Ân­ge­lo/CNI

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.