Ges­tão de mu­dan­ças co­mo so­lu­ção

O Estado de S. Paulo - - Saúde Suplementa­r -

Um dos mai­o­res en­tra­ves pa­ra as evo­lu­ções que vêm sen­do pen­sa­das pa­ra o se­tor de saú­de es­tá na re­sis­tên­cia às mu­dan­ças. Pa­ra Ka­te Hil­ton, di­re­to­ra da Rethink Health, a re­sis­tên­cia das pes­so­as é o mai­or obs­tá­cu­lo às mu­dan­ças, e en­fren­tar is­so vai exi­gir, tam­bém, um no­vo mind­set. “Os lí­de­res pre­ci­sa­rão per­ce­ber, por exem­plo, que a re­sis­tên­cia é al­go bom. Ela in­di­ca que as pes­so­as es­tão com­pro­me­ti­das, e é pre­ci­so tra­ba­lhar com ela ao invés de con­fron­tá-las”, ex­pli­ca. A exe­cu­ti­va afir­ma que é im­por­tan­te que não se di­ga às pes­so­as o que fa­zer. Ao con­trá­rio, são os res­pon­sá­veis pe­las trans­for­ma­ções que de­vem mu­dar o fo­co da ques­tão de “Co­mo fa­zer que as pes­so­as fa­çam o que eu qu­e­ro?” pa­ra “Co­mo pos­so fa­zer que to­das elas fa­çam o que elas que­rem?”.

Por fim, a es­pe­ci­a­lis­ta re­for­çou uma re­gra de ou­ro de re­cur­sos hu­ma­nos, que é a va­lo­ri­za­ção da equi­pe. E jus­ti­fi­cou: “É mais fá­cil man­ter o fo­co em pro­fis­si­o­nais que já es­tão com­pro­me­ti­dos”. Se­gun­do Ka­te, to­do es­se es­for­ço de­ve ser fei­to pa­ra que as em­pre­sas co­lo­quem aten­ção no va­lor que elas que­rem. Fa­lan­do es­pe­ci­fi­ca­men­te da área de saú­de, ela lem­brou que “te­mos que acei­tar a re­a­li­da­de de nos­sos sis­te­mas e a res­pon­sa­bi­li­da­de de mu­dá-los. Mas pa­ra is­so te­mos que ado­tar no­vos mo­de­los de li­de­ran­ça”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.