Aras quer ‘bus­ca da ver­da­de’ so­bre aten­ta­do a Bol­so­na­ro

Pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca de­fen­de ‘apro­fun­da­men­to’ das in­ves­ti­ga­ções so­bre fa­ca­da so­fri­da pe­lo en­tão can­di­da­to

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Bre­no Pi­res Rafael Mo­ra­es Mou­ra / BRASÍLIA

Pa­ra o pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Au­gus­to Aras, as in­ves­ti­ga­ções so­bre o aten­ta­do a fa­ca so­fri­do pe­lo en­tão can­di­da­to Jair Bol­so­na­ro, em se­tem­bro de 2018, de­vem ser “apro­fun­da­das”, em bus­ca da “ver­da­de re­al” do aten­ta­do. A fa­la re­pro­duz o dis­cur­so que o pre­si­den­te vem fa­zen­do há tem­pos. Em en­tre­vis­ta ao Es­ta­do, Aras – que to­ma pos­se ho­je pa­ra um man­da­to de dois anos – dis­se acre­di­tar que, “pe­las cir­cuns­tân­ci­as” do cri­me, Adé­lio Bis­po de Oli­vei­ra não agiu so­zi­nho, ao con­trá­rio do que con­cluiu a Po­lí­cia Fe­de­ral. Aras ci­ta co­mo exem­plos o uso de ar­ma bran­ca, a sus­pei­ta de co­par­tí­ci­pes na mul­ti­dão, a ten­ta­ti­va de con­fun­dir as apu­ra­ções com a en­tra­da de pes­so­as com o mes­mo no­me na Câ­ma­ra e o sur­gi­men­to de ad­vo­ga­dos con­tra­ta­dos por des­co­nhe­ci­dos. O Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 1.ª Re­gião (TRF-1) ana­li­sa­rá ho­je a legalidade da ope­ra­ção da PF con­tra o ad­vo­ga­do Za­no­ne Jú­ni­or, de­fen­sor de Adé­lio, e se o ca­so de­ve ser en­ca­mi­nha­do ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral.

“Ain­da é tem­po de a Po­lí­cia Fe­de­ral e de o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, atu­an­do em con­jun­to, bus­ca­rem a ver­da­de re­al do aten­ta­do” AU­GUS­TO ARAS PRO­CU­RA­DOR-GE­RAL DA RE­PÚ­BLI­CA

O pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Au­gus­to Aras, de­fen­deu on­tem o apro­fun­da­men­to das in­ves­ti­ga­ções so­bre o ata­que so­fri­do pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, no ano pas­sa­do, por acre­di­tar que Adé­lio Bis­po de Oli­vei­ra não agiu co­mo um “lo­bo so­li­tá­rio” ao dar uma fa­ca­da no en­tão can­di­da­to do PSL. “Ain­da é tem­po de bus­car a ver­da­de re­al do aten­ta­do”, dis­se ele ao Es­ta­do, re­pro­du­zin­do o dis­cur­so do pró­prio pre­si­den­te, que o in­di­cou ao car­go. Aras to­ma pos­se ho­je pa­ra um man­da­to de dois anos. A Po­lí­cia Fe­de­ral con­cluiu, em 2018, que Adé­lio agiu so­zi­nho, mas um no­vo inqué­ri­to foi aber­to pa­ra apu­rar a par­ti­ci­pa­ção de ter­cei­ros. A Jus­ti­ça o con­si­de­rou inim­pu­tá­vel, in­ca­paz de res­pon­der por seus atos.

• O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro co­bra até ho­je a apu­ra­ção do aten­ta­do que so­freu. O pro­ces­so pre­ci­sa de ou­tra abor­da­gem? Acre­di­to que de­ves­se me­re­cer apro­fun­da­men­to das in­ves­ti­ga­ções. Não me pa­re­ce crí­vel pe­lo mo­dus ope­ran­di em que agiu Adé­lio que o aten­ta­do à vi­da do atu­al pre­si­den­te te­nha si­do um me­ro sur­to de quem quer que se­ja.

• Por quê?

O uso de ar­ma bran­ca, a sus­pei­ta de co­par­tí­ci­pes na mul­ti­dão, a ten­ta­ti­va de con­fun­dir as apu­ra­ções com a en­tra­da de pes­so­as com o mes­mo no­me na Câ­ma­ra, o sur­gi­men­to de ad­vo­ga­dos que não fo­ram con­tra­ta­dos por al­guém co­nhe­ci­do são ele­men­tos que pre­ci­sam ser in­ves­ti­ga­dos. Ain­da é tem­po de a Po­lí­cia Fe­de­ral, do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, atu­an­do em con­jun­to, bus­car a ver­da­de re­al do aten­ta­do.

• A nar­ra­ti­va do “lo­bo so­li­tá­rio” não con­ven­ce o sr.? Não, pe­las cir­cuns­tân­ci­as.

• Na prá­ti­ca, a PGR po­de pe­dir quais pro­vi­dên­ci­as so­bre o ca­so? Es­se as­sun­to pre­ci­sa ser tra­ta­do pe­los ad­vo­ga­dos do pre­si­den­te nes­te mo­men­to.

• O ex-pre­si­den­te Lu­la tem ra­zão quan­do diz que de­ve­ria ter di­rei­to a um no­vo jul­ga­men­to no ca­so do tri­plex do Gu­a­ru­já?

Não pos­so fa­lar so­bre o mé­ri­to de cau­sas que ain­da vão ser apre­ci­a­das. Do pon­to de vis­ta téc­ni­co, a sus­pei­ção, em te­se, não in­va­li­da a con­de­na­ção. O que in­va­li­da a con­de­na­ção é o juiz im­pe­di­do.

• Co­mo o sr. se ma­ni­fes­ta­rá no inqué­ri­to das fa­ke news aber­to pe­lo Su­pre­mo, que não te­ve có­pia en­vi­a­da à PGR até ho­je? Te­mos en­con­tro mar­ca­do pa­ra dis­cu­tir a au­sên­cia de par­ti­ci­pa­ção da PGR no ca­so das fa­ke news, do dou­tor Ja­not (Ro­dri­go Ja­not, ex-pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca), do se­na­dor Fer­nan­do Be­zer­ra (lí­der do go­ver­no no Se­na­do, al­vo de ope­ra­ção da PF). Mas is­so não sig­ni­fi­ca di­zer nu­li­da­de. Uma coi­sa é a de­fe­sa in­tran­si­gen­te que fa­re­mos das nos­sas prer­ro­ga­ti­vas cons­ti­tu­ci­o­nais, ou­tra é im­pu­tar nu­li­da­de a uma in­ves­ti­ga­ção que me­re­ce­rá a apre­ci­a­ção da PGR.

• O sr. tam­bém usará as pro­vas co­lhi­das no ga­bi­ne­te do se­na­dor Fer­nan­do Be­zer­ra na ope­ra­ção au­to­ri­za­da pe­lo STF sem aval de Ra­quel Dod­ge, sua an­te­ces­so­ra? O prin­cí­pio é o mes­mo. Mas não po­de­mos per­mi­tir que is­so con­ti­nue ocor­ren­do. Por­que, aí sim, se is­so vi­rar uma prá­ti­ca de sub­ver­são das prer­ro­ga­ti­vas

do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, es­te MP te­rá de ado­tar al­gu­ma pro­vi­dên­cia.

• Pre­o­cu­pa o sr. que no inqué­ri­to das fa­ke news não ha­ja um fa­to es­pe­cí­fi­co pa­ra apu­ra­ção? Quan­do eu di­go que te­mos um en­con­tro mar­ca­do com o ple­ná­rio do STF é pa­ra di­zer que nós va­mos ter de de­ba­ter es­sa po­si­ção de al­guns mi­nis­tros que, su­pe­ran­do as prer­ro­ga­ti­vas do MPF, ado­tam uma po­si­ção in­ves­ti­ga­ti­va que não é da sua na­tu­re­za. Qual é o li­mi­te do mi­nis­tro? É só is­so.

• A pos­si­bi­li­da­de de pro­cu­ra­do­res en­tra­rem na mi­ra da in­ves­ti­ga­ção do STF pre­o­cu­pa o sr.? Não, is­so não me pre­o­cu­pa. O pro­cu­ra­dor que por­ven­tu­ra ti­ver vi­o­la­do a lei tem que res­pon­der. A ca­sa tem de cum­prir seu de­ver den­tro e fo­ra, não é só na rua. O cor­po­ra­ti­vis­mo faz que os ad­ver­sá­ri­os se­jam per­se­gui­dos e os acó­li­tos, pro­te­gi­dos.

• O Con­se­lho Na­ci­o­nal do MP po­de in­ves­ti­gar a con­du­ta de Ja­not, mes­mo com ele apo­sen­ta­do? Em te­se, se fi­car pro­va­do que hou­ve fal­ta fun­ci­o­nal, po­de sim por­que os fa­tos são an­te­ri­o­res à apo­sen­ta­do­ria. Apoio que o Con­se­lho in­ves­ti­gue to­da e qual­quer con­du­ta ilí­ci­ta.

• Que pre­juí­zos traz a sus­pen­são das in­ves­ti­ga­ções com ba­se em da­dos do Co­af?

Po­de im­pe­dir, em­ba­ra­çar, atra­sar in­ves­ti­ga­ções em cur­so, mas es­ta­mos cer­tos de que o STF tam­bém sa­be des­sa al­ta res­pon­sa­bi­li­da­de e ha­ve­rá de pau­tar o quan­to an­tes es­se ca­so. As­sim, as in­ves­ti­ga­ções po­dem vol­tar ao lei­to nor­mal.

• O sr. con­cor­da com o pe­di­do de Ra­quel Dod­ge de fe­de­ra­li­za­ção do ca­so Ma­ri­el­le Fran­co?

Eu apoio (a fe­de­ra­li­za­ção) em ra­zão do de­cur­so do tem­po, da de­nún­cia da Dra. Ra­quel, de­mons­tran­do que hou­ve obs­tru­ção, in­ca­pa­ci­da­de dos agen­tes pú­bli­cos do Es­ta­do do Rio pa­ra con­du­zir as in­ves­ti­ga­ções e apu­rar a au­to­ria do fa­to. Tu­do re­ve­la a ne­ces­si­da­de da fe­de­ra­li­za­ção.

• O ca­so Ma­ri­el­le se­rá uma pri­o­ri­da­de do sr. na PGR?

To­do ca­so de ho­mi­cí­dio é pri­o­ri­tá­rio. O de Ma­ri­el­le ga­nha con­tor­nos mais for­tes pe­ran­te a opi­nião pú­bli­ca em fun­ção de ela exer­cer um man­da­to po­lí­ti­co e em ra­zão das cir­cuns­tân­ci­as em que foi as­sas­si­na­da. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co tem que ver ca­da mor­te, de Ma­ri­el­le, de Ágatha (menina de 8 anos, mor­ta com um ti­ro de fu­zil, no Rio), de quem quer que se­ja, co­mo fa­to re­le­van­te pa­ra que os cul­pa­dos se­jam pu­ni­dos.

• O mi­nis­tro do STF Ed­son Fa­chin co­brou a sua an­te­ces­so­ra por se­gu­rar ca­sos da La­va Ja­to por até 21 me­ses. O sr. pre­ten­de des­tra­var es­ses pro­ces­sos?

É pri­o­ri­da­de, por­que tem pra­zos pró­pri­os. Não é só des­tra­var. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de­ve se pau­tar pe­lo prin­cí­pio da im­pes­so­a­li­da­de. Eu não pos­so es­co­lher o meu réu pre­fe­ri­do, não pos­so ser o mal­va­do fa­vo­ri­to de nin­guém nem es­co­lher réu. Pre­ci­so tra­ba­lhar com cri­té­ri­os ob­je­ti­vos e ra­ci­o­nais. O ide­al é co­lo­car es­ses pro­ces­sos cro­no­lo­gi­ca­men­te pa­ra a as­ses­so­ria cum­prir de trás pa­ra fren­te. Is­so pa­ra aque­les pro­ces­sos que não têm pra­zos fa­tais.

• O sr. tem por­te de ar­ma? Quem é que não tem (no MPF)? Ago­ra, no am­bi­en­te do STF, vo­cê vai an­dar ar­ma­do pa­ra quê? Não é ques­tão de ser pa­cí­fi­co, é de ser res­pei­ta­dor das leis. Eu vou ao Su­pre­mo ou a es­sa Pro­cu­ra­do­ria ar­ma­do? Na rua a gen­te po­de até ter ne­ces­si­da­de, mas não aqui den­tro.

GA­BRI­E­LA BILO / ESTADÃO

Aras. Ti­tu­lar da PGR acre­di­ta que au­tor de aten­ta­do não agiu co­mo ‘lo­bo so­li­tá­rio’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.