Jus­ti­ça apu­ra su­pos­ta frau­de no Con­jun­to Na­ci­o­nal

Ad­mi­nis­tra­do­ra dis­se que se de­pa­rou com con­ta ne­ga­ti­va e uma sé­rie de dí­vi­das que te­ri­am si­do omi­ti­das do Con­se­lho Fis­cal e Con­sul­ti­vo pa­ra fa­vo­re­cer um es­que­ma de des­vio de re­cur­sos. Acu­sa­dos ne­gam e fa­lam em es­tra­té­gia pa­ra evi­tar pa­ga­men­tos de­vi­dos

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Fe­li­pe Resk

A atu­al ges­tão do Con­jun­to Na­ci­o­nal acu­sa na Jus­ti­ça a ex-sín­di­ca Vil­ma Pe­ra­mez­za de um es­que­ma de frau­de de pe­lo me­nos R$ 29,8 mi­lhões, com acú­mu­lo de dé­bi­tos que te­ri­am si­do omi­ti­dos do Con­se­lho Fis­cal e Con­sul­ti­vo. Ela ne­ga. Ou­tros acu­sa­dos no pro­ces­so fa­lam em es­tra­té­gia pa­ra evi­tar pa­ga­men­to de dí­vi­das.

A atu­al ges­tão do Con­jun­to Na­ci­o­nal acu­sa na Jus­ti­ça a ex-sín­di­ca Vil­ma Pe­ra­mez­za de ter ope­ra­do um es­que­ma que frau­dou pe­lo me­nos R$ 29,8 mi­lhões na ad­mi­nis­tra­ção do edi­fí­cio, íco­ne de São Pau­lo, nos úl­ti­mos dois anos. Subs­ti­tuí­da re­cen­te­men­te do car­go, ela ne­ga ir­re­gu­la­ri­da­des e diz ter fei­to uma ad­mi­nis­tra­ção “trans­pa­ren­te, cor­re­ta e efi­ci­en­te”.

Na Ave­ni­da Pau­lis­ta des­de 1956, o Con­jun­to Na­ci­o­nal tem pú­bli­co cir­cu­lan­te de cer­ca de 30 mil pes­so­as por dia. São três edi­fí­ci­os de 25 an­da­res, com re­si­dên­ci­as e co­mér­ci­os, além de ci­ne­ma, teatro e aca­de­mia. Lá, es­ta­be­le­ci­men­tos mai­o­res che­gam a pa­gar mais de R$ 90 mil por mês de ta­xa con­do­mi­ni­al. Vil­ma era res­pon­sá­vel por ad­mi­nis­trar as con­tas des­de 1984. Em mar­ço, ela não con­cor­reu à elei­ção e dei­xou o pos­to. Ho­je, a ges­tão é fei­ta pe­la So­ci­e­da­de Ad­mi­nis­tra­ção e Me­lho­ra­men­tos Ur­ba­nos (Samu), que mo­ve ação cí­vel e me­di­da cri­mi­nal con­tra a ex-sín­di­ca.

Ao Tri­bu­nal de Jus­ti­ça de São Pau­lo (TJ-SP), a Samu dis­se que se de­pa­rou com a con­ta cor­ren­te ne­ga­ti­va e com uma sé­rie de dí­vi­das que te­ri­am si­do omi­ti­das do Con­se­lho Fis­cal e Con­sul­ti­vo do con­do­mí­nio. O des­fal­que in­clui­ria dé­bi­tos com ban­cos, em­pre­sas de fo­men­to mer­can­til (fac­to­ring), fis­co e Pre­vi­dên­cia. O va­lor foi apon­ta­do por au­di­to­ria pri­va­da (a Alon­so, Bar­ret­to & Cia), con­tra­ta­da pe­la Samu. À Jus­ti­ça, a ad­mi­nis­tra­do­ra (a Samu) diz que o di­nhei­ro te­ria si­do des­vi­a­do pa­ra ali­men­tar um su­pos­to es­que­ma de con­tra­tos su­per­fa­tu­ra­dos com o em­pre­sá­rio João Pau­lo Mi­guel, li­ga­do à JP Mi­guel & En­ge­nha­ria Ei­re­li, que pres­tou ser­vi­ço por 30 anos no Con­jun­to e era res­pon­sá­vel por ma­nu­ten­ção pre­di­al, re­for­mas e obras es­tru­tu­rais. Ele ale­ga que a acu­sa­ção é fal­sa.

Foi o pró­prio em­pre­sá­rio quem deu iní­cio à dis­pu­ta ju­di­ci­al, em maio, co­bran­do da no­va ges­tão pa­ga­men­tos de ser­vi­ços que te­ri­am si­do pres­ta­dos en­tre no­vem­bro de 2018 e ja­nei­ro des­te ano, que so­mam R$ 2,2 mi­lhões. Lo­go após a tro­ca de sín­di­co, ele te­ve dois con­tra­tos rom­pi­dos uni­la­te­ral­men­te pe­la Samu: um de 2004 e ou­tro de 2017. Co­bra­da na Jus­ti­ça, a Samu en­trou com pe­di­do de re­con­ven­ção – quan­do a ré pas­sa a acu­sar o au­tor no mes­mo pro­ces­so. Ela ale­ga que os acor­dos rom­pi­dos ser­vi­ri­am, na ver­da­de, pa­ra “si­mu­lar” a saí­da de di­nhei­ro. Pa­ra fa­zer cai­xa, a ex­sín­di­ca te­ria, en­tre ou­tros re­cur­sos, ven­di­do bo­le­tos de con­do­mí­nio fri­os a em­pre­sas de fac­to­ring e pa­go sa­lá­ri­os aci­ma do va­lor de mer­ca­do em tro­ca de em­prés­ti­mo ban­cá­rio pa­ra o con­do­mí­nio.

“Vil­ma des­vi­a­va re­cur­sos que se­ri­am pa­ra pa­gar obri­ga­ções le­gais e re­pas­sa­va a JP Mi­guel”, afir­ma o ad­vo­ga­do Luís Car­los Di­as Tor­res, que re­pre­sen­ta a Samu na es­fe­ra cri­mi­nal. Se­gun­do a Samu, o con­do­mí­nio de­sem­bol­sou, em mé­dia, R$ 800 mil por mês à JP Mi­guel na so­ma dos dois acor­dos em 2018. Ho­je, os mes­mos ser­vi­ços te­ri­am si­do re­con­tra­ta­dos por R$ 99 mil, o que in­di­ca­ria so­bre­pre­ço de 700%. Além dis­so, em­bo­ra um dos con­tra­tos pre­vis­se re­mu­ne­ra­ção va­riá­vel, os re­pas­ses se­ri­am “iguais” e “em va­lo­res re­don­dos”. A Samu in­cluiu na ação de­poi­men­tos atri­buí­dos a ex-fun­ci­o­ná­ri­os e for­ma­li­za­dos em ata no­ta­ri­al.

Se­gun­do de­poi­men­to, par­te dos re­pas­ses acon­te­cia sem no­ta fis­cal. O con­do­mí­nio tam­bém as­su­mi­ria des­pe­sas pró­pri­as

da JP Mi­guel, fa­zen­do pa­ga­men­tos du­pli­ca­dos, e ma­ni­pu­la­ria ba­lan­ços ne­ga­ti­vos pa­ra “fi­ca­rem po­si­ti­vos e se­rem apre­sen­ta­dos ao Con­se­lho”. A ação acu­sa, ain­da, a par­ti­ci­pa­ção da ex-con­se­lhei­ra fis­cal Sel­ma Feld­man no su­pos­to es­que­ma. Em­bo­ra fos­se res­pon­sá­vel por ana­li­sar con­tas do con­do­mí­nio, ela é só­cia de Mi­guel na Fel­mi Em­pre­en­di­men­tos e Co­mér­cio Lt­da.

Es­sa e a em­pre­sa Feld­man As­ses­so­ria de Ne­gó­ci­os Lt­da., tam­bém li­ga­da a ela, te­ri­am re­ce­bi­do mais de R$ 2,4 mi­lhões re­la­ti­vos a con­tra­tos da JP Mi­guel com o con­do­mí­nio, con­for­me re­la­tó­rio da au­di­to­ria. A se­gun­da em­pre­sa é con­tra­ta­da pa­ra pres­tar ser­vi­ço a Mi­guel. Sel­ma ne­ga ir­re­gu­la­ri­da­de.

Se­gun­do a Samu, o tra­ba­lho de au­di­to­ria te­ria en­fren­ta­do “gran­des di­fi­cul­da­des” por cau­sa da su­pos­ta au­sên­cia de do­cu­men­tos de guar­da obri­ga­tó­ria e ha­ve­ria in­dí­ci­os de que par­te dos com­pro­van­tes foi in­ci­ne­ra­da ou tri­tu­ra­da. “Os R$ 30 mi­lhões são só uma fo­to­gra­fia”, diz Di­as Tor­res. “Po­de­mos es­tar fa­lan­do de um des­vio mui­to mai­or.”

De­fe­sa. O Es­ta­do pro­cu­rou Vil­ma Pe­ra­mez­za. Em um pri­mei­ro e-mail, de­cla­rou não ter “na­da a di­zer so­bre o as­sun­to”. De­pois, a ex-sín­di­ca en­vi­ou no­va men­sa­gem. “O lo­cal ade­qua­do pa­ra res­pos­tas a es­ses as­sun­tos são os au­tos pro­ces­su­ais no mo­men­to e opor­tu­ni­da­des da lei.” Vil­ma che­gou a mandar um ter­cei­ro e-mail. “Quan­to ao ques­ti­o­ná­rio que me en­vi­ou, que­ro di­zer que: to­das es­sas afir­ma­ções ali fei­tas por ter­cei­ros são fal­sas”, dis­se. “Os as­sun­tos são ob­je­to de ações em juí­zo on­de me ma­ni­fes­to nos tem­pos e con­di­ções que a lei me con­ce­de. A ges­tão do CCN (Con­jun­to Na­ci­o­nal) que me foi de­le­ga­da por 35 anos foi fei­ta da for­ma mais trans­pa­ren­te, cor­re­ta e efi­ci­en­te, ten­do sem­pre re­ce­bi­do elo­gi­os pú­bli­cos dos condô­mi­nos e da im­pren­sa.”

Por sua vez, o ad­vo­ga­do Re­na­to Mo­ra­es, que re­pre­sen­ta Mi­guel, afir­ma que a au­di­to­ria foi “re­a­li­za­da uni­la­te­ral­men­te” e se­ria de “du­vi­do­sa qua­li­da­de téc­ni­ca”. Se­gun­do ele, os de­poi­men­tos de fun­ci­o­ná­ri­os tam­bém fo­ram co­lhi­dos “sob con­di­ções mui­to obs­cu­ras” e a acu­sa­ção do su­pos­to es­que­ma se­ria pa­ra “evi­tar pa­ga­men­to da dí­vi­da” co­bra­da na Jus­ti­ça. Já Sel­ma diz ter si­do “sur­pre­en­di­da” com a ação e diz que, até o mo­men­to, a sua ci­ta­ção não foi apre­ci­a­da pe­lo juiz. “Mi­nha fun­ção era ve­ri­fi­car, com meus co­le­gas de Con­se­lho, se as con­tas apre­sen­ta­das es­ta­vam com­pro­va­das e sem­pre con­fir­ma­mos em con­jun­to re­gu­la­ri­da­de.”

Ela ob­ser­va que Vil­ma foi his­to­ri­ca­men­te elei­ta co­mo sub­sín­di­ca na cha­pa do Gru­po Sa­voy (do qual a Samu faz par­te). “Aliás, a sín­di­ca de di­rei­to, elei­ta mais uma vez, (...) con­ti­nua sen­do a mes­ma Samu”, afir­ma. Pro­cu­ra­do, o Gru­po Sa­voy diz que “tais fa­tos sem­pre fo­ram omi­ti­dos aos con­se­lhos”. “Nos anos em que Vil­ma atu­ou co­mo sín­di­ca hou­ve re­nún­cia do Gru­po Sa­voy, sen­do es­te tão le­sa­do qu­an­tos os condô­mi­nos.”

‘For­ma­ram uma ver­da­dei­ra or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa que se ins­ta­lou no seio do Con­jun­to Na­ci­o­nal’ Luís Car­los Di­as Tor­res

AD­VO­GA­DO DA SAMU

‘To­das es­sas afir­ma­ções de ter­cei­ros são fal­sas’ Vil­ma Pe­ra­mez­za

EX-SÍN­DI­CA

JF DIORIO/ESTADÃO

O con­do­mí­nio. Es­ta­be­le­ci­men­to mai­or che­ga a pa­gar mais de R$ 90 mil por mês de ta­xa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.