As fa­ce­tas de um ci­ne­as­ta

Ci­ne­ma. Ocu­pa­ção no Itaú Cul­tu­ral, em SP, pri­vi­le­gia vi­da e obra de Edu­ar­do Cou­ti­nho

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Luiz Car­los Mer­ten

Mos­tra em SP traz vi­da e obra de Edu­ar­do Cou­ti­nho.

Edu­ar­do Cou­ti­nho fu­ma­va mui­to, vi­via en­vol­to nu­ma au­ra de fu­ma­ça, co­mo uma cha­mi­né. Con­tou cer­ta vez ao re­pór­ter que la­men­ta­va não a per­da das gran­des vi­a­gens, por­que não con­se­gui­ria fi­car ho­ras sem fu­mar, mas até prazeres mais sim­ples, co­mo ir ao teatro. Nes­ta quar­ta, 2, às 20 h, abre-se no Itaú Cul­tu­ral, na Av. Pau­lis­ta, a Ocu­pa­ção Edu­ar­do Cou­ti­nho, que se­gue até 24 de no­vem­bro. Di­vi­di­da em 13 blo­cos, con­tem­pla mui­ta coi­sa da obra e da vi­da da­que­le que é con­si­de­ra­do o mai­or do­cu­men­ta­ris­ta bra­si­lei­ro. O cin­zei­ro de Cou­ti­nho (1933-2014) es­tá lá, bem co­mo a má­qui­na Oli­vet­ti que ele gos­ta­va de usar, a ca­dei­ra em que sen­ta­ram seus en­tre­vis­ta­dos em Jo­go de Ce­na, a câ­me­ra por­tá­til que usou em Ca­bra Mar­ca­do pa­ra Mor­rer, uma an­ti­ga redação que es­cre­veu na es­co­la pri­má­ria, in­ti­tu­la­da Mi­nha In­fân­cia.

Cou­ti­nho, ga­ro­to, es­cre­via coi­sas co­mo “Da­rei-lhe”, “Es­que­ce­rei-lhe”. Mais tar­de, vi­rou um gran­de fra­sis­ta. “O que me in­te­res­sa são as ra­zões do ou­tro, não as mi­nhas”, e es­sa sim­ples fra­se já o põe em ro­ta de co­li­são com o mun­do atu­al, on­de o ou­tro vi­rou ini­mi­go e su­as ra­zões nun­ca in­te­res­sam. “Eu tra­ba­lho com a pa­la­vra, não te­nho me­do de tra­ba­lhar com a pa­la­vra.” E ou­tra fra­se lin­da, re­ve­la­do­ra. “Gos­ta­ria de po­der di­zer que o ci­ne­ma é a mi­nha vi­da e sem fil­mar não con­si­go vi­ver, mas o cer­to tal­vez se­ja que fil­mo a vi­da dos ou­tros por­que a mi­nha não tem a me­nor gra­ça”, al­go as­sim.

A ocu­pa­ção re­sul­ta do tra­ba­lho in­te­gra­do de dois nú­cle­os do Ins­ti­tu­to, o de Au­di­o­vi­su­al e Li­te­ra­tu­ra e o de Me­mó­ria e Pes­qui­sa, com co­cu­ra­do­ria de Car­los Al­ber­to Mat­tos e a parceria do Ins­ti­tu­to Mo­rei­ra Sal­les, que de­tém o acer­vo do ci­ne­as­ta. É cheia de fo­tos, ri­ca em ob­je­tos. Agre­ga exi­bi­ções de tre­chos se­le­ci­o­na­dos de seus fil­mes, que es­ta­rão pas­san­do em lo­o­ping – Ca­bra Mar­ca­do, cu­ja pro­du­ção, co­mo obra de fic­ção, foi in­ter­rom­pi­da pe­lo gol­pe mi­li­tar de 1964 (e re­to­ma­da, anos mais tar­de, co­mo do­cu­men­tá­rio), San­to For­te, Edi­fí­cio Mas­ter, Peões, Jo­go de Ce­na e es­pe­ci­ais pa­ra o Glo­bo Re­pór­ter, on­de Cou­ti­nho en­con­trou re­fú­gio du­ran­te os anos de chum­bo. E mais – uma mas­ter­class de

João Mo­rei­ra Sal­les, mi­ni­cur­so com co­la­bo­ra­do­res chegados e até o lan­ça­men­to do li­vro Se­te Fa­ces de Edu­ar­do Cou­ti­nho, de Car­los Al­ber­to Mat­tos, co­e­di­ta­do pe­la Boi­tem­po com o IMS e o Itaú Cul­tu­ral. Tu­do is­so vai aju­dar a lem­brar um ar­tis­ta que ce­le­brou a ar­te do en­con­tro e fez gran­des fil­mes nes­sa ver­ten­te que se cha­ma do­cu­men­tá­rio. Um ci­ne­ma re­a­lis­ta por ex­ce­lên­cia, an­co­ra­do no en­con­tro com as pes­so­as co­muns, mas tam­bém al­go mais. Um ci­ne­ma nas bor­das, do­cu­men­tá­rio, com um tan­to de fic­ção, al­gu­mas fic­ções.

No fun­do, o que Edu­ar­do Cou­ti­nho gos­ta­va de ar­mar era um jo­go de ce­na com seus en­tre­vis­ta­dos. E ha­via cer­tos ri­tu­ais, seus pe­di­dos pa­ra que as pes­so­as can­tas­sem di­an­te de sua câ­me­ra.

A ocu­pa­ção faz de tu­do pa­ra im­preg­nar aque­la sa­la do tér­reo, na­que­le pré­dio da Pau­lis­ta, da pre­sen­ça de Cou­ti­nho. Pau­lis­ta­no, nas­ceu em maio de 1933. Foi as­sas­si­na­do a fa­ca­das pe­lo pró­prio fi­lho, que so­fria de es­qui­zo­fre­nia, em fe­ve­rei­ro de 2014.

De ca­ra, o pri­mei­ro blo­co brin­ca com o tí­tu­lo de Úl­ti­mas Con­ver­sas, do­cu­men­tá­rio que ele dei­xou ina­ca­ba­do e foi con­cluí­do por João Mo­rei­ra Sal­les, sen­do lan­ça­do no Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Do­cu­men­tá­ri­os É Tu­do Ver­da­de de 2015. Pri­mei­ras Con­ver­sas lem­bra o co­me­ço de tu­do, in­cluin­do os pri­mei­ros tra­ba­lhos do­cu­men­tais co­mo alu­no do Ins­ti­tut des Hau­tes Étu­des Ci­né­ma­to­gra­fi­ques, o IDHEC, de Pa­ris, on­de o jo­vem Cou­ti­nho foi es­tu­dar, de­pois de ven­cer um con­cur­so de per­gun­tas so­bre Cha­plin.

O cin­zei­ro e a má­qui­na de es­cre­ver abri­gam-se no blo­co de­di­ca­do ao es­cri­tor aci­den­tal. E a ocu­pa­ção res­ga­ta ví­de­os pou­co co­nhe­ci­dos que re­a­li­zou pa­ra o Cen­tro de Cri­a­ção de Ima­gem Po­pu­lar/Ce­cip, além de ano­ta­ções que aju­dam a dar ideia do seu ‘mé­to­do’ de tra­ba­lho, em­bo­ra to­do es­se es­for­ço não con­si­ga tra­zer de vol­ta o Cou­ti­nho que mor­reu no des­fe­cho de uma ver­da­dei­ra tra­gé­dia fa­mi­li­ar.

Co­mo na ve­lha his­tó­ria do en­con­tro de Billy Wil­der e Wil­li­am Wy­ler no en­ter­ro de Ernst Lu­bits­ch. “Nun­ca mais Lu­bits­ch”, dis­se um. “Pi­or – nun­ca mais os fil­mes de Lu­bits­ch”, re­tru­cou o ou­tro. Por­que os ho­mens pas­sam e a obra fi­ca, e vo­cê po­de pen­sar nos fil­mes ma­ra­vi­lho­sos que Cou­ti­nho não es­tá mais fa­zen­do e tal­vez des­sem alento pa­ra se vi­ver nes­se Bra­sil que es­tá fi­can­do ca­da vez mais con­ser­va­dor, es­se ódio a ne­gros, gays, po­bres, es­se fe­mi­ni­cí­dio sem fim, es­sa au­sên­cia da­qui­lo que ele mais gos­ta­va e pra­ti­ca­va – o diá­lo­go.

FE­LI­PE RAU/ESTADÃO

Mes­tre. ‘Fil­mo a vi­da dos ou­tros por­que a mi­nha não tem a me­nor gra­ça’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.