Le­an­dro Kar­nal

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - LE­AN­DRO KAR­NAL ES­CRE­VE ÀS QUAR­TAS-FEI­RAS E AOS DO­MIN­GOS

Mui­tos in­te­lec­tu­ais não gos­tam de di­vul­ga­ção. Pre­fe­rem o eli­tis­mo de ilu­mi­na­dos com ple­no do­mí­nio re­tó­ri­co.

No ano 2000, hou­ve a ex­po­si­ção ce­le­bra­ti­va dos 500 anos do “des­co­bri­men­to do Bra­sil” no Ibi­ra­pu­e­ra. No mó­du­lo de­di­ca­do ao Bar­ro­co, Bia Les­sa co­lo­cou 200 mil flo­res que cha­ma­vam aten­ção. As ima­gens es­ta­vam lá, be­las, plan­ta­das co­mo imen­so ta­pe­te de pro­cis­são com ale­go­ria flo­ral. Mui­tos con­de­na­ram o im­pac­to ci­ne­ma­to­grá­fi­co que po­de­ria des­vi­ar do ob­je­to da ex­po­si­ção. Ain­da não era a ida­de de ou­ro das sel­fi­es. As pes­so­as iam a mu­seus sem pos­tar na­da, acre­di­tem, jo­vem lei­to­ra e jo­vem lei­tor. A ex­po­si­ção foi um imen­so su­ces­so. Os re­cur­sos “te­a­trais” fun­ci­o­na­ram e mui­ta gen­te que nun­ca ti­nha vi­si­ta­do al­go si­mi­lar es­te­ve lá, es­pe­ci­al­men­te pes­so­as sem o há­bi­to de vi­si­tar mos­tras cul­tu­rais.

O de­ba­te se re­pe­te e se am­plia sem­pre. Um ví­deo de 15 mi­nu­tos so­bre Ni­etzs­che? Im­pos­sí­vel cap­tar to­das as idei­as do pen­sa­dor, to­da­via, ele se­rá vis­to por mui­ta gen­te. Já fiz de­ze­nas de pa­les­tras so­bre te­mas com­ple­xos e, com frequên­cia, ou­vi que eram su­per­fi­ci­ais. Con­cor­do in­tei­ra­men­te, pois o ob­je­ti­vo era a di­vul­ga­ção e não o de­ba­te aca­dê­mi­co. Os te­mas uni­ver­si­tá­ri­os são de ou­tra es­pé­cie. Já vi­vi a ex­pe­ri­ên­cia con­trá­ria. Um cu­ri­o­so en­tra na sa­la da pós-gra­du­a­ção na Uni­camp. O te­ma? A lei­tu­ra la­ca­ni­a­na de Mi­chel de Cer­te­au so­bre o tran­se mís­ti­co. O cu­ri­o­so fi­ca uma ho­ra, mais ou me­nos. É vi­sí­vel que não es­tá acom­pa­nhan­do o de­sen­vol­vi­men­to da ideia que, en­tre ou­tras coi­sas, im­pli­ca­va um tex­to com­ple­xo em fran­cês co­mo ba­se da au­la. Ele es­pe­ra­va o Le­an­dro que via no YouTu­be, en­con­trou o aca­dê­mi­co. Qua­se sem­pre de­sa­pa­re­cem no in­ter­va­lo, um pou­co in­co­mo­da­dos. Não po­den­do di­zer de ou­tra for­ma, um in­te­res­sa­do out­si­der dis­se-me após uma au­la so­bre os pro­ces­sos de Lou­dun no sé­cu­lo 17: “Por que o se­nhor não fa­la en­gra­ça­do e fá­cil co­mo nas pa­les­tras?”.

Pa­ra se­du­zir o gran­de pú­bli­co, se­ria ne­ces­sá­rio re­du­zir a men­sa­gem? Ou­tro exem­plo: fui con­tac­ta­do pa­ra ser cu­ra­dor de uma mos­tra que tra­ta­ria de íco­nes em um mu­seu de São Pau­lo. O even­to aca­bou não ocor­ren­do, po­rém que­ro des­ta­car o de­ba­te ini­ci­al. Tí­nha­mos de es­co­lher um tí­tu­lo. Os íco­nes apre­sen­tam Je­sus, Ma­ria e os santos. Pen­sei em ex­pres­sões co­mo “Me­mó­ria do sa­gra­do”; “Ima­gens do di­vi­no”; “Deus vi­sí­vel” e coi­sas afins. O ce­nó­gra­fo su­ge­riu que o me­lhor tí­tu­lo se­ria “Sa­crou?”. O ne­o­lo­gis­mo com­bi­na­ria o sa­cro com a gí­ria “sa­car”, com­pre­en­der. Atrai­ria mui­tos jo­vens e con­te­ria um hu­mor com con­teú­do. O de­ba­te re­to­ma o de­sa­fio: se­du­zir é re­du­zir?

Na uni­ver­si­da­de, o com­pro­mis­so com o lú­di­co é me­nor. Ou me­lhor: ima­gi­na­mos que a se­du­ção es­te­ja na be­le­za do te­ma, na pre­ci­são do re­cor­te ou no uso exa­to dos con­cei­tos. A mes­ma ex­po­si­ção “Sa­crou” se­ria, em uma au­la da pós: “Lei­tu­ras ico­no­grá­fi­cas e ico­no­ló­gi­cas do ima­gi­ná­rio bi­zan­ti­no isáu­ri­da”. Pro­mo­to­res de me­ga­ex­po­si­ções amam con­ta­bi­li­zar nú­me­ros; aca­dê­mi­cos ad­mi­ram tí­tu­los com­ple­xos pa­ra um pe­que­no gru­po de alu­nos.

Pa­ra ven­der, mui­tos li­vros re­ce­bem tí­tu­los atra­ti­vos. Sem­pre tem boa “pe­ga­da” coi­sas co­mo “Os ti­ra­nos mais cruéis da his­tó­ria”; “As prin­ce­sas mais lou­cas da Eu­ro­pa” ou “Os dez ho­mens mais ri­cos do pla­ne­ta”. Tais te­mas in­di­cam al­go cla­ro, com um co­nhe­ci­men­to fá­cil de ser re­pe­ti­do e com um tom ane­dó­ti­co in­for­ma­ti­vo que nun­ca se es­go­ta.

Es­ta­mos fa­lan­do de dois pro­ces­sos dis­tin­tos. Um se­ria um re­cur­so de ex­po­si­ção, co­mo o de Bia Les­sa, que não dei­xa de exi­bir a ri­que­za do Bar­ro­co co­lo­ni­al, en­tre­tan­to, adi­ci­o­na es­tra­té­gi­as vi­su­ais que po­dem fa­zer par­te do en­can­ta­men­to. O im­pac­to de Bia é par­te da ex­po­si­ção, pois mos­tra um pou­co do cha­ma­do “ex­ces­so” que al­guns iden­ti­fi­cam no Bar­ro­co. Além de se­du­zir, ela am­pli­ou a pos­si­bi­li­da­de, tra­zen­do al­go belo e até bem-hu­mo­ra­do. Se a ex­po­si­ção vol­tas­se ho­je, se­ria trend to­pic e to­tal­men­te “ins­ta­gra­má­vel”.

Exis­te ou­tra ma­nei­ra, a que es­tá em li­vros com tí­tu­los cha­ma­ti­vos e con­teú­dos es­que­má­ti­cos. No ca­so, o ob­je­ti­vo es­tá no mer­ca­do ape­nas e não é um re­cur­so, tra­ta-se da obra em si.

Mui­tos in­te­lec­tu­ais e for­ma­do­res de opi­nião não gos­tam da ideia de di­vul­ga­ção. Pre­fe­rem o eter­no eli­tis­mo de ilu­mi­na­dos que têm ple­no do­mí­nio re­tó­ri­co e her­mé­ti­co. São os que amam ca­tá­lo­gos de ar­te em que ca­da pa­rá­gra­fo ne­ces­si­ta ex­pli­ca­ção de um es­pe­ci­a­lis­ta em se­mió­ti­ca. Cer­tas idei­as são mui­to com­ple­xas mes­mo e inú­me­ros au­to­res não po­dem ser fa­cil­men­te di­vul­ga­dos. Is­so não im­pe­de que mos­tre­mos ca­ma­das, as mais cla­ras pos­sí­veis, e que iniciados e ini­ci­an­tes pos­sam aces­sar al­go que os con­du­za a um de­se­jo de sa­ber mais.

To­do pro­ces­so di­dá­ti­co e de am­pli­a­ção en­vol­ve in­con­tá­veis de­sa­fi­os. Es­cre­vi is­so pen­san­do no mau hu­mor de al­guns dou­tos di­an­te das fi­las pa­ra sel­fi­es no Aba­po­ru, da ex­po­si­ção block­bus­ter de Tar­si­la do Ama­ral, no Masp. Te­nho cer­te­za de que al­guns pre­fe­ri­ri­am meia dú­zia de no­tá­veis com go­la ru­lê pre­ta olhan­do pa­ra a ima­gem e pro­nun­ci­an­do sen­ten­ças so­bre as re­lei­tu­ras da an­tro­po­fa­gia co­mo me­tá­fo­ra da nos­sa epis­te­mo­lo­gia as­so­ci­a­ti­va mes­ti­ça. Sem­pre ima­gi­nei que exis­ta es­pa­ço pa­ra mui­tos apre­ci­a­do­res da ar­te ou do co­nhe­ci­men­to. O co­me­dor de ho­mens não per­ten­ce ao in­te­lec­tu­al ou ao ado­les­cen­te se­gu­ran­do o ce­lu­lar. Aliás, o Aba­po­ru é de um ar­gen­ti­no. Uns re­du­zem bas­tan­te, ou­tros apro­fun­dam mui­to e há os que com­pram tu­do... É pre­ci­so ter mui­ta es­pe­ran­ça e, tal­vez, al­gum di­nhei­ro.

Pa­ra se­du­zir o gran­de pú­bli­co, se­ria ne­ces­sá­rio re­du­zir a men­sa­gem?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.