Ao le­gis­lar, STF des­pre­za os di­rei­tos das ví­ti­mas

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - JO­SÉ NÊUMANNE JOR­NA­LIS­TA, PO­E­TA E ES­CRI­TO

Ho­je o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) da­rá gol­pe de­fi­ni­ti­vo no Es­ta­do de Di­rei­to no Bra­sil ao in­ven­tar pri­vi­lé­gio de réus de co­la­ri­nho-bran­co de­la­ta­dos de to­ma­rem co­nhe­ci­men­to an­te­ci­pa­do do que con­ta­ram a res­pei­to de­les de­la­to­res pre­mi­a­dos no pro­ces­so. O be­ne­fí­cio, que não é pre­vis­to na Cons­ti­tui­ção, no Có­di­go Pe­nal nem na lei vi­gen­te da de­la­ção pre­mi­a­da, já foi con­ce­di­do a Al­de­mir Ben­di­ne, ex-pre­si­den­te Ban­co do Bra­sil e da Pe­tro­brás no go­ver­no Dil­ma Rous­seff, do PT. E de­ve se es­ten­der ao ex-ge­ren­te da Pe­tro­brás Már­cio Al­mei­da Fer­rei­ra. O gol­pe se­rá mais pro­fun­do e ne­fas­to se pri­vi­le­gi­ar 143 ou­tros con­de­na­dos, en­tre os quais, Lu­la.

Já se for­mou mai­o­ria com os seis vo­tos ven­ce­do­res de Ale­xan­dre de Mo­ra­es, Ro­sa We­ber, Cár­men Lú­cia, Ri­car­do Lewan­dows­ki, Gil­mar Men­des e Cel­so de Mel­lo, sen­do ven­ci­dos o re­la­tor Ed­son Fa­chin, Luiz Fux e Luís Ro­ber­to Barroso. Os de Marco Aurélio Mel­lo e do pre­si­den­te Di­as Tof­fo­li da­rão am­pla mai­o­ria, que fo­ge às de­ci­sões aper­ta­das de seis a cin­co que vi­nham sen­do mais co­muns e le­vam à con­clu­são de que a dis­tân­cia que se­pa­ra “ga­ran­tis­tas da im­pu­ni­da­de” dos por es­tes cha­ma­dos de “câ­ma­ra de gás” au­men­ta, ne­ga­rá na prá­ti­ca a fa­ma da Pri­mei­ra Tur­ma e con­fir­ma­rá a ten­dên­cia le­ni­en­te da Se­gun­da, com Cár­men vo­tan­do co­mo vo­ta­ria seu an­te­ces­sor, Di­as Tof­fo­li.

Ain­da que se con­si­de­re jus­to que o con­de­na­do ob­je­to de de­la­ção pre­mi­a­da só te­rá seu exer­cí­cio do di­rei­to de de­fe­sa com­ple­ta­do com o co­nhe­ci­men­to do que de­pu­se­ram a seu res­pei­to os de­la­to­res pre­mi­a­dos, es­te se­ria um te­ma da al­ça­da do Le­gis­la­ti­vo. Pois, mes­mo no Bra­sil, on­de a lei e os jul­ga­men­tos de al­tos tri­bu­nais be­ne­fi­ci­am mais quem a vi­o­la do que quem sofre os efei­tos das vi­o­la­ções, ao con­trá­rio dos paí­ses ci­vi­li­za­dos, não ca­be à “ex­cel­sa” Cor­te de­fi­nir o que é jus­to. Mas, sim, in­ter­pre­tar o que a lei de­ter­mi­nar: o de­li­to ou a ino­cên­cia do ci­da­dão jul­ga­do. Em mo­men­to al­gum da His­tó­ria do Bra­sil li­vre se per­mi­tiu à Jus­ti­ça usur­par o po­der de le­gis­lar. Es­te só ca­be aos elei­tos.

Ape­sar dis­so, mi­nis­tros, tur­mas e ple­ná­ri­os do STF têm le­gis­la­do em pro­ces­sos im­por­tan­tes sem a me­nor ce­rimô­nia. O ca­so mais gra­ve e mais sé­rio foi o de Ri­car­do Lewan­dows­ki, que pre­si­diu a ses­são do Con­gres­so em que Dil­ma Rous­seff foi de­pos­ta por de­ci­são de mais de três quin­tos dos par­la­men­ta­res. In­se­ri­do pe­la Cons­ti­tui­ção na ses­são fi­nal do jul­ga­men­to pa­ra ga­ran­tir a cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de ir­res­tri­ta da de­ci­são, ele per­mi­tiu a ig­no­mí­nia de os se­na­do­res pre­sen­tes, sob a li­de­ran­ça do 12 ve­zes pro­ces­sa­do no pró­prio STF, Re­nan Ca­lhei­ros, ra­su­ra­rem a Car­ta e mu­ti­la­rem seu tex­to. A com­pla­cên­cia do ga­ran­ti­dor da li­su­ra da ação exi­miu a con­de­na­da de cum­prir oi­to anos sem as­su­mir ne­nhum car­go pú­bli­co.

Ma­da­me não se fez de ro­ga­da e dis­pu­tou uma va­ga no Se­na­do pe­lo Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res (PT) em Mi­nas. No plei­to per­mi­ti­do pe­la be­ne­me­rên­cia do pre­si­den­te da ses­são, os ci­da­dãos lo­gra­dos com a ra­su­ra agi­ram com ex­tre­mo es­pí­ri­to de res­pei­to à or­dem ju­rí­di­ca, des­pre­za­da por seu guar­dião. Pri­mei­ra­men­te, con­ta­ram aos pes­qui­sa­do­res de in­ten­ção de vo­to que lhe da­ri­am a mai­or vo­ta­ção. Nas ur­nas, em si­lên­cio, sem bra­va­tas nas re­des so­ci­ais nem ma­ni­fes­ta­ções de in­dig­na­ção, de­ram­lhe, de fa­to, a me­nor vo­ta­ção.

Es­se foi o mais ab­sur­do, mas não o úni­co mo­men­to em que um dig­ni­tá­rio da Jus­ti­ça pas­sou por ci­ma da lei, por cu­jo cum­pri­men­to tem a obri­ga­ção fun­ci­o­nal de ze­lar. Re­cen­te­men­te to­ma­mos co­nhe­ci­men­to de que o co­le­gi­a­do em una­ni­mi­da­de cri­ou uma mo­da­li­da­de cri­mi­nal ine­xis­ten­te ao equi­pa­rar a ho­mo­fo­bia ao ra­cis­mo. No ca­so, o ti­me com­ple­to jo­gou pa­ra a pla­teia e co­me­mo­rou o gol com a tor­ci­da. Com a mes­ma de­sen­vol­tu­ra ago­ra se pre­pa­ra pa­ra es­ti­car o di­rei­to de de­fe­sa de réus de­la­ta­dos nu­ma ten­ta­ti­va gro­tes­ca de exer­ci­tar o ódio de al­guns mem­bros do co­le­gi­a­do pe­lo cla­mor po­pu­lar e por agen­tes da lei, vis­tos co­mo de­sa­fe­tos.

É, no mí­ni­mo, in­te­res­san­te a coin­ci­dên­cia en­tre os res­pon­sá­veis pe­la pre­sen­ça dos 11 usur­pa­do­res do Po­der le­gis­la­dor e os be­ne­fi­ciá­ri­os de su­as de­ci­sões mo­no­crá­ti­cas e ma­jo­ri­tá­ri­as, se­jam em tur­mas, se­jam no ple­ná­rio. Mo­ra­es, que deu iní­cio à dis­si­dên­cia ven­ce­do­ra no jul­ga­men­to, foi no­me­a­do por Mi­chel Te­mer, ci­ta­do em de­la­ções so­bre o Por­to de Santos e ou­tros. Lewan­dows­ki, Tof­fo­li, Cár­men e Ro­sa che­ga­ram ao Olim­po pe­las mãos dos ex-go­ver­nan­tes mais de­la­ta­dos da His­tó­ria, Lu­la e Dil­ma Rous­seff, pro­ta­go­nis­tas da ex­plo­si­va lis­ta de Pa­loc­ci. Marco Aurélio de­ve a hon­ra ao pri­mo Col­lor, que dis­pen­sa apre­sen­ta­ções. E Cel­so, a Sar­ney. Gil­mar po­de­ria ser a ex­ce­ção, pois nin­guém de­la­tou Fer­nan­do Hen­ri­que. Mas tem exer­ci­do sua ge­ne­ro­si­da­de ex­plí­ci­ta em prol de an­ti­gos co­le­gas no go­ver­no tu­ca­no, ca­so de Pau­lo Vi­ei­ra de Sou­za, que foi as­ses­sor téc­ni­co do se­cre­tá­rio de Go­ver­no, Aloy­sio Nunes, quan­do o mi­nis­tro foi as­ses­sor ju­rí­di­co da Ca­sa Ci­vil e ad­vo­ga­do-ge­ral da União.

Fux, Fa­chin e Barroso fo­ram no­me­a­dos pe­los de­la­ta­dís­si­mos ex-pre­si­den­tes pe­tis­tas e vo­ta­ram con­tra, mos­tran­do que nem sem­pre a gra­ti­dão ins­pi­ra os su­pre­mos de­síg­ni­os.

Mas gra­ti­dão não é a úni­ca ins­pi­ra­ção do ani­mus le­gis­lan­di do al­to pre­tó­rio. Há tam­bém o pro­vei­to pró­prio, que ex­pli­ca o si­lên­cio dos 11 di­an­te do édi­to do im­pe­ra­dor Tof­fo­li I que es­ten­deu ao in­tei­ro ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal a se­de da ca­sa ao ca­lar crí­ti­cos e proi­bir ór­gãos pú­bli­cos de in­ves­ti­ga­rem o fi­lho de Bol­so­na­ro e a mu­lher de­le pró­prio e a do co­le­ga Gil­mar. Re­sul­tou ain­da na ab­je­ta cen­su­ra à re­vis­ta Cru­soé e no man­da­do de bus­ca e apre­en­são na ca­sa do ex-pro­cu­ra­dor-ge­ral Ro­dri­go Ja­not, acu­sa­do do de­li­to inu­si­ta­do de me­ra in­ten­ção ho­mi­ci­da não re­a­li­za­da.

Com o Le­gis­la­ti­vo im­pe­di­do de re­fre­ar os im­pul­sos “le­gis­la­tó­ri­os” dos mi­nis­tros do STF pe­la de­pen­dên­cia de sua boa von­ta­de pa­ra sus­pei­tos, con­de­na­dos e ape­na­dos da al­ta po­lí­ti­ca, e o Exe­cu­ti­vo dis­po­ní­vel à tro­ca de fa­vo­res, Ate­na ga­ran­te a ti­ra­nia de seus pon­tí­fi­ces.

Cú­pu­la do Ju­di­ciá­rio usur­pa do Le­gis­la­ti­vo o di­rei­to de le­gis­lar, ex­clu­si­vo de elei­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.