Ain­da o te­to

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - FA­BIO GIAMBIAGI ECO­NO­MIS­TA

Are­per­cus­são do tex­to so­bre o te­to de gas­tos, de que o pre­sen­te ar­ti­go tra­ta, faz lem­brar um ve­lho tan­go, em que uma das es­tro­fes diz: “Y vos in­ter­pre­tás/ las co­sas al re­vés...” (“e vo­cê in­ter­pre­ta tu­do ao con­trá­rio”). Ser cri­ti­ca­do pe­los ami­gos e “aco­lhi­do” por co­le­gas que sem­pre me cri­ti­ca­ram foi uma ex­pe­ri­ên­cia cu­ri­o­sa. Va­mos ao bom de­ba­te!

Se uti­li­zar­mos o de­fla­tor do PIB, va­mos cons­ta­tar que en­tre 1991 e 2016 o gas­to pri­má­rio re­al do go­ver­no cen­tral, lí­qui­do das trans­fe­rên­ci­as a Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os, cres­ceu 5% ao ano. En­tre 2016 e 2019, as­su­min­do pa­ra es­te ano uma des­pe­sa de R$ 1,4 tri­lhão e uma in­fla­ção mé­dia de 3,5%, o cres­ci­men­to te­rá caí­do pa­ra 0,5% ao ano. Não te­nho dú­vi­das de que, quan­do os his­to­ri­a­do­res se de­bru­ça­rem so­bre o pe­río­do re­cen­te, 2016 se­rá vis­to co­mo um di­vi­sor de águas, por cau­sa da Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal 95 (EC-95), co­nhe­ci­da co­mo PEC do te­to. Es­sa emen­da mu­dou a pers­pec­ti­va fis­cal do País e per­mi­tiu uma sé­rie de des­do­bra­men­tos mui­to fa­vo­rá­veis, com des­ta­que pa­ra a que­da do ris­co País, das ta­xas de ju­ros e da in­fla­ção.

A re­gra apro­va­da é que a ex­pan­são do gas­to en­tre 2016 e 2026 te­rá de ser nu­la. Por uma tec­ni­ca­li­da­de que não há es­pa­ço aqui pa­ra ex­pli­car, is­so não che­ga a ser ver­da­de, em fun­ção do in­de­xa­dor ado­ta­do pa­ra 2017, que se re­ve­lou, a pos­te­ri­o­ri, su­pe­ri­or à in­fla­ção ob­ser­va­da na­que­le ano, o que des­lo­cou o te­to pa­ra ci­ma. De­pois de 2017, po­rém, ele tem se man­ti­do em ter­mos re­ais, ti­ran­do pe­que­nas di­fe­ren­ças en­tre o de­fla­tor do gas­to (o IPCA de­fa­sa­do em seis me­ses) e o do PIB.

Ao mes­mo tem­po, de­pois de 2016 ti­ve­mos au­men­tos re­ais ex­pres­si­vos da des­pe­sa com pes­so­al e com be­ne­fí­ci­os pre­vi­den­ciá­ri­os. No tri­ê­nio 20172019, es­ti­ma-se que a va­ri­a­ção re­al acu­mu­la­da atin­ja 14% no ca­so da pri­mei­ra va­riá­vel e 13% no da se­gun­da. Is­so dei­xou as “ou­tras des­pe­sas” co­mo va­riá­vel de ajus­te. Es­se agre­ga­do é um hí­bri­do com­pos­to por to­do ti­po de ru­bri­cas, que in­clui des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as co­mo o se­gu­ro-de­sem­pre­go ou as sen­ten­ças ju­di­ci­ais; ou­tras que na prá­ti­ca nin­guém em sã cons­ci­ên­cia ou­sa­ria cor­tar, co­mo as as­so­ci­a­das ao Bol­sa Fa­mí­lia, etc. O re­sul­ta­do é que o ajus­te aca­ba in­ci­din­do no su­bi­tem das cha­ma­das “des­pe­sas dis­cri­ci­o­ná­ri­as”, que eram de 2,3% do PIB em 2016.

Ca­be lem­brar tam­bém que es­sa ru­bri­ca já so­fre­ra cor­tes im­por­tan­tes em 2015, na épo­ca da ges­tão do mi­nis­tro Levy. O re­sul­ta­do é ope­rar com des­pe­sas dis­cri­ci­o­ná­ri­as – que a pre­ços es­ti­ma­dos de 2019 fo­ram de R$ 193 bi­lhões em 2014 –, que se­rão da or­dem de R$ 90 bi­lhões a R$ 100 bi­lhões em 2020. Se­rá im­pos­sí­vel man­ter es­sa di­nâ­mi­ca até 2026 – li­mi­te da vi­gên­cia do te­to apro­va­do em 2016.

O que fa­zer, en­tão? Com meu co­le­ga Gui­lher­me Ti­no­co, no Tex­to pa­ra Dis­cus­são 144 do BNDES, pro­po­mos uma al­ter­na­ti­va que nos pa­re­ce ade­qua­da: a tro­ca do du­vi­do­so pe­lo cer­to. A re­gra atu­al pres­cre­ve uma nor­ma cons­ti­tu­ci­o­nal rí­gi­da pa­ra até 2026, se­gui­da por um pon­to de in­ter­ro­ga­ção pa­ra 20272036, quan­do a re­gra po­de­rá ser mu­da­da por lei com­ple­men­tar. Nos­sa ideia é pro­por uma pe­que­na al­te­ra­ção pa­ra 20232026, em tro­ca de já dei­xar de­fi­ni­da a re­gra pa­ra 2027-2036.

Con­cre­ta­men­te, su­ge­re-se ado­tar no fu­tu­ro uma no­va PEC pa­ra o te­to do gas­to, de­fi­nin­do um va­lor pa­ra o te­to que se­ja con­sis­ten­te com sua pre­ser­va­ção re­al até 2022 e es­ta­be­le­cen­do pa­ra os anos se­guin­tes a se­guin­te “tri­lha de ex­pan­são”:

• 1% ao ano pa­ra o pe­río­do de 2023 a 2026,

• 1,5% ao ano pa­ra o pe­río­do de 2027 a 2030;

• e 2% ao ano pa­ra o pe­río­do de 2031 a 2036.

Além dis­so, a pro­pos­ta de­fi­ne a fi­gu­ra de um “sub­te­to” pa­ra os gas­tos cor­ren­tes, que se­ri­am in­fe­ri­o­res ao te­to e cres­ce­ri­am a uma ta­xa in­fe­ri­or às ci­ta­das. Com is­so se­ria cri­a­do um “cor­re­dor de in­ves­ti­men­to” que pos­si­bi­li­ta­ria a am­pli­a­ção do es­pa­ço pa­ra o in­ves­ti­men­to pú­bli­co, po­rém “por den­tro” do te­to, sem dei­xar es­sa pon­ta do gas­to sol­ta, pre­ju­di­can­do o con­tro­le fis­cal.

En­ten­de­mos que a re­gra pro­pos­ta te­ria uma sé­rie de van­ta­gens, quais se­jam:

• pre­ser­va­ria o es­pí­ri­to da EC-95;

• se­ria con­sis­ten­te com uma que­da da re­la­ção gas­to/PIB, as­su­min­do que a eco­no­mia cres­ça en­tre 2% e 3% ao ano até me­a­dos da dé­ca­da de 2030;

• per­mi­ti­ria um cres­ci­men­to mo­des­to das des­pe­sas, aco­mo­dan­do a ine­vi­tá­vel ex­pan­são do gas­to previdenci­ário, que con­ti­nu­a­rá au­men­tan­do mes­mo com a re­for­ma, po­rém evi­tan­do que is­so “es­ma­gue” as des­pe­sas dis­cri­ci­o­ná­ri­as;

• e abri­ria es­pa­ço pa­ra am­pli­a­ção do in­ves­ti­men­to pú­bli­co, sem fe­rir o equi­lí­brio fis­cal.

A per­gun­ta-cha­ve é: em que mo­men­to avan­çar com es­sa agen­da e em que con­tex­to? É es­sen­ci­al que se evi­te en­ca­rar a pro­pos­ta co­mo uma “li­cen­ça pa­ra gas­tar mais já”. Pa­ra evi­tar que o ca­pi­tal de cre­di­bi­li­da­de du­ra­men­te cons­truí­do nos úl­ti­mos anos se­ja di­na­mi­ta­do, é cha­ve ter uma agen­da de re­du­ção das des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as. Is­so in­clui de­fi­nir a in­de­xa­ção do sa­lá­rio mí­ni­mo ao INPC por pe­lo me­nos dez anos, apro­var uma re­gra de ajus­te no­mi­nal in­fe­ri­or à in­fla­ção pa­ra o fun­ci­o­na­lis­mo re­fe­ren­te a 2021-2023, re­du­zir o im­pac­to do pro­je­to de re­vi­são da car­rei­ra dos mi­li­ta­res (que one­ra­rá se­ri­a­men­te a des­pe­sa de pes­so­al) e tra­ba­lhar na re­es­tru­tu­ra­ção dos pla­nos de car­rei­ra dos ser­vi­do­res. No ar­ti­go, di­ze­mos ex­pli­ci­ta­men­te que “o ti­ming de um mo­vi­men­to co­mo o que é aqui su­ge­ri­do é fun­da­men­tal”. E é di­to com to­das as le­tras que es­sa mu­dan­ça das des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as de­ve ser fei­ta an­tes de qual­quer mu­dan­ça no te­to. Se não for ago­ra, que se­ja em 2023.

Te­mos cla­ro que o te­to não so­bre­vi­ve­rá até 2026. Que fi­que cla­ro, po­rém: o que foi pro­pos­to no tex­to é que uma re­gra pa­ra dez anos se­ja mu­da­da do sé­ti­mo ano em di­an­te. Is­so é al­go mui­to di­fe­ren­te de fu­rar o te­to no ter­cei­ro ano de uma re­gra pro­pos­ta pa­ra du­rar dez anos. A quem se apres­sou, no de­ba­te po­lí­ti­co, a usar nos­so no­me pa­ra com­ba­ter o ri­gor fis­cal que os au­to­res de­fen­dem, só nos res­ta a su­ges­tão de es­cu­tar o ve­lho tan­go ar­gen­ti­no.

Pro­po­mos al­ter­na­ti­va que nos pa­re­ce ade­qua­da: a tro­ca do du­vi­do­so pe­lo cer­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.