Re­la­tor ti­ra do tex­to bre­cha que po­de­ria fa­vo­re­cer ser­vi­do­res

Vol­ta a va­ler o tex­to da Câ­ma­ra que pre­vê que bo­ni­fi­ca­ção pas­sa a ser in­cor­po­ra­da com ba­se na mé­dia de to­da a car­rei­ra

O Estado de S. Paulo - - E & N / Economia & Negócios - Da­ni­el We­ter­man Idiana Tomazelli Amanda Pupo / BRASÍLIA

O re­la­tor da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDBCE), de­sis­tiu de dar aval a uma ja­ne­la pa­ra que ser­vi­do­res que in­gres­sa­ram an­tes de 2003 se apo­sen­tas­sem com as mai­o­res bo­ni­fi­ca­ções e van­ta­gens in­cor­po­ra­das ao va­lor, mes­mo que ti­ves­sem re­ce­bi­do es­sas gra­ti­fi­ca­ções por ape­nas um ano. Uma mu­dan­ça no tex­to fei­ta pe­lo se­na­dor Ro­dri­go Pa­che­co (DEMMG) abria bre­cha pa­ra que ser­vi­do­res pró­xi­mos da apo­sen­ta­do­ria ain­da pu­des­sem man­ter o pri­vi­lé­gio.

A in­cor­po­ra­ção dos 100% de bo­ni­fi­ca­ções e van­ta­gens é a re­gra ho­je, mas a pro­pos­ta de re­for­ma da Pre­vi­dên­cia apro­va­da na Câ­ma­ra en­du­re­cia as nor­mas ao pre­ver que a in­cor­po­ra­ção le­va­ria em con­ta a mé­dia re­ce­bi­da ao lon­go de to­da a car­rei­ra. Is­so re­sul­ta­ria em in­cor­po­ra­ção me­nor à apo­sen­ta­do­ria.

O tex­to da Câ­ma­ra, que re­ce­beu aval dos de­pu­ta­dos nos dois tur­nos de vo­ta­ção em ple­ná­rio, era até mais du­ro que a pro­pos­ta do go­ver­no, que pre­via um cál­cu­lo com ba­se na mé­dia dos dez anos an­te­ri­o­res à apo­sen­ta­do­ria.

Je­reis­sa­ti che­gou a aca­tar a emen­da de Pa­che­co, que ti­ra­va do tex­to a mu­dan­ça fei­ta pe­la Câ­ma­ra e res­ga­ta­va a pro­pos­ta do go­ver­no na cha­ma­da PEC pa­ra­le­la – que não tem da­ta pa­ra ser vo­ta­da.

Na prá­ti­ca, um ser­vi­dor que con­cluís­se, em seu úl­ti­mo ano an­tes da ina­ti­vi­da­de, um dou­to­ra­do que des­se di­rei­to a um adi­ci­o­nal de 100% so­bre o sa­lá­rio te­ria o va­lor do­bra­do in­cor­po­ra­do à apo­sen­ta­do­ria a ser re­ce­bi­da até o fim de sua vi­da – mes­mo que ele só ti­ves­se con­tri­buí­do so­bre os 100% por um pe­río­do equi­va­len­te a 12 me­ses.

O go­ver­no agiu con­tra es­sa mu­dan­ça e cos­tu­rou uma emen­da de redação pa­ra dei­xar cla­ro que a mé­dia le­va­rá em con­ta ape­nas os anos em que hou­ve re­ce­bi­men­to da gra­ti­fi­ca­ção. O te­mor era de que um ano de bo­ni­fi­ca­ção fos­se di­vi­di­do pe­lo tem­po to­tal de con­tri­bui­ção pa­ra apo­sen­ta­do­ria (ao me­nos 30 anos pa­ra mu­lhe­res e 35 anos pa­ra ho­mens), o que re­du­zi­ria e mui­to o va­lor in­cor­po­ra­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.