Ar­ma­di­lhas no meio do ca­mi­nho

O Estado de S. Paulo - - Economia - PAU­LO PAI­VA PRO­FES­SOR-AS­SO­CI­A­DO DA FUN­DA­ÇÃO DOM CABRAL, FOI MI­NIS­TRO DO TRA­BA­LHO E DO PLA­NE­JA­MEN­TO E OR­ÇA­MEN­TO NO GO­VER­NO FHC

Foi sur­pre­en­den­te a au­sên­cia de mo­bi­li­za­ção po­pu­lar, ex­ce­to a frou­xa re­sis­tên­cia das cor­po­ra­ções de ser­vi­do­res pú­bli­cos, pa­ra bar­rar a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Con­tu­do, a re­la­ti­va fa­ci­li­da­de da apro­va­ção des­ta re­for­ma não po­de ser boa con­se­lhei­ra pa­ra o cál­cu­lo do su­ces­so da pró­xi­ma.

To­dos que­rem uma re­for­ma tri­bu­tá­ria, mas ca­da um tem a sua. No se­tor pri­va­do, uns que­rem mais sim­pli­fi­ca­ção, efi­ci­ên­cia e se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca, ima­gi­nan­do que com is­so ha­ve­rá in­cen­ti­vos aos in­ves­ti­men­tos e, em con­sequên­cia, cres­ci­men­to econô­mi­co; ou­tros, pe­los mes­mos mo­ti­vos, so­nham com re­du­ção da car­ga tri­bu­tá­ria, ao me­nos pa­ra a sua ati­vi­da­de; no se­tor pú­bli­co, uns es­tão de olho na opor­tu­ni­da­de pa­ra am­pli­ar a par­ti­ci­pa­ção de Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os no bo­lo tri­bu­tá­rio; ou­tros ve­em uma opor­tu­ni­da­de pa­ra ele­var a car­ga tri­bu­tá­ria e con­cen­trá-la mais ain­da na União. Na so­ci­e­da­de, a úni­ca una­ni­mi­da­de é a re­jei­ção a au­men­to de im­pos­tos.

Uma das ar­ma­di­lhas no ca­mi­nho da re­for­ma tri­bu­tá­ria de­ri­va-se da fra­gi­li­da­de do fe­de­ra­lis­mo bra­si­lei­ro. É a his­tó­ri­ca ten­são, quer en­tre cen­tra­li­za­ção ou des­cen­tra­li­za­ção das atri­bui­ções e da re­cei­ta tri­bu­tá­ria, quer en­tre mai­or ou me­nor au­to­no­mia dos en­tes sub­na­ci­o­nais.

Es­se con­fli­to apa­re­ce na con­cep­ção das pro­pos­tas que es­tão no Con­gres­so Na­ci­o­nal. Em­bo­ra te­nham em co­mum o con­cei­to da uni­fi­ca­ção dos tri­bu­tos em um ti­po de Im­pos­to so­bre Va­lor Agre­ga­do (IVA), as du­as se di­fe­ren­ci­am nas vi­sões so­bre os de­sa­fi­os que a ques­tão fe­de­ra­ti­va sus­ci­ta. A Pro­pos­ta de Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal (PEC) da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos pro­põe a uni­fi­ca­ção de três tri­bu­tos fe­de­rais (PIS, Co­fins e IPI), um es­ta­du­al (ICMS) e um mu­ni­ci­pal (ISS) em um úni­co Im­pos­to so­bre Bens e Ser­vi­ços (IBS). Ao con­trá­rio, a PEC do Se­na­do pro­põe dois IVAs, um fe­de­ral, com a uni­fi­ca­ção de se­te tri­bu­tos fe­de­rais (IPI, IOF, PIS, Pa­sep, Co­fins, Sa­lá­rio-Edu­ca­ção e Ci­de), e ou­tro, unin­do em um só tri­bu­to o ICMS (es­ta­du­al) e o ISS (mu­ni­ci­pal), se­pa­ran­do, as­sim, os dois la­dos do con­fli­to.

Quan­to à au­to­no­mia dos Es­ta­dos, am­pli­a­da na Car­ta Mag­na de 1988, ao per­mi­tir a eles fi­xa­rem su­as alí­quo­tas den­tro de um da­do in­ter­va­lo, a pro­pos­ta da Câ­ma­ra é me­nos res­tri­ti­va do que a do Se­na­do, que fi­xa alí­quo­ta na­ci­o­nal úni­ca.

Es­tes são al­guns exem­plos de ques­tões que, se não su­pe­ra­das de iní­cio, con­su­mi­rão tem­po, di­vi­di­rão opi­niões e di­fi­cul­ta­rão a tra­mi­ta­ção da re­for­ma. A ideia cor­ren­te no Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia em pro­por uma re­for­ma par­ci­al, ape­nas dos tri­bu­tos fe­de­rais, po­de­rá ter mais su­ces­so de apro­va­ção ao evi­tar os com­ple­xos con­fli­tos fe­de­ra­ti­vos imi­nen­tes nu­ma pro­pos­ta com­ple­ta. Mas pa­ra is­so o go­ver­no pre­ci­sa mos­trar seu pro­je­to e as­su­mir a li­de­ran­ça do de­ba­te, com fir­me­za e co­e­são in­ter­na.

Ou­tra ar­ma­di­lha no meio do ca­mi­nho é o ca­len­dá­rio po­lí­ti­co-elei­to­ral. Se a re­for­ma tri­bu­tá­ria não es­ti­ver ma­du­ra pa­ra ser vo­ta­da até o pró­xi­mo mês de maio, di­fi­cil­men­te o se­rá an­tes de 2021, por­que o ca­len­dá­rio elei­to­ral im­po­rá seu tem­po, ine­xo­ra­vel­men­te. De olho na re­no­va­ção

Al­gu­mas ques­tões, se não fo­rem su­pe­ra­das de iní­cio, di­fi­cul­ta­rão a tra­mi­ta­ção da re­for­ma tri­bu­tá­ria

de seus man­da­tos, os de­pu­ta­dos par­ti­ci­pa­rão das dis­pu­tas mu­ni­ci­pais de 2020, dei­xan­do en­fra­que­ci­da a mo­bi­li­za­ção pa­ra o quó­rum qua­li­fi­ca­do na Câ­ma­ra.

Ade­mais, no iní­cio de 2021 mu­dan­ças re­le­van­tes ocor­re­rão na elei­ção das me­sas di­re­to­ras da Câ­ma­ra e do Se­na­do, po­den­do al­te­rar o equi­lí­brio de for­ças e a re­la­ção do Con­gres­so com o go­ver­no, pois os po­lí­ti­cos já es­ta­rão no com­pas­so das elei­ções ge­rais de 2022.

En­fim, no ca­mi­nho da re­for­ma tri­bu­tá­ria há mui­tas ar­ma­di­lhas. Acor­do pa­ra vo­ta­ção, se vi­er, não vi­rá sem a eli­mi­na­ção do te­to de gas­tos e cri­a­ção de um no­vo tri­bu­to, es­te sob a jus­ti­fi­ca­ti­va de seu im­pe­ra­ti­vo pa­ra re­du­zir o dé­fi­cit pri­má­rio, que em 2020 ce­le­bra­rá seu sex­to ani­ver­sá­rio.

Não ha­ve­rá fa­ci­li­da­des, mas ar­ma­di­lhas es­pa­lha­das pe­lo ca­mi­nho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.