Ago­ra vai?

O Estado de S. Paulo - - Economia - E-MAIL: FA­BIO.AL­[email protected] TWIT­TER: @COLUNAFABI­OALVE FÁ­BIO AL­VES ES­CRE­VE ÀS QUAR­TAS-FEI­RAS

Após o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, pe­dir pa­ci­ên­cia até que a agen­da de re­for­mas do go­ver­no Bol­so­na­ro con­si­ga sur­tir efei­to e im­pul­si­o­nar mai­or ex­pan­são do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB), os ana­lis­tas es­pe­ram que a ati­vi­da­de econô­mi­ca fi­nal­men­te ga­nhe fô­le­go mais for­te nes­te úl­ti­mo tri­mes­tre de 2019 e co­me­ce o ano que vem em um ritmo ace­le­ra­do.

Mas irá es­se cres­ci­men­to nos úl­ti­mos três me­ses do ano acon­te­cer em ve­lo­ci­da­de su­fi­ci­en­te pa­ra o bra­si­lei­ro sen­tir que o pi­or fi­cou pa­ra trás e dar um vo­to de con­fi­an­ça ao go­ver­no?

É bom lem­brar que o PIB do se­gun­do tri­mes­tre sur­pre­en­deu a to­dos ao re­gis­trar um cres­ci­men­to de 0,4% so­bre o pri­mei­ro tri­mes­tre, quan­do a eco­no­mia ha­via re­cu­a­do 0,1% an­te o tri­mes­tre an­te­ri­or. O re­sul­ta­do do ter­cei­ro tri­mes­tre só se­rá di­vul­ga­do pe­lo IBGE em de­zem­bro, mas a mai­o­ria das es­ti­ma­ti­vas de ana­lis­tas apon­ta pa­ra uma le­ve ex­pan­são de 0,2%.

“O pi­or mo­men­to da ati­vi­da­de econô­mi­ca foi no pri­mei­ro tri­mes­tre des­te ano. De lá pra cá, já há si­nais de re­cu­pe­ra­ção, em­bo­ra em ritmo mo­de­ra­do”, diz o eco­no­mis­ta-che­fe do Hai­tong Ban­co de In­ves­ti­men­to Bra­sil, Flávio Ser­ra­no.

Ele es­pe­ra um cres­ci­men­to de 0,6% do PIB no quar­to tri­mes­tre em com­pa­ra­ção com o ter­cei­ro. “Te­re­mos os efei­tos de­fa­sa­dos de po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria, in­fla­ção bai­xa – fa­vo­re­cen­do o ren­di­men­to mé­dio re­al – e os im­pul­sos tem­po­rá­ri­os do FGTS no con­su­mo das fa­mí­li­as”, ex­pli­ca Ser­ra­no. Ele es­pe­ra que a eco­no­mia bra­si­lei­ra cres­ça a uma ta­xa anu­a­li­za­da pró­xi­ma a 2,5% nos pró­xi­mos tri­mes­tres.

O oti­mis­mo em re­la­ção ao de­sem­pe­nho da eco­no­mia, es­pe­ci­al­men­te em 2020, au­men­tou de­pois que o Ban­co Cen­tral co­me­çou a re­du­zir a Selic e si­na­li­zou um ci­clo mais pro­fun­do de cor­te de ju­ros na úl­ti­ma reu­nião do Co­pom. Des­de en­tão, o con­sen­so das apos­tas de ana­lis­tas já apon­ta pa­ra uma Selic a 4,75% no fim des­te ano, mas há quem es­pe­re ju­ros a 4,50% e até a 4,0%.

Por en­quan­to, es­sa ex­pec­ta­ti­va de es­tí­mu­lo mo­ne­tá­rio mais agres­si­vo ain­da não se re­fle­tiu nas pro­je­ções de PIB pa­ra 2020. Con­for­me a pes­qui­sa Fo­cus, do BC, a eco­no­mia de­ve cres­cer 2,0% no ano que vem. Co­mo o BC co­me­çou a cor­tar os ju­ros ape­nas em ju­lho e a po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria tem de­fa­sa­gem de seis a no­ve me­ses pa­ra afe­tar a eco­no­mia, o mai­or im­pac­to das de­ci­sões do Co­pom acon­te­ce­rá ape­nas ao lon­go do ano que vem.

“A re­cu­pe­ra­ção des­de o fun­do do po­ço tem si­do sus­ten­ta­da pe­la re­to­ma­da gra­du­al do con­su­mo das fa­mí­li­as, mas es­pe­ra­mos que uma me­lho­ra nos in­ves­ti­men­tos ve­nha co­mo fa­tor adi­ci­o­nal a dar mais sus­ten­ta­bi­li­da­de ao cres­ci­men­to”, diz o eco­no­mis­ta-che­fe da Blu­eLi­ne As­set Ma­na­ge­ment, Fa­bio Aki­ra. Ele pre­vê uma ex­pan­são de 0,5% en­tre ou­tu­bro e de­zem­bro e que a par­tir de en­tão o PIB te­nha um ritmo mé­dio de cres­ci­men­to anu­a­li­za­do de 2,0% a 2,5%.

Po­de­rá es­se ritmo de cres­ci­men­to da eco­no­mia re­du­zir o de­sem­pre­go, que, no tri­mes­tre en­cer­ra­do em agos­to, es­ta­va em 11,8% e atin­gia 12,6 mi­lhões de bra­si­lei­ros?

“O cres­ci­men­to mais ace­le­ra­do de­ve­rá con­tri­buir com a que­da do de­sem­pre­go, mas es­pe­ra­mos que a que­da da oci­o­si­da­de da eco­no­mia acon­te­ça em ritmo bas­tan­te mo­de­ra­do”, diz Flávio Ser­ra­no, do Hai­tong. Ele es­pe­ra uma ta­xa mé­dia de de­sem­pre­go pró­xi­ma a 10% no fi­nal de 2020.

Pa­ra Aki­ra, já é pos­sí­vel ob­ser­var me­lho­ra no mer­ca­do de tra­ba­lho, mar­ca­da prin­ci­pal­men­te pe­lo em­pre­go in­for­mal e pe­lo au­men­to da ta­xa de par­ti­ci­pa­ção – mais pes­so­as in­gres­san­do ou re­tor­nan­do à for­ça de tra­ba­lho.

“Es­se pro­ces­so de­ve con­ti­nu­ar, mas com uma me­lho­ra qua­li­ta­ti­va na ge­ra­ção de em­pre­gos”, ex­pli­ca Aki­ra. “Es­sa me­lho­ra qua­li­ta­ti­va de­ve­ria re­sul­tar em re­cu­pe­ra­ção tam­bém do ren­di­men­to mé­dio re­al por tra­ba­lha­dor, in­di­ca­dor que atu­al­men­te ain­da es­tá em po­si­ção fra­ca.”

Se um oti­mis­mo com a me­lho­ra da ati­vi­da­de econô­mi­ca a par­tir des­te tri­mes­tre é vi­sí­vel, ain­da exis­tem ris­cos a es­se ce­ná­rio, es­pe­ci­al­men­te se hou­ver de­te­ri­o­ra­ção do am­bi­en­te ex­ter­no, ca­so ha­ja, por exem­plo, uma es­ca­la­da da guer­ra co­mer­ci­al en­tre EUA e Chi­na ou que a de­sa­ce­le­ra­ção em cur­so na eco­no­mia mun­di­al des­cam­be pa­ra uma re­ces­são.

Do pon­to de vis­ta do­més­ti­co, se hou­ver no­vos ruí­dos ou atra­sos de­ma­si­a­dos na tra­mi­ta­ção de re­for­mas im­por­tan­tes, co­mo a tri­bu­tá­ria e a da Pre­vi­dên­cia, a con­fi­an­ça de em­pre­sá­ri­os e con­su­mi­do­res po­de re­cu­ar. E, com is­so, im­pe­dir que a eco­no­mia bra­si­lei­ra de­co­le de vez.

O oti­mis­mo com a eco­no­mia, au­men­tou de­pois que o BCl co­me­çou a re­du­zir a ta­xa Selic

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.