‘MER­CA­DO DA MO­DA AIN­DA TEM MUI­TO A ME­LHO­RAR EM SUS­TEN­TA­BI­LI­DA­DE’

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - SO­FIA PATSCH

Fi­ca no in­te­ri­or pau­lis­ta, mais pre­ci­sa­men­te em São Jo­sé do Bar­rei­ro, na Ser­ra da Bo­cai­na, a vas­ta área de ma­ta atlân­ti­ca que Lu­ci­a­na Cur­tis es­tá aju­dan­do a re­flo­res­tar. Mãe de du­as fi­lhas e re­si­den­te da ci­da­de de NY, a top tem ca­da vez mais se vol­ta­do pa­ra as ques­tões am­bi­en­tais. “Há anos ve­nho me in­for­man­do e fa­zen­do mu­dan­ças no meu jei­to de vi­ver e con­su­mir. Ape­sar de to­das as trans­for­ma­ções e adap­ta­ções pa­ra uma vi­da mais sus­ten­tá­vel, per­ma­ne­cia pro­cu­ran­do um jei­to de di­mi­nuir ain­da mais as mi­nhas pe­ga­das de car­bo­no e o meu im­pac­to no pla­ne­ta.”, afir­ma a mo­de­lo, que há 28 anos es­tam­pa gran­des cam­pa­nhas mun­do afo­ra. Con­fi­ra en­tre­vis­ta a se­guir.

Co­mo sur­giu o in­te­res­se em en­ca­be­çar um pro­je­to de re­flo­res­ta­men­to?

Faz 15 anos que pro­cu­ro ame­ni­zar mi­nhas pe­ga­das de car­bo­no no pla­ne­ta. Vo­a­va mui­to a tra­ba­lho e fiz um cál­cu­lo on­li­ne de quan­tas ár­vo­res pre­ci­sa­ria plan­tar pa­ra ze­rar o im­pac­to des­sa mi­nha ro­ti­na. Não lem­bro os nú­me­ros, mas lem­bro que era bas­tan­te coi­sa. De lá pa­ra cá, con­ti­nu­ei com von­ta­de de plan­tar. Foi en­tão que, nes­te ano, quan­do es­tá­va­mos de fé­ri­as em SP, lem­brei que uns ami­gos ti­nham com­pra­do umas ter­ras na Ser­ra da Bo­cai­na e en­trei em con­ta­to – eles já es­ta­vam fa­zen­do um tra­ba­lho de re­flo­res­ta­men­to na­que­la re­gião.

Ex­pli­que um pou­co mais do pro­je­to, por fa­vor.

O pro­je­to é re­flo­res­tar uma área que era pas­to. Aju­da­re­mos a flo­res­ta a cres­cer, ani­mais a se re­pro­du­zi­rem e a pro­te­ger as nas­cen­tes do Rio Pa­raí­ba do Sul. Te­mos uma pá­gi­na no Fa­ce­bo­ok com mais fo­tos do pro­je­to, das plan­tas e dos ani­mais na­ti­vos. Os ver­da­dei­ros heróis des­te pro­je­to são a Ales­san­dra Jes­zensky e o San­dor Kiss. Sem eles, na­da dis­so se­ria pos­sí­vel.

Pre­ten­de fa­zer al­go pa­re­ci­do na re­gião da Amazô­nia?

A re­gião da Amazô­nia é um pro­ble­ma mais com­pli­ca­do. Exis­te mui­ta bu­ro­cra­cia e mui­ta cor­rup­ção en­vol­vi­da. Es­tou me in­for­man­do mui­to e fa­ço par­te de dois pro­je­tos vol­ta­dos à re­gião: o “Amazô­nia Pos­sí­vel'”e o I.N.S.P.I.R.E, do qual sou em­bai­xa­do­ra.

Que prá­ti­cas mais sus­ten­tá­veis tem le­va­do pa­ra o seu dia a dia? Tu­do co­me­çou em 1999, quan­do mo­ra­va em Lon­dres. Fi­quei do­en­te e não pu­de le­var o li­xo re­ci­clá­vel pa­ra fo­ra de ca­sa por 3 di­as. Foi en­tão que pu­de ver a quan­ti­da­de de plás­ti­co que eu gas­ta­va. Na épo­ca, con­su­mia três gar­ra­fas gran­des de água por dia. No mes­mo dia com­prei um fil­tro. Em 2000 pa­rei de usar sa­cos plás­ti­cos. De lá pa­ra cá, mu­dei tam­bém as lâm­pa­das de ca­sa, pas­sei a usar pro­du­tos de lim­pe­za bi­o­de­gra­dá­veis – a mai­o­ria fei­ta em ca­sa, à ba­se de vi­na­gre. Pro­cu­ro fa­zer com­pras em mer­ca­dos ou fei­ras a gra­nel, pri­o­ri­zan­do sem­pre ali­men­tos or­gâ­ni­cos. Pe­go trans­por­te pú­bli­co sem­pre que pos­so. Até o ta­pe­te pa­ra xi­xi do meu cachorro é de te­ci­do e o sa­qui­nho do cocô é fei­to de ami­do de mi­lho 100% bi­o­de­gra­dá­vel. Em ca­sa usa­mos es­co­vas de den­tes de bam­bu, não uso mais pa­pel to­a­lha, só pa­nos, e o pa­pel hi­gi­ê­ni­co em ca­sa é fei­to de pa­pel re­ci­cla­do. Aqui nos EUA, as pes­so­as tam­bém fa­zem mui­tas com­pras on­li­ne, o que é mui­to con­ve­ni­en­te, mas eu pa­rei, pois sem­pre fi­co in­dig­na­da com a quan­ti­da­de de em­ba­la­gens.

E na ali­men­ta­ção, parou de co­mer car­ne ver­me­lha? Com cer­te­za a mu­dan­ça mais sig­ni­fi­ca­ti­va foi ter pa­ra­do de com­prar car­ne ver­me­lha, há mais de um ano. Re­cen­te­men­te vi­rei ve­ge­ta­ri­a­na. Fiz as mu­dan­ças que con­se­gui, sem ra­di­ca­lis­mo. Es­tou sem­pre es­tu­dan­do e ten­tan­do apren­der mais so­bre o as­sun­to. Al­gu­mas coi­sas dão mais tra­ba­lho do que ou­tras. Ca­da um tem que sa­ber co­mo po­de co­la­bo­rar. Es­ta­va há anos en­sai­an­do vi­rar ve­ge­ta­ri­a­na e não con­se­guia. Ago­ra, fi­nal­men­te con­se­gui.

Co­mo en­xer­ga a sus­ten­ta­bi­li­da­de no meio da mo­da? O mer­ca­do da mo­da ain­da tem mui­to a me­lho­rar, sen­do res­pon­sá­vel por 20% do li­xo do mun­do e 8% da emis­são de car­bo­no glo­bal. Al­gu­mas mar­cas es­tão me­lho­ran­do mui­to. Só o fa­to de mui­tas te­rem pa­ra­do de usar pe­le já é um gran­de pas­so, mas tam­bém pre­ci­sa­mos me­lho­rar co­mo con­su­mi­do­res. Se o con­su­mi­dor não com­prar, não tem por­que pro­du­zir. O con­su­mi­dor tem que ser mais exi­gen­te e fa­zer com que as em­pre­sas cum­pram sua par­te. Es­tou sim­pli­fi­can­do mi­nha vi­da. Fiz uma ar­ru­ma­ção no meu ar­má­rio e re­des­co­bri vá­ri­as rou­pas que es­ta­vam es­con­di­das e dei no­va vi­da a elas. /

1. 1. Ana Ma­ria Igel, Ana He­le­na Ame­ri­ca­no Arau­jo e Syl­via Pi­nho de Al­mei­da em co­que­tel na ca­sa de 2. Fer­nan­do Car­ra­mas­chi – na fo­to com Ma­de­lei­ne Ca­re­au e Fre­de­ri­co Loh­mann – pa­ra ce­le­brar o fi­nal da pri­mei­ra fa­se das obras e a cam­pa­nha de re­cons­tru­ção do Teatro Cul­tu­ra Ar­tís­ti­ca. 3. Li­li­an Stuhl­ber­ger. 4. Ola­vo e Na­dia Se­tu­bal. 5. Gi­o­con­da Bor­don e Ste­fa­nia Pe­lu­si. 6. Adolpho Leir­ner. An­te­on­tem, nos Jar­dins.

DANILO HESS

FO­TOS IARA MORSELLI/ESTADÃO

2.

4.

3.

5.

6.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.