As iro­ni­as da sor­te

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - RO­BER­TO DAMATTA ES­CRE­VE ÀS QUAR­TAS-FEI­RAS

Num dos talk-shows de mai­or su­ces­so da te­le­vi­são ame­ri­ca­na, seu apresentad­or es­tre­la Johnny Car­son fez, em 1973, uma en­tre­vis­ta me­mo­rá­vel com Frank Si­na­tra. Após re­ce­ber o can­tor, Car­son per­gun­tou se Si­na­tra ou­via-se a si mes­mo quan­do que­ria cri­ar um cli­ma ro­mân­ti­co com uma na­mo­ra­da. A per­gun­ta em­ba­ra­çou Si­na­tra, co­mo pro­va­vel­men­te en­ca­bu­la­ria qual­quer gran­de cri­a­dor, mes­mo os mais nar­ci­sis­tas.

Se­rá que a se­xu­a­li­da­de de Freud se har­mo­ni­za­va com su­as te­o­ri­as? Se­rá que Mo­zart, Schu­bert e Tchai­kovs­ki se ou­vi­am tão em­pol­ga­dos co­mo ocor­re co­nos­co? Sha­kes­pe­a­re gos­ta­va de su­as pe­ças, He­mingway re­leu com ad­mi­ra­ção O Ve­lho e o Mar?E Ma­cha­do de Assis sor­ria, au­to­con­tem­plan­do-se, quan­do vol­ta­va às su­as iro­ni­as mais ra­di­cais, as que sem dú­vi­da re­me­ti­am à sua iden­ti­da­de?

*

Quan­do per­co o so­no e mi­nha fan­ta­sia me trans­for­ma num ga­nha­dor de lo­te­ri­as, fa­zen­do o ide­al coin­ci­dir com o re­al, eu dur­mo o so­no dos jus­tos. Mas e se eu fos­se pre­mi­a­do? A pos­si­bi­li­da­de pro­duz uma cer­ta agonia... Fi­car ri­co por um “gol­pe de sor­te” traz fe­li­ci­da­de ou des­gra­ça, co­mo te­mos tes­te­mu­nha­do. Su­ces­so – êxi­to – é li­te­ral­men­te saí­da. Mas pa­ra on­de a por­ta po­de se abrir? Di­nhei­ro ga­nho de mo­do re­pen­ti­no se as­so­cia mais ao Di­a­bo do que ao bom Deus. O mal-es­tar bra­si­lei­ro mos­tra o que ocor­re num sis­te­ma mar­ca­do por pri­vi­lé­gi­os le­ga­li­za­dos ao la­do de uma ab­sur­da con­ju­ga­ção de li­be­ra­lis­mo e fa­mi­lis­mo. Uma cri­se se­me­lhan­te acon­te­ce com o nar­ci­sis­ta ra­di­cal – ou de quem con­tro­la tan­to o seu pri­si­o­nei­ro que com ele fi­ca na ce­la, apri­si­o­nan­do-se a si mes­mo. A in­sol­vên­cia de um sis­te­ma que mu­da pa­ra não mu­dar tem a mes­ma es­tru­tu­ra de um can­tor que só ad­mi­ra seu pró­prio can­to. *

No imen­so mar de iro­ni­as que as­so­la o mun­do e o Bra­sil, um as­som­bro­so prê­mio de R$ 120 mi­lhões saiu pa­ra as­ses­so­res da pre­si­dên­cia do PT por meio de um jo­go co­e­ren­te­men­te co­le­ti­vo (um bo­lão). O tom do no­ti­ciá­rio era de pa­ra­do­xo: co­mo de­fen­so­res dos po­bres fi­cam ri­cos? A vi­são dos ri­cos em to­da épo­ca e lu­gar é per­me­a­da por in­ve­ja e res­sen­ti­men­to.

O PT é o par­ti­do dos tra­ba­lha­do­res. Dos cas­ti­ga­dos e opri­mi­dos pe­lo tra­ba­lho o que po­de ser exa­ge­ra­do, mas tem sua ra­zão num sis­te­ma de ma­triz es­cra­vo­cra­ta, res­pon­sá­vel pe­lo ide­al bra­si­lei­ro de não tra­ba­lhar, mas de “se ar­ru­mar” por meio de um em­pre­go pú­bli­co com apo­sen­ta­do­ria ga­ran­ti­da e he­re­di­tá­ria. Uma “bo­ca” cu­ja obri­ga­ção prin­ci­pal é a no­bre ar­te de co­çar o sa­co.

É uma iro­nia dos deu­ses con­tem­plar fi­li­a­dos do PT com tan­to di­nhei­ro, mas não o su­fi­ci­en­te pa­ra mu­dan­ças to­tais. Pri­mei­ro, por­que o prê­mio foi ga­nho por 46 pes­so­as, re­du­zin­do cen­te­nas de mi­lhões em uns “mí­se­ros” 2,5 mi­lhões pa­ra ca­da “po­bre” sor­tu­do. Hou­ve quem re­cla­mas­se de ter fi­ca­do fo­ra do bo­lão; hou­ve quem men­ci­o­nas­se que 2 mi­lhões é pou­co pa­ra fun­ci­o­ná­ri­os cu­jos sa­lá­ri­os va­ri­am de R$ 3,6 a R$ 20 mil. Hou­ve tam­bém a pa­la­vra sá­bia da pre­si­dên­cia da le­gen­da, abs­ten­do os pre­mi­a­dos do dí­zi­mo par­ti­dá­rio.

*

Co­mo um hós­pe­de não con­vi­da­do, o aca­so pro­du­ziu “ri­cos” num par­ti­do de­vo­ta­do aos “po­bres”. Si­na­tra ou­via seus dis­cos pa­ra cri­ar um cli­ma ro­mân­ti­co? Vo­cê e eu fa­ría­mos fi­lan­tro­pia ou ca­ri­da­de ca­so vi­rás­se­mos ri­cos?Vo­cê e eu fa­ría­mos fi­lan­tro­pia ou ca­ri­da­de ca­so vi­rás­se­mos ri­cos?

A te­o­ria é fá­cil. O com­pli­ca­do é quan­do há um ines­pe­ra­do en­con­tro en­tre o ide­al e o re­al. Nes­te ca­so, co­mo di­zia Ray­mond Aron, é pre­ci­so um “pes­si­mis­mo ati­vo”: ter fé sem ilu­são di­an­te dos im­pre­vis­tos. So­bre­tu­do num país tão afei­to a fa­zer pa­ra des­fa­zer, co­mo o Bra­sil...

Vo­cê e eu fa­ría­mos fi­lan­tro­pia ou ca­ri­da­de ca­so vi­rás­se­mos ri­cos?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.