Ci­ne­ma.

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Luiz Car­los Mer­ten

Nu­ma en­tre­vis­ta por te­le­fo­ne, da Ale­ma­nha, Ca­ro­li­ne Link in­for­ma que seu fil­me O Me­ni­no Que Fa­zia Rir fez qua­se 4 mi­lhões de in­gres­sos, e se tra­ta de um nú­me­ro as­tronô­mi­co, que pou­cas obras lo­gram al­can­çar no país. Mes­mo as­sim, ela diz que não pas­sou por sua ca­be­ça, nem dos pro­du­to­res, ins­cre­ver O Me­ni­no pa­ra o Os­car. “Sem­pre nos pa­re­ceu um fil­me mui­to lo­cal, es­tá sen­do uma sur­pre­sa des­co­brir que o fil­me po­de ir bem com au­di­ên­ci­as no ex­te­ri­or.”

O Me­ni­no Que Fa­zia Rir ba­sei­a­se no li­vro do co­me­di­an­te Ha­pe Ker­ke­ling, que tem mais ou me­nos a ida­de da di­re­to­ra – 50 e pou­cos anos. “Ha­pe es­cre­veu dois li­vros de su­ces­so, e es­se foi o se­gun­do. O pri­mei­ro tam­bém foi fil­ma­do, e te­ve em­pa­tia com o pú­bli­co, mes­mo não ten­do nú­me­ros tão ex­pres­si­vos co­mo o nos­so. Ha­pe é pro­fun­do, é hu­ma­no, e as pes­so­as per­ce­bem is­so.” No li­mi­te, é uma his­tó­ria de fa­mí­lia e Ha­pe se es­pe­lha nos pais, ti­os e avós pa­ra fa­zer rir. Não ape­nas nas pes­so­as. “No fi­nal, ele diz que car­re­ga a fa­mí­lia den­tro de­le, mas tam­bém a pai­sa­gem, as flo­res, as aves. Po­de pa­re­cer ba­nal, mas é ver­da­dei­ro. Se vo­cê con­ver­sa cin­co mi­nu­tos com ele, per­ce­be que é mui­to au­tên­ti­co.”

Pa­ra Ca­ro­li­ne, que te­ve uma in­fân­cia não exa­ta­men­te si­mi­lar, mas na mes­ma épo­ca, em ou­tra

PANDORA FIL­MES

O me­ni­no. Ha­pe, Ju­lius Wec­kauf, com os avós: ta­len­to­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.