Go­ver­no ten­ta fre­ar per­das em vo­ta­ção da Pre­vi­dên­cia no Se­na­do

Pau­lo Guedes or­de­na que ‘ca­da bi­lhão’ de re­du­ção na eco­no­mia pre­vis­ta se­ja com­pen­sa­do no pac­to fe­de­ra­ti­vo

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Idi­a­na To­ma­zel­li Da­ni­el We­ter­man Edu­ar­do Ro­dri­gues / BRA­SÍ­LIA

Des­de que o pro­je­to de re­for­ma da Pre­vi­dên­cia che­gou ao Se­na­do, após ser apro­va­do pe­la Câ­ma­ra, a eco­no­mia pre­vis­ta pa­ra o pe­río­do de 10 anos com a mu­dan­ça nas re­gras da apo­sen­ta­do­ria foi re­du­zi­da em R$ 133,2 bi­lhões, pas­san­do a R$ 800,3 bi­lhões. Pa­ra evi­tar mais per­das na vo­ta­ção em se­gun­do tur­no, pre­vis­ta pa­ra a pró­xi­ma quin­ta-fei­ra, o go­ver­no mon­tou uma for­ça­ta­re­fa com téc­ni­cos e par­la­men­ta­res. On­tem, a ação im­pe­diu a apro­va­ção de des­ta­ques que po­de­ri­am ti­rar R$ 476 bi­lhões da re­for­ma. Na noi­te de ter­ça­fei­ra, uma mu­dan­ça nas re­gras do pa­ga­men­to do abo­no sa­la­ri­al re­du­ziu a eco­no­mia em R$ 76,4 bi­lhões. O mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Guedes, or­de­nou que “ca­da bi­lhão” de per­da se­ja com­pen­sa­do no “pac­to fe­de­ra­ti­vo”, que de­ve reu­nir me­di­das pa­ra des­cen­tra­li­zar re­cur­sos em fa­vor de Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. A pos­si­bi­li­da­de de re­ta­li­a­ção por par­te do Pla­nal­to ge­rou ain­da mais ani­mo­si­da­de en­tre os se­na­do­res, que ame­a­çam tra­var a vo­ta­ção em se­gun­do tur­no.

O Se­na­do Fe­de­ral re­du­ziu em R$ 133,2 bi­lhões o im­pac­to da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia no pri­mei­ro tur­no de vo­ta­ção da pro­pos­ta. A de­si­dra­ta­ção ines­pe­ra­da de­fla­grou uma me­ga­o­pe­ra­ção no go­ver­no pa­ra evi­tar per­das ain­da mai­o­res, nu­ma for­ça-ta­re­fa que mi­ra ago­ra o se­gun­do tur­no pa­ra man­ter a po­tên­cia fis­cal de R$ 800,3 bi­lhões.

Se­gun­do o Es­ta­do apu­rou, o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Guedes, or­de­nou que ca­da bi­lhão per­di­do no Se­na­do se­ja com­pen­sa­do no “pac­to fe­de­ra­ti­vo”, que de­ve reu­nir me­di­das pa­ra des­cen­tra­li­zar re­cur­sos em fa­vor de Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os.

A in­di­ca­ção de Guedes a seus au­xi­li­a­res de que ha­ve­rá “tro­co” da equi­pe econô­mi­ca ge­rou ain­da mais ani­mo­si­da­de no am­bi­en­te já con­fla­gra­do do Se­na­do. “Re­ta­li­a­ção? Pau que dá em Chico dá em Fran­cis­co”, avi­sou o lí­der do MDB no Se­na­do, Edu­ar­do Bra­ga (AM).

Os se­na­do­res já es­tão in­sa­tis­fei­tos com os ru­mos da di­vi­são dos re­cur­sos do me­ga­lei­lão de pe­tró­leo do pré-sal e que­rem res­pal­do do go­ver­no pa­ra ga­ran­tir a fa­tia dos Es­ta­dos. A Câ­ma­ra ar­ti­cu­la re­du­zir a par­ce­la de go­ver­na­do­res pa­ra tur­bi­nar os re­pas­ses às pre­fei­tu­ras. Sem uma de­fi­ni­ção so­bre os re­cur­sos, um gru­po de se­na­do­res ame­a­ça tra­var a vo­ta­ção em se­gun­do tur­no, que es­ta­va pre­vis­ta pa­ra 10 de ou­tu­bro.

O pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-AP), ad­mi­tiu que a pró­xi­ma vo­ta­ção – úl­ti­ma eta­pa an­tes da pro­mul­ga­ção da re­for­ma – po­de atra­sar. O prin­ci­pal obs­tá­cu­lo é a re­sis­tên­cia de se­na­do­res em dar aval à cha­ma­da que­bra de in­ters­tí­cio, que per­mi­ti­ria a vo­ta­ção an­tes do in­ter­va­lo de cin­co ses­sões exi­gi­do pe­lo re­gi­men­to. O pa­no de fun­do, po­rém, é a dis­pu­ta pe­los re­cur­sos do lei­lão.

Al­co­lum­bre dis­se que ain­da bus­ca um en­ten­di­men­to, mas re­co­nhe­ceu que a vo­ta­ção po­de fi­car pa­ra a se­ma­na que vai de 14 a 18 de ou­tu­bro: “Aca­ba sain­do um pou­co do ca­len­dá­rio da pri­mei­ra quin­ze­na de ou­tu­bro, pas­san­do pa­ra a pró­xi­ma se­ma­na”.

No Con­gres­so, a ava­li­a­ção nos bas­ti­do­res é que o go­ver­no

per­deu o con­tro­le da si­tu­a­ção e co­la­bo­rou pa­ra a pos­tu­ra dos se­na­do­res ao in­cen­ti­var o dis­cur­so de “me­nos Bra­sí­lia e mais Bra­sil”. A de­si­dra­ta­ção subs­tan­ci­al do tex­to da re­for­ma foi só um dos sin­to­mas des­se qua­dro.

Abo­no. O ple­ná­rio impôs na

noi­te de ter­ça-fei­ra uma der­ro­ta ao re­ti­rar as mu­dan­ças nas re­gras de pa­ga­men­to do abo­no sa­la­ri­al. O tex­to da Câ­ma­ra res­trin­gia o be­ne­fí­cio, no va­lor de um sa­lá­rio mí­ni­mo (R$ 998), a quem re­ce­be até R$ 1.364,43 por mês. Mas o Se­na­do de­ci­diu man­ter as re­gras atu­ais, que ga­ran­tem

o re­pas­se a quem ga­nha até dois sa­lá­ri­os mí­ni­mos (R$ 1.996). A mu­dan­ça ti­rou R$ 76,4 bi­lhões da re­for­ma.

O re­vés acendeu o aler­ta no go­ver­no, prin­ci­pal­men­te di­an­te da lis­ta de des­ta­ques que ain­da se­ri­am vo­ta­dos on­tem e que po­de­ri­am ti­rar ou­tros R$ 476 bi­lhões. Téc­ni­cos tra­ba­lha­ram des­de as pri­mei­ras ho­ras da ma­nhã de on­tem num am­plo ma­te­ri­al pa­ra de­fen­der a ma­nu­ten­ção de ca­da pon­to, com de­ta­lhes de im­pac­tos e alertas so­bre mu­dan­ças de mé­ri­to, que le­va­ri­am a uma no­va vo­ta­ção na Câ­ma­ra e atra­sa­ri­am o cro­no­gra­ma da re­for­ma.

Já os ar­ti­cu­la­do­res po­lí­ti­cos do go­ver­no se reu­ni­ram com li­de­ran­ças do Se­na­do pa­ra “ti­rar a tem­pe­ra­tu­ra” e de­ci­dir se ha­via cli­ma pa­ra se­guir com a vo­ta­ção ou se era mais apro­pri­a­do es­pe­rar mais uns di­as até o go­ver­no re­or­ga­ni­zar sua ba­se.

Ne­go­ci­a­ção. O go­ver­no par­tiu pa­ra o vo­to, mas de­ci­diu tam­bém re­for­çar ou­tra fren­te de ne­go­ci­a­ção: a de con­ven­cer li­de­ran­ças a re­ti­rar seus des­ta­ques que po­de­ri­am mu­dar a pro­pos­ta de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va.

A es­tra­té­gia te­ve uma ra­zão: o go­ver­no cor­ria sé­rio ris­co de não con­se­guir os 49 vo­tos ne­ces­sá­ri­os em al­gum dos des­ta­ques. As vo­ta­ções aper­ta­das da­vam o aler­ta: na pri­mei­ra de­las, o pla­car fi­cou em 54 a 18, ape­nas cin­co vo­tos a mais que o ne­ces­sá­rio. Qual­quer au­sên­cia im­pre­vis­ta de um se­na­dor po­de­ria com­pro­me­ter de­ze­nas de bi­lhões pa­ra os pró­xi­mos anos.

O se­cre­tá­rio es­pe­ci­al de Pre­vi­dên­cia e Tra­ba­lho, Ro­gé­rio Ma­ri­nho, en­trou em cam­po e, di­re­ta­men­te do ple­ná­rio, con­ver­sou com lí­de­res e cos­tu­rou os acor­dos que re­du­zi­ram os ris­cos pa­ra a re­for­ma, mas re­sul­ta­ram em pro­mes­sa de re­dis­cus­são de al­gu­mas re­gras em uma no­va pro­pos­ta.

O lí­der do go­ver­no no Se­na­do, Fer­nan­do Be­zer­ra (MDBPE), tam­bém ope­rou pa­ra re­du­zir os da­nos após ter si­do o prin­ci­pal al­vo de quem bus­ca­va apon­tar cul­pa­dos pe­la der­ro­ta de on­tem. No Con­gres­so, a vo­ta­ção do abo­no foi con­si­de­ra­da nos bas­ti­do­res um re­ca­do dos se­na­do­res e uma jo­ga­da en­sai­a­da com o lí­der do go­ver­no.

A ava­li­a­ção é que um ne­go­ci­a­dor ex­pe­ri­en­te co­mo Be­zer­ra não po­de­ria ter acei­ta­do que aque­le des­ta­que fos­se vo­ta­do em mo­men­to de quó­rum me­nor no ple­ná­rio. Além dis­so, Be­zer­ra já ha­via ma­ni­fes­ta­do pre­o­cu­pa­ção do go­ver­no com a chan­ce de es­sa mu­dan­ça ser apro­va­da.

A pró­pria se­na­do­ra Eli­zi­a­ne Gama (CDD-MA), au­to­ra do des­ta­que, agra­de­ceu a Be­zer­ra pe­la vo­ta­ção do abo­no. “Eu gos­ta­ria aqui, se­na­dor Fer­nan­do Be­zer­ra, que é lí­der do go­ver­no, de agra­de­cer vos­sa ex­ce­lên­cia, in­clu­si­ve, pe­las con­ces­sões que deu em re­la­ção a não ter uma pres­são e a gen­te ter a ga­ran­tia do abo­no sa­la­ri­al.”

MAR­CE­LO CA­MAR­GO/AGÊN­CIA BRA­SIL

Ne­go­ci­a­ção. Al­co­lum­bre (E) con­ver­sa com Flá­vio Bol­so­na­ro e ou­tros par­la­men­ta­res pa­ra de­fi­nir ru­mo da vo­ta­ção no Se­na­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.