O ga­lã, aos 84, vol­ta à ce­na

Tar­cí­sio Meira vol­ta com ‘O Ca­ma­rei­ro’, pe­ça so­bre ator que de­sa­fia o po­der

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Ubi­ra­tan Bra­sil

Às vés­pe­ras de com­ple­tar 84 anos, Tar­cí­sio Meira faz no­va mon­ta­gem de O Ca­ma­rei­ro, des­ta vez ao la­do de Cas­sio Sca­pin. ‘Não apren­di a não fi­car ner­vo­so’, diz.

No li­mi­te de su­as for­ças, o ve­lho ator in­ter­pre­ta com dig­ni­da­de e ve­ros­si­mi­lhan­ça os dra­mas do Rei Le­ar, um dos mais com­ple­xos per­so­na­gens de Wil­li­am Sha­kes­pe­a­re. “Sua men­te já es­tá em­ba­ra­lha­da e ele se con­fun­de, as­su­min­do co­mo su­as al­gu­mas das fa­las de Le­ar, o que tor­na ain­da mais in­tri­gan­te sua fra­gi­li­da­de”, co­men­ta, com imen­so ca­ri­nho, Tar­cí­sio Meira que, a par­tir do dia 18, re­as­su­me o pa­pel da­que­le ho­mem, pro­ta­go­nis­ta da pe­ça O Ca­ma­rei­ro, que re­tor­na, ago­ra no Te­a­tro Fa­ap.

Em 2015, quan­do es­tre­ou a pri­mei­ra tem­po­ra­da, Tar­cí­sio ga­nhou o prê­mio Shell pe­la sua atu­a­ção. A hon­ra­ria o con­ven­ceu a re­to­mar o es­pe­tá­cu­lo, ago­ra co­mo pro­du­tor, de­pois de ad­qui­rir os di­rei­tos que per­ten­ci­am a Ki­ko Mas­ca­re­nhas, ator com quem di­vi­dia o pal­co. Aliás, o en­vol­vi­men­to da du­pla é es­sen­ci­al pa­ra o su­ces­so da pe­ça.

A tra­ma de O Ca­ma­rei­ro se con­cen­tra na re­la­ção de um ve­te­ra­no ator, iden­ti­fi­ca­do ape­nas co­mo Sir (Tar­cí­sio), com Norman (Cas­sio Sca­pin), seu obs­ti­na­do cri­a­do. A pe­ça co­me­ça quan­do a Eu­ro­pa vi­via um mo­men­to de­li­ca­do: du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra, mes­mo com Lon­dres sob ame­a­ça cons­tan­te de bom­bar­dei­os, uma com­pa­nhia de te­a­tro sha­kes­pe­a­ri­a­no in­sis­te em per­ma­ne­cer em car­taz, en­ce­nan­do uma vez mais a de­sa­fi­a­do­ra pe­ça Rei Le­ar.

Fal­ta uma ho­ra pa­ra as cor­ti­nas se abri­rem, mas Sir es­tá in­ter­na­do em um hos­pi­tal, à bei­ra de um co­lap­so ner­vo­so. Par­te da tru­pe de­fen­de o can­ce­la­men­to da apre­sen­ta­ção, mas Norman se­gue de­ter­mi­na­do a man­ter a en­ce­na­ção, cren­te que o ve­te­ra­no ator che­ga­rá em tem­po. “Sua vi­da es­tá fu­gin­do e Sir tem cons­ci­ên­cia dis­so”, co­men­ta Tar­cí­sio, que com­ple­ta 84 anos no sá­ba­do, 5, ida­de que o tor­na mais ín­ti­mo dos pro­ble­mas do per­so­na­gem. “É lin­do vê-lo en­fren­tar as di­fi­cul­da­des e con­fes­so que sin­to mui­ta pe­na de ele se es­que­cer dos tex­tos.”

O tí­tu­lo de Sir ca­be­ria bem a Tar­cí­sio Meira – um dos mai­o­res ga­lãs de sua ge­ra­ção, mar­cou épo­ca es­pe­ci­al­men­te na te­le­vi­são, mol­dan­do o per­fil do mo­ci­nho de fo­lhe­tim ao so­mar mais de 50 pa­péis en­tre te­le­no­ve­las, mi­nis­sé­ri­es e se­ri­a­dos, des­de 2-5499 Ocu­pa­do (1963), na Ex­cel­si­or, a pri­mei­ra no­ve­la diá­ria da te­le­vi­são bra­si­lei­ra, até a re­cen­te par­ti­ci­pa­ção em Or­gu­lho e Pai­xão (2018). Ele não pi­sa­va no pal­co des­de 1996, quan­do en­ce­nou E Con­ti­nua... Tu­do Bem ao la­do de Gló­ria Me­ne­zes, sua mu­lher des­de 1962.

“Mes­mo as­sim, não apren­di a não fi­car ner­vo­so, nem a per­der o fô­le­go”, brin­ca ele, cu­jo sor­ri­so tor­nou-se um sím­bo­lo da TV.

“Tar­cí­sio é um eter­no cu­ri­o­so, pes­qui­sa­dor. Ago­ra que co­nhe­ce bem o pa­pel, faz al­gu­mas ex­pe­ri­ên­ci­as a fim de se re­no­var”, co­men­ta Ulys­ses Cruz, que as­si­na a di­re­ção de O Ca­ma­rei­ro.

“É mui­to in­te­res­san­te acom­pa­nhar co­mo ele cons­trói o pa­pel, bus­can­do di­fe­ren­tes pos­tu­ras, dis­tin­tas in­fle­xões de voz.”

Es­cri­ta em 1980 pe­lo bri­tâ­ni­co Ro­nald Harwo­od, a pe­ça pe­de, de fa­to, um in­tér­pre­te so­le­ne – na ver­são pa­ra o ci­ne­ma, por exem­plo, di­ri­gi­da por Pe­ter Ya­tes em 1983, Sir foi vi­vi­do por Al­bert Fin­ney e, no te­le­fil­me exi­bi­do pe­la BBC em 2004, o pa­pel foi de­fen­di­do por Anthony Hop­kins. “Há um ca­va­lhei­ris­mo na­tu­ral nes­se per­so­na­gem, ca­paz de dar um co­lo­ri­do a fra­ses irô­ni­cas co­mo a di­ta por Sir, quan­do con­tra­ri­a­do pe­los ata­ques ale­mães”, lem­bra Cruz, re­ci­tan­do, em se­gui­da, a fa­la: “O se­nhor Hi­tler es­tá di­fi­cul­tan­do mui­to as com­pa­nhi­as sha­kes­pe­a­ri­a­nas”.

A che­ga­da de Cas­sio Sca­pin mu­dou o tom da mon­ta­gem, per­ce­be o di­re­tor. “Ape­sar de gran­de co­me­di­an­te, Ki­ko Mas­ca­re­nhas era mais dra­má­ti­co co­mo ca­ma­rei­ro, en­quan­to Cas­sio trans­for­mou Norman em um ho­mem mais bem-hu­mo­ra­do. Com is­so, mu­dou tam­bém a for­ma de re­la­ci­o­na­men­to en­tre o cri­a­do e o pa­trão, creio que fi­cou mais apai­xo­na­do.”

O dra­ma de Sir, aliás, ga­nhou no­vos con­tor­nos quan­do, no mo­men­to atu­al, a ar­te vi­ve sob sus­pei­ta. Quan­do o ator foge do hos­pi­tal e vol­ta pa­ra o te­a­tro, a si­tu­a­ção tor­na-se crí­ti­ca. Bom­bas ca­em nas re­don­de­zas, si­re­nes de pre­ven­ção a ata­ques aé­re­os ber­ram an­gus­ti­a­das e Sir, mais con­fu­so que nun­ca, du­vi­da, pe­la pri­mei­ra vez, se de­ve en­trar em ce­na. Norman, no en­tan­to, pas­sa a per­su­a­di-lo de que a ar­te de­ve se so­bres­sair, in­de­pen­den­te­men­te das in­tem­pé­ri­es. “É um exem­plo de re­sis­tên­cia”, diz Tar­cí­sio.

“Norman é fas­ci­nan­te por­que é um ar­tis­ta que en­con­trou seu lu­gar no te­a­tro”, co­men­ta Sca­pin. “E não é o de atu­ar, mas o de ser­vir. E, nes­sa fun­ção, ele exer­ce o pe­que­no po­der, re­ve­lan­do seu la­do hu­ma­no.”

“A von­ta­de do ve­lho ator e de seu ca­ma­rei­ro em en­ce­nar a pe­ça, mes­mo com as bom­bas, é exem­plo da for­ça da ar­te” Tar­cí­sio Meira ATOR

TI­A­GO QU­EI­ROZ / ES­TA­DÃO

PRIS­CI­LA PRADE

Lou­cu­ra. Tar­cí­sio Meira e Cas­sio Sca­pin: ator e ca­ma­rei­ro

TI­A­GO QU­EI­ROZ/ES­TA­DÃO

De­ta­lhes. O di­re­tor Ulys­ses Cruz res­sal­ta pes­qui­sa do ator

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.