Wil­li­am Wa­ack

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Co­mo fenô­me­no po­lí­ti­co e so­ci­al, a La­va Ja­to per­du­ra, mas co­lo­ca­da na ca­si­nha.

ALava Ja­to foi co­lo­ca­da na ca­si­nha, com co­lei­ra e tu­do. Per­du­ra co­mo fenô­me­no po­lí­ti­co e so­ci­al, mas o ím­pe­to, o al­can­ce e a abran­gên­cia fo­ram se­ve­ra­men­te li­mi­ta­dos. Não se tra­ta de aplau­dir ou de­tes­tar es­se fa­to. Ape­nas, re­co­nhe­cê-lo.

Os li­mi­tes são so­bre­tu­do po­lí­ti­cos, as­sim co­mo a atu­a­ção da La­va Ja­to foi, des­de sem­pre, uma atu­a­ção po­lí­ti­ca. O em­ba­te ju­rí­di­co e dou­tri­ná­rio so­bre a con­du­ta de juí­zes e pro­cu­ra­do­res – se co­me­te­ram cri­mes ao com­ba­ter cri­mes – é um im­por­tan­te ca­pí­tu­lo em si. Ocor­re que a com­ple­xi­da­de e o la­do “téc­ni­co” des­se re­le­van­te de­ba­te às ve­zes ofus­cam o prin­ci­pal.

O fun­da­men­to po­lí­ti­co da atu­a­ção da La­va Ja­to nas­ce de uma ideia: a de que a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra é hi­pos­su­fi­ci­en­te, is­to é, não con­se­gue se de­fen­der so­zi­nha dos abu­sos co­me­ti­dos con­tra ela por cor­rup­tos, mal­fei­to­res ou mes­mo agen­tes do Es­ta­do. Ela pre­ci­sa da pro­te­ção exer­ci­da por gen­te “de fo­ra”, pois o sis­te­ma po­lí­ti­co é in­trin­se­ca­men­te cor­rup­to, seus in­te­gran­tes têm es­cas­sa re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de e só pen­sam em seus in­te­res­ses pró­pri­os, ain­da que lí­ci­tos.

Es­sa nar­ra­ti­va des­cre­ven­do a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra já cir­cu­la­va há dé­ca­das, mas foi so­bre­tu­do a as­cen­são do PT ao po­der que deu a ela um ca­rá­ter evi­den­te e ob­je­ti­vo nos fa­tos da re­a­li­da­de. Ou­tros par­ti­dos cor­rup­tos já ha­vi­am ocu­pa­do po­si­ções de man­do e con­tro­le, mas foi a pre­ten­são he­gemô­ni­ca do lu­lo­pe­tis­mo que re­for­çou nos ex­po­en­tes da La­va Ja­to a con­vic­ção de que es­ta­vam di­an­te não só de cri­mes pon­tu­ais, mas, sim, da per­pe­tu­a­ção da po­dri­dão.

E o que é pi­or, na vi­são des­ses agen­tes de Es­ta­do: as for­ças no po­der, es­pe­ci­al­men­te as po­lí­ti­cas, ti­nham ins­tru­men­tos ines­go­tá­veis pa­ra se de­fen­der e man­ter seus pri­vi­lé­gi­os, es­pe­ci­al­men­te os ins­tru­men­tos ju­rí­di­cos e par­te de uma im­por­tan­te ins­ti­tui­ção, o STF. Jun­to de uma iné­di­ta cri­se econô­mi­ca e so­ci­al, a La­va Ja­to cres­ceu co­mo ex­pres­são de re­vol­ta e in­dig­na­ção di­ri­gi­das ao cen­tro das ins­ti­tui­ções da esfera po­lí­ti­ca que for­mam o sis­te­ma de de­ci­sões e o pró­prio go­ver­no.

Com­bi­na­dos, os vá­ri­os ele­men­tos (con­ver­sas hac­ke­a­das, en­tre­vis­tas, par­ti­ci­pa­ção em re­des so­ci­ais, li­vros de me­mó­ri­as) de que se dis­põe so­bre co­mo os ex­po­en­tes da La­va Ja­to ava­li­a­vam a pró­pria atu­a­ção dei­xam cla­ro que eles se jul­ga­vam par­ti­ci­pan­tes de uma lu­ta po­lí­ti­ca no seu sen­ti­do mais am­plo. E que se não des­truís­sem as fi­gu­ras de proa do ad­ver­sá­rio – Lu­la, por exem­plo – ape­nas dei­xa­ri­am aber­ta a pos­si­bi­li­da­de de que os opo­nen­tes se re­a­glu­ti­na­ri­am.

Is­to aca­bou acon­te­cen­do, mas não pe­las ra­zões que os pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to te­mi­am. O li­mi­te po­lí­ti­co im­pos­to à atu­a­ção de­les veio em pri­mei­ro lu­gar do fa­to do prin­ci­pal ob­je­ti­vo ter si­do al­can­ça­do: o PT foi ape­a­do do po­der. Em se­gun­do, pe­lo fa­to de for­ças po­lí­ti­cas que não são cor­rom­pi­das nem es­tão pre­ci­san­do es­ca­par de in­ves­ti­ga­ções te­rem se con­ven­ci­do de que não são os “de fo­ra” que vão to­mar con­ta das de­ci­sões das es­fe­ras po­lí­ti­cas. Es­sas for­ças es­tão em par­ti­dos (por­tan­to, no Le­gis­la­ti­vo), nas For­ças Ar­ma­das, no STF, no mun­do das eli­tes em­pre­sa­ri­ais, no Pa­lá­cio do Pla­nal­to, em cor­ren­tes nas re­des so­ci­ais, na aca­de­mia (es­pe­ci­al­men­te li­ga­da ao Di­rei­to), até mes­mo na fi­gu­ra do no­vo PGR.

Sig­ni­fi­ca que Lu­la e seus co­man­da­dos vão se be­ne­fi­ci­ar des­ses li­mi­tes po­lí­ti­cos à La­va Ja­to? Di­fi­cil­men­te. Co­mo ne­nhu­ma ou­tra ação, a La­va Ja­to es­can­ca­rou o rou­bo e seu im­pres­si­o­nan­te al­can­ce, re­ve­lou as en­tra­nhas do pa­tri­mo­ni­a­lis­mo, do ca­pi­ta­lis­mo de Es­ta­do à la bra­si­lei­ra, expôs o ci­nis­mo de seus di­ri­gen­tes nos se­to­res pú­bli­co e pri­va­do e, co­mo de­cla­rou o no­vo PGR, Au­gus­to Aras, as for­ma­li­da­des pro­ces­su­ais que fo­ram res­pei­ta­das ou não em jul­ga­men­tos “não po­dem subs­ti­tuir a ver­da­de dos fa­tos”.

É pos­sí­vel que o “ím­pe­to” pu­ni­ti­vo da La­va Ja­to se “ins­ti­tu­ci­o­na­li­ze” – um freio à atu­a­ção “po­lí­ti­ca”, pa­ra des­gos­to de au­toin­ti­tu­la­dos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os em vá­ri­as co­lo­ra­ções. Mas é ine­gá­vel que a ma­ré é ou­tra.

Co­mo fenô­me­no po­lí­ti­co e so­ci­al a La­va Ja­to per­du­ra, mas den­tro de no­vos li­mi­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.