Pe­ri­go no mer­ca­do glo­bal

O Estado de S. Paulo - - Notas e informaçõe­s -

Guer­ra co­mer­ci­al, ten­sões ge­o­po­lí­ti­cas e ris­co de no­va re­ces­são as­som­bram os mer­ca­dos mun­di­ais, tra­van­do o in­ter­câm­bio e pa­ra­li­san­do in­ves­ti­men­tos. Ruim pa­ra to­dos, o ce­ná­rio é es­pe­ci­al­men­te ame­a­ça­dor pa­ra o Bra­sil. En­quan­to o go­ver­no en­fren­ta um di­fí­cil ajus­te de su­as con­tas, ca­em as ven­das ao ex­te­ri­or. A Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC) re­al­çou a pi­o­ra do qua­dro glo­bal. Pe­las no­vas pro­je­ções, o vo­lu­me das tro­cas in­ter­na­ci­o­nais de mer­ca­do­ri­as de­ve au­men­tar 1,2% nes­te ano. As es­ti­ma­ti­vas de abril apon­ta­vam cres­ci­men­to de 2,6%. O avan­ço cal­cu­la­do pa­ra 2020 pas­sou de 3% pa­ra 2,7%. Mas os fa­tos po­de­rão ser pi­o­res que as pre­vi­sões, ad­ver­tem eco­no­mis­tas da OMC: se­gun­do eles, os nú­me­ros pro­je­ta­dos pa­ra o pró­xi­mo ano de­pen­dem de “um re­tor­no a re­la­ções de co­mér­cio mais nor­mais”.

Nes­te ano, o cres­ci­men­to do co­mér­cio per­deu vi­gor em to­do o mun­do, se­gun­do o do­cu­men­to di­vul­ga­do pe­la or­ga­ni­za­ção. As no­vas es­ti­ma­ti­vas são ba­se­a­das nes­sa ex­pe­ri­ên­cia e tam­bém nu­ma re­a­va­li­a­ção das con­di­ções da eco­no­mia glo­bal.

Ago­ra se cal­cu­la cres­ci­men­to mun­di­al de 2,3% nes­te ano e no pró­xi­mo. A pro­je­ção an­te­ri­or in­di­ca­va 2,6% pa­ra 2019 e 2020. As eco­no­mi­as de­sen­vol­vi­das de­vem cres­cer 1,7% nes­te ano e 1,4% no pró­xi­mo. Pa­ra os paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to (in­cluí­dos os emer­gen­tes) as ta­xas in­di­ca­das são 3,4% e 3,8%. Pa­ra a Amé­ri­ca do Sul, a Amé­ri­ca Cen­tral e o Ca­ri­be as pre­vi­sões são 0,1% e 2,4%. Pe­las pro­je­ções cor­ren­tes no País, o cres­ci­men­to bra­si­lei­ro fi­ca­rá en­tre 0,8% e 1% nes­te ano e per­to de 2% em 2020. A mé­dia sul-ame­ri­ca­na foi mui­to de­pri­mi­da pe­las con­di­ções da Venezuela, país ain­da con­de­na­do a se­ve­ra re­ces­são.

A Ásia con­ti­nu­a­rá pu­xan­do o co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal, com ex­por­ta­ções cres­cen­do 1,8% em 2019 e 3,8% no pró­xi­mo ano, de acor­do com a OMC. Pa­ra a Amé­ri­ca do Nor­te as es­ti­ma­ti­vas apon­tam 1,5% e 3,6%. O de­sem­pe­nho dos paí­ses su­la­me­ri­ca­nos, cen­tro-ame­ri­ca­nos e ca­ri­be­nhos de­ve ser bem mais mo­des­to, com o vo­lu­me ex­por­ta­do au­men­tan­do 1,3% e 0,7% nos anos con­si­de­ra­dos.

O Bra­sil vem per­den­do fô­le­go no co­mér­cio há al­guns anos. Ain­da man­tém, na con­ta de mer­ca­do­ri­as, su­pe­rá­vit su­fi­ci­en­te pa­ra ate­nu­ar os dé­fi­cits em ser­vi­ços e ren­das e man­ter ad­mi­nis­trá­vel o sal­do ne­ga­ti­vo nas tran­sa­ções cor­ren­tes.

Nes­te ano, as ex­por­ta­ções de mer­ca­do­ri­as pro­por­ci­o­na­ram ao País, en­tre ja­nei­ro e se­tem­bro, re­cei­ta de US$ 167,38 bi­lhões, 6% me­nor que a de um ano an­tes, pe­la mé­dia dos di­as úteis. O su­pe­rá­vit co­mer­ci­al fi­cou em US$ 33,79 bi­lhões. Es­te re­sul­ta­do foi 19% in­fe­ri­or ao con­ta­bi­li­za­do nos mes­mos no­ve me­ses de 2018.

Além de li­mi­tar o vo­lu­me ven­di­do, con­di­ções des­fa­vo­rá­veis no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal têm der­ru­ba­do pre­ços de al­guns pro­du­tos bá­si­cos.

Tam­bém é pre­ci­so le­var em con­ta que as ven­das de ma­nu­fa­tu­ra­dos, 8% me­no­res que as de ja­nei­ro a se­tem­bro de 2018, em va­lor, têm si­do afe­ta­das pe­la me­nor de­man­da re­sul­tan­te da re­ces­são ar­gen­ti­na. O mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Guedes, che­gou a ques­ti­o­nar a im­por­tân­cia da Ar­gen­ti­na pa­ra o cres­ci­men­to bra­si­lei­ro. Os efei­tos co­mer­ci­ais da cri­se no país vi­zi­nho, sen­sí­veis mui­to es­pe­ci­al­men­te na in­dús­tria au­to­mo­bi­lís­ti­ca, de­ve­ri­am ser su­fi­ci­en­tes pa­ra des­fa­zer es­sa dú­vi­da.

O su­pe­rá­vit na con­ta de mer­ca­do­ri­as tem si­do es­sen­ci­al pa­ra a se­gu­ran­ça ex­ter­na da eco­no­mia bra­si­lei­ra. O aper­to econô­mi­co e as con­di­ções de em­pre­go po­de­ri­am ser mui­to pi­o­res se o dé­fi­cit em tran­sa­ções cor­ren­tes fos­se me­nos ad­mi­nis­trá­vel, se os in­ves­ti­do­res ex­ter­nos fi­cas­sem as­sus­ta­dos e se o País per­des­se re­ser­vas cam­bi­ais, man­ti­das em tor­no de US$ 380 bi­lhões. Cri­ses cam­bi­ais são mui­to do­lo­ro­sas.

Há mo­ti­vos mui­to for­tes pa­ra olhar com pre­o­cu­pa­ção as más con­di­ções da eco­no­mia mun­di­al e do co­mér­cio ex­te­ri­or. Não es­tá cla­ro se o go­ver­no per­ce­be a im­por­tân­cia da se­gu­ran­ça econô­mi­ca ex­ter­na. A res­pos­ta pa­re­ce as­sus­ta­do­ra­men­te ne­ga­ti­va, quan­do o pre­si­den­te con­fron­ta gra­tui­ta­men­te a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, as­sus­ta in­ves­ti­do­res e cria atri­tos com im­por­ta­do­res de pro­du­tos bra­si­lei­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.