Vo­ta­ção aba­la re­la­ção en­tre go­ver­no e Se­na­do

O Estado de S. Paulo - - Política - AL­BER­TO BOMBIG TWIT­TER: @COLUNADOES­TADAO COLUNADOES­[email protected] POLITICA.ESTADAO.COM.BR/BLOGS/CO­LU­NA-DO-ESTADAO/

Da­vi Al­co­lum­bre e Pau­lo Guedes es­ti­ve­ram em con­ta­to per­ma­nen­te nos úl­ti­mos di­as. O pre­si­den­te do Se­na­do ten­tou aler­tar o go­ver­no de que a ar­ti­cu­la­ção pa­ra a vo­ta­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia clau­di­ca­va, mas la­vou as mãos quan­do viu que nin­guém do Exe­cu­ti­vo se me­xeu. Ca­da vez mais afei­to à agen­da cor­po­ra­ti­va, Al­co­lum­bre deu de om­bros: era pre­ci­so pas­sar o re­ca­do de in­sa­tis­fa­ção. Fer­nan­do Be­zer­ra diz que a com­pen­sa­ção no pac­to fe­de­ra­ti­vo das per­das na re­for­ma não é tro­co e, sim, acor­do. “Só fal­ta com­bi­nar com os se­na­do­res”, diz.

» Aper­ta­do. Além do des­con­for­to com as per­das da re­for­ma, Guedes fez con­tas ao des­mar­car agen­da com se­na­do­res. Uma de­las era com os seis do PP, que aca­ba­ram per­ma­ne­cen­do na Ca­sa. Em um dos des­ta­ques, o go­ver­no ven­ceu por ape­nas três vo­tos.

» Na pon­ta... Al­co­lum­bre cri­ti­cou a fal­ta de or­ga­ni­za­ção do go­ver­no, que não per­ce­beu que o quó­rum foi di­mi­nuin­do na vo­ta­ção que man­te­ve o abo­no sa­la­ri­al.

» ...do lá­pis. Um se­na­dor es­ta­va na Ca­sa, mas não no ple­ná­rio, ou­tro ti­nha saí­do pa­ra jan­tar. Um ter­cei­ro já ti­nha ido dor­mir.

» Ocu­pa… Co­mo fi­ca­ram vo­tan­do o tex­to-ba­se da Pre­vi­dên­cia ma­dru­ga­da aden­tro, se­na­do­res pe­di­ram pa­ra adi­ar a ses­são do Con­gres­so pau­ta­da pa­ra der­ru­bar os ve­tos de Bol­so­na­ro à le­gis­la­ção elei­to­ral.

» ...e re­sis­te. Pa­ra não cor­rer o ris­co de os par­la­men­ta­res acha­rem que não ha­ve­ria a reu­nião, Al­co­lum­bre foi sem al­mo­ço pa­ra o ple­ná­rio da Câ­ma­ra e es­pe­rou pou­co mais de uma ho­ra lá pe­lo iní­cio da ses­são.

» De vol­ta pra ca­sa. Ká­tia Abreu vo­tou a fa­vor da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. É o iní­cio de um mo­vi­men­to pa­ra a cen­tro-di­rei­ta. Ao se lan­çar vi­ce de Ci­ro Go­mes (PDT), a se­na­do­ra per­deu par­te do apoio dos ru­ra­lis­tas, mas aca­bou não sen­do acei­ta pe­la es­quer­da.

» Cha­ve do co­fre. Des­de o iní­cio do ano o Fun­do Na­ci­o­nal An­ti­dro­gas ar­re­ca­dou R$ 55 mi­lhões, va­lor su­pe­ri­or ao to­tal ar­re­ca­da­do no ano pas­sa­do. O Con­gres­so apro­vou es­ta se­ma­na me­di­da que fa­ci­li­ta a ven­da de bens apre­en­di­dos pa­ra in­flar o fun­do.

» Pól­vo­ra. Pe­lo no­vo de­cre­to so­bre ar­mas edi­ta­do por Bol­so­na­ro, o oi­ta­vo, clu­bes de ti­ro po­de­rão ven­der munições re­car­re­ga­das, que não são ras­treá­veis. “Em um con­tex­to de avan­ço das mi­lí­ci­as, as mu­dan­ças são pre­o­cu­pan­tes”, ava­lia Bru­no Lan­ge­a­ni, ge­ren­te do Ins­ti­tu­to Sou da Paz.

» A dis­tân­cia. O de­cre­to vol­ta a per­mi­tir a com­pra de ar­mas se­mi­au­to­má­ti­cas lon­gas, com mai­or al­can­ce. Ar­te­fa­to des­se ti­po foi usa­do pe­lo ati­ra­dor que ma­tou 59 pes­so­as em um show em Las Ve­gas, em 2017, es­con­di­do em quar­to de ho­tel. » Me­nos… Pe­dro Cu­nha Li­ma (PSDB-PB) quer mu­dar o re­gi­men­to da Câ­ma­ra pa­ra di­mi­nuir o tem­po des­per­di­ça­do com obs­tru­ções. Das 5 ho­ras e 22 mi­nu­tos de vo­ta­ção do pro­je­to que fle­xi­bi­li­zou re­gras elei­to­rais, só 47 mi­nu­tos fo­ram pa­ra vo­tar o pro­je­to em si.

» Des­per­dí­cio. “Ne­nhum país po­de ser com­pe­ti­ti­vo com re­gi­men­to im­pres­tá­vel co­mo es­se. A Câ­ma­ra se reú­ne du­as ve­zes por se­ma­na e não con­se­gue vo­tar qua­se na­da. Só nar­ra­ti­va po­lí­ti­ca”, ar­gu­men­ta Pe­dro. COM JU­LI­A­NA BRA­GA. CO­LA­BO­RA­RAM ELI­A­NE CAN­TA­NHÊ­DE E AN­DRÉ MA­RI­NHO.

JU­LI­A­NA BRA­GA/CO­LU­NA DO ES­TA­DÃO

» CLICK. Bru­no Co­vas se reu­niu com o de­pu­ta­do Gil­ber­to Nas­ci­men­to pa­ra ar­ti­cu­lar o apoio do PSC à sua re­e­lei­ção, no ga­bi­ne­te de Mar­cos Pe­rei­ra, pre­si­den­te do PRB.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.