Bol­so­na­ro pe­de pa­ra MPF ‘aler­tar’ go­ver­no de pro­ble­mas

O Estado de S. Paulo - - Política - Bre­no Pi­res / BRA­SÍ­LIA

O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro pe­diu on­tem a in­te­gran­tes do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral pa­ra que, se de­tec­ta­rem al­gu­ma ir­re­gu­la­ri­da­de, in­for­mem ao go­ver­no pa­ra que o pro­ble­ma pos­sa ser cor­ri­gi­do de for­ma que uma san­ção se­ja evi­ta­da. O ape­lo foi fei­to na ce­rimô­nia de pos­se do pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Au­gus­to Aras. “O ape­lo que eu fa­ço ape­nas a to­dos do MP: é im­por­tan­te in­ves­ti­gar, é im­por­tan­te fa­zer cum­prir a lei, mas, por mui­tas ve­zes, se nós es­ti­ver­mos num ca­mi­nho não mui­to cer­to, e mui­tas ve­zes es­ta­mos fa­zen­do aqui­lo bem in­ten­ci­o­na­dos, nos pro­cu­rem pa­ra que pos­sa­mos cor­ri­gir”, dis­se Bol­so­na­ro. “Cor­ri­gin­do é mui­to me­lhor do que uma pos­sí­vel san­ção lá na fren­te. So­mos hu­ma­nos, er­ra­mos”, com­ple­tou.

Dois pro­cu­ra­do­res ou­vi­dos pe­lo Es­ta­do en­ten­de­ram a pro­pos­ta de Bol­so­na­ro co­mo um con­vi­te ao diá­lo­go e di­zem não ver pro­ble­mas nis­so.

A ce­rimô­nia de pos­se do no­vo che­fe do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral foi mar­ca­da pe­la tro­ca de afa­gos en­tre ele e o pre­si­den­te que o in­di­cou. Aras foi es­co­lhi­do mes­mo es­tan­do fo­ra da lis­ta trí­pli­ce elei­ta pe­la ca­te­go­ria. Em seu dis­cur­so, Bol­so­na­ro dis­se que a re­la­ção en­tre os dois foi “amor à pri­mei­ra vis­ta”. O pro­cu­ra­dor-ge­ral foi na mes­ma li­nha de Bol­so­na­ro, ao de­fen­der um “Mi­nis­té­rio Pú­bli­co atu­an­te, mas res­pon­sá­vel”.

Aras tam­bém ci­tou o en­fren­ta­men­to à cor­rup­ção co­mo uma pri­o­ri­da­de, além de elo­gi­ar pro­cu­ra­do­res da Ope­ra­ção La­va Ja­to e o en­tão juiz fe­de­ral e atu­al mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Sér­gio Mo­ro – que não par­ti­ci­pou do pro­ces­so de in­di­ca­ção do no­vo PGR.

Di­ri­gin­do-se di­re­ta­men­te a Bol­so­na­ro, Aras dis­se que tem a mis­são de “fa­zer cum­prir, se­nhor pre­si­den­te, sua ex­pec­ta­ti­va de que es­ta PGR se­ja trans­for­ma­da no ór­gão que de­mons­trei a V.Exa. em nos­sos con­ta­tos”. Es­sa PGR se­ria, se­gun­do ele, “um or­ga­nis­mo ca­paz ser um dos me­lho­res ins­tru­men­tos de de­sen­vol­vi­men­to, ap­to a con­tri­buir pa­ra que a eco­no­mia e o com­ba­te à criminalid­ade em to­das as su­as di­men­sões se fa­ça pa­ra que o po­vo bra­si­lei­ro vi­va em paz e em har­mo­nia”.

Em en­tre­vis­ta ao Es­ta­do, an­te­on­tem, o no­vo pro­cu­ra­dor-ge­ral dis­se que “não pa­re­ce crí­vel” que o au­tor da fa­ca­da em Bol­so­na­ro te­nha agi­do so­zi­nho no aten­ta­do ou que a ação te­nha si­do um “sur­to”. A sus­pei­ta re­pro­duz o dis­cur­so do pró­prio pre­si­den­te so­bre o epi­só­dio.

Xa­drez. Na ce­rimô­nia, Bol­so­na­ro vol­tou a fa­zer uma com­pa­ra­ção en­tre a ges­tão do País e um jo­go de xa­drez. O pre­si­den­te dis­se que Au­gus­to Aras era a da­ma e ele pró­prio, Bol­so­na­ro, o rei. “Ro­dri­go Maia (pre­si­den­te da Câ­ma­ra) é uma tor­re, e a ou­tra tor­re é o (Da­vi) Al­co­lum­bre (pre­si­den­te do Se­na­do). Ca­va­lo, no bom sen­ti­do, é o Di­as Tof­fo­li (pre­si­den­te do Su­pre­mo). Meus mi­nis­tros são os peões”, acres­cen­tou Bol­so­na­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.