Cid cha­ma ali­a­do de Maia de ‘acha­ca­dor’

Du­ran­te de­ba­te so­bre di­vi­são de re­cur­sos pa­ra Es­ta­dos, se­na­dor diz que pre­si­den­te da Câ­ma­ra vi­rou ‘pre­sa’ de Arthur Li­ra, lí­der do PP

O Estado de S. Paulo - - Política - Da­ni­el We­ter­man / BRA­SÍ­LIA

Uma di­ver­gên­cia so­bre a di­vi­são dos re­cur­sos en­tre Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os ga­nhou con­tor­nos de cri­se en­tre Câ­ma­ra e Se­na­do, na noi­te de an­te­on­tem. O pri­mei­ro ata­que par­tiu do se­na­dor Cid Go­mes (PDT-CE), que acu­sou o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), de vi­rar “pre­sa” de um gru­po co­man­da­do por “um acha­ca­dor”. A ex­pres­são foi usa­da por Cid, em ple­ná­rio, pa­ra se re­fe­rir à atu­a­ção do lí­der do PP na Câ­ma­ra, Arthur Li­ra (AL), no de­ba­te da pro­pos­ta que de­fi­niu cri­té­ri­os pa­ra dis­tri­bui­ção do di­nhei­ro do me­ga­lei­lão de pe­tró­leo, mar­ca­do pa­ra no­vem­bro.

Os se­na­do­res ame­a­çam tra­var a vo­ta­ção em se­gun­do tur­no da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia di­an­te da in­sur­gên­cia da Câ­ma­ra, que ten­ta ga­ran­tir pa­ra os mu­ni­cí­pi­os uma fa­tia mai­or no bo­lo de re­cur­sos do me­ga­lei­lão e des­ti­nar o di­nhei­ro por meio de emen­das par­la­men­ta­res.

“O pre­si­den­te da Câ­ma­ra es­tá se trans­for­man­do nu­ma pre­sa de um gru­po de lí­de­res li­de­ra­do por aque­le que, po­dem es­cre­ver o que es­tou di­zen­do, é o pro­je­to do fu­tu­ro Edu­ar­do Cu­nha bra­si­lei­ro. Edu­ar­do Cu­nha ori­gi­nal es­tá pre­so, mas es­tá sol­to o lí­der do PP, que se cha­ma Arthur Li­ra, que é um acha­ca­dor, uma pes­soa que no seu dia a dia a sua prá­ti­ca é to­da vol­ta­da pa­ra a chan­ta­gem, pa­ra a cri­a­ção de di­fi­cul­da­des pa­ra en­con­trar pro­pos­tas de so­lu­ção”, afir­mou Cid ao mi­cro­fo­ne. Em 2015, ele dei­xou o car­go de mi­nis­tro da Edu­ca­ção do go­ver­no Dil­ma Rous­seff após cha­mar o en­tão pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Edu­ar­do Cu­nha (MDB-RJ), de “acha­ca­dor”, no ple­ná­rio da Ca­sa.

“Se­to­res da Câ­ma­ra, que têm à fren­te o de­pu­ta­do Arthur Li­ra, já pre­ci­fi­ca­ram o acha­que. O acha­que cus­ta 5% dos va­lo­res dos royal­ti­es. Eles es­tão querendo ti­rar 2,5% dos mu­ni­cí­pi­os, 2,5% dos Es­ta­dos e dar pa­ra o quar­to en­te fe­de­ra­ti­vo bra­si­lei­ro: tem a União, os Es­ta­dos, os mu­ni­cí­pi­os e ago­ra es­sa ban­ca­da de acha­ca­do­res da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos”, cri­ti­cou o se­na­dor, que é ex-go­ver­na­dor do Ce­a­rá.

A res­pos­ta dos de­pu­ta­dos veio na sequên­cia. No ple­ná­rio, Maia de­fen­deu Li­ra. “Es­tá ha­ven­do um pro­ble­ma gra­ve, que é o se­guin­te: o su­ces­so da Câ­ma­ra es­tá in­co­mo­dan­do mui­ta gen­te”, dis­se ele. “Nem go­ver­na­dor nem se­na­dor vai ame­a­çar a Câ­ma­ra, co­mo eu fui ame­a­ça­do no sá­ba­do à noi­te”, com­ple­tou Maia, nu­ma re­fe­rên­cia à pres­são que diz ter re­ce­bi­do pa­ra mu­dar os cri­té­ri­os de dis­tri­bui­ção dos re­cur­sos.

‘Dor de co­to­ve­lo’. Cha­ma­do de “acha­ca­dor” por Cid, o lí­der do PP afir­mou que vai pro­ces­sar o pe­de­tis­ta e de­fen­deu a prer­ro­ga­ti­va dos de­pu­ta­dos de al­te­rar os cri­té­ri­os definidos no Se­na­do. “O se­na­dor ape­que­na seu no­me e do seu Es­ta­do e ocu­pa a tri­bu­na le­vi­a­na­men­te, com dor de co­to­ve­lo, por­que a ma­nei­ra que ele pen­sou tal­vez não te­nha si­do acor­da­da”, afir­mou Li­ra. “Ele não vai ga­nhar luz em Bra­sí­lia nas mi­nhas cos­tas. Bra­sí­lia não é o quar­tel do Ce­a­rá que eles co­man­dam a mão de fer­ro há 20 anos.”

Nos úl­ti­mos me­ses, a Câ­ma­ra e o Se­na­do têm tra­va­do uma dis­pu­ta por pro­ta­go­nis­mo na dis­cus­são da agen­da econô­mi­ca. En­quan­to de­pu­ta­dos ain­da se de­bru­ça­vam so­bre a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, o pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-AP), che­gou a cri­ar uma sub­co­mis­são pa­ra co­me­çar a de­ba­ter a pro­pos­ta an­tes mes­mo de o tex­to che­gar à Ca­sa.

No ca­so da re­for­ma tri­bu­tá­ria a dis­pu­ta é mais evi­den­te. Pro­pos­tas dis­tin­tas es­tão sen­do dis­cu­ti­das si­mul­ta­ne­a­men­te na Câ­ma­ra e no Se­na­do. Ou­tro as­sun­to que cau­sou mal-es­tar en­tre de­pu­ta­dos e se­na­do­res foi o pro­je­to que pre­via be­nes­ses aos par­ti­dos, di­fi­cul­tan­do a fis­ca­li­za­ção do cai­xa 2 elei­to­ral. Após a Câ­ma­ra apro­var a pro­pos­ta, se­na­do­res re­jei­ta­ram qua­se to­das as me­di­das, que mais tar­de fo­ram re­to­ma­das em no­va vo­ta­ção pe­los de­pu­ta­dos.

Na oca­sião, o Se­na­do foi acu­sa­do pe­la Câ­ma­ra de ter “jo­ga­do pa­ra a pla­teia” di­an­te da pres­são das re­des so­ci­ais con­tra a pro­pos­ta. As mu­dan­ças que o Se­na­do vem fa­zen­do em pro­je­tos cos­tu­ra­dos pe­la Câ­ma­ra tam­bém le­va­ram de­pu­ta­dos a co­gi­tar a pos­si­bi­li­da­de de mu­dar o sis­te­ma do Le­gis­la­ti­vo, que ho­je é “bi­ca­me­ral”, pa­ra “uni­ca­me­ral”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.