Im­pas­se ga­nha tons de far­sa

Os di­as cin­zen­tos de 1992 não vol­ta­ram, mas há nu­vens pai­ran­do so­bre o fu­tu­ro do Pe­ru

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - TRA­DU­ÇÃO DE RO­BER­TO MUNIZ

Mar­tín Viz­car­ra es­tá em guer­ra com o Con­gres­so do Pe­ru des­de que se tor­nou pre­si­den­te, em mar­ço do ano pas­sa­do. No dia 30, a tu­mul­tu­a­da re­la­ção pas­sou a ter ca­rac­te­rís­ti­cas de far­sa. Viz­car­ra dis­sol­veu o Con­gres­so. Os par­la­men­ta­res re­a­gi­ram sus­pen­den­do Viz­car­ra e subs­ti­tuin­do-o pe­la vi­ce­pre­si­den­te, Mer­ce­des Aráoz. Ela ra­pi­da­men­te se es­qui­vou de as­su­mir, tal­vez com­pre­en­den­do que sua in­di­ca­ção era mais um ges­to de de­sa­fio que uma pro­pos­ta sé­ria. De qual­quer mo­do, o en­tre­ve­ro cons­ti­tu­ci­o­nal já ha­via cau­sa­do es­tra­gos.

Os pe­ru­a­nos se lem­bram da úl­ti­ma vez que o Con­gres­so foi fe­cha­do, em 1992. O pre­si­den­te era Al­ber­to Fu­ji­mo­ri. Seu “au­to­gol­pe” le­vou a oi­to anos de um re­gi­me au­to­ri­tá­rio e, com frequên­cia, bru­tal. Fu­ji­mo­ri cum­pre pe­na de 25 anos nu­ma pri­são por abu­sos de di­rei­tos hu­ma­nos, in­cluin­do o se­ques­tro de um jor­na­lis­ta em 1992.

Viz­car­ra não deu um gol­pe. Di­fe­ren­te­men­te de Fu­ji­mo­ri, ele não pôs tan­ques nas ru­as ou depôs o Su­pre­mo ou o mi­nis­tro da Jus­ti­ça. Tam­bém não pren­deu jor­na­lis­tas. E, mes­mo com o Con­gres­so in­do pa­ra ca­sa, uma “co­mis­são per­ma­nen­te” de 27 con­gres­sis­tas per­ma­ne­ce no pos­to pa­ra fis­ca­li­zar o pre­si­den­te. En­tre­tan­to, as jus­ti­fi­ca­ti­vas es­tão sen­do ques­ti­o­na­das por cons­ti­tu­ci­o­na­lis­tas. Tam­bém as ações do Con­gres­so são pos­tas em dú­vi­da.

O Con­gres­so tra­tou de eleger juí­zes pa­ra o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal. Viz­car­ra to­mou is­so co­mo mo­ção de des­con­fi­an­ça (a se­gun­da do Par­la­men­to), o que em te­o­ria per­mi­te ao pre­si­den­te dis­sol­ver o Con­gres­so. A in­ter­pre­ta­ção é dis­cu­tí­vel.

O con­fron­to é o si­nal mais re­cen­te de uma dis­fun­ção na clas­se po­lí­ti­ca, com­pro­me­ti­da com a cor­rup­ção e di­vi­di­da em fac­ções. Sua ori­gem re­mon­ta à elei­ção de 2016, quan­do Pe­dro Pa­blo Kuczyns­ki tor­nou-se pre­si­den­te. Ele der­ro­tou Kei­ko Fu­ji­mo­ri (fi­lha de Al­ber­to) por pe­que­na mar­gem, mas o par­ti­do For­ça Po­pu­lar, de Kei­ko, con­quis­tou mai­o­ria no Con­gres­so. Kei­ko pro­me­teu que sua pró­pria agen­da e seus ali­a­dos ten­ta­ram pa­ra­li­sar o go­ver­no de Kuczyns­ki. Uma se­gun­da ten­ta­ti­va de im­pe­a­ch­ment le­vou à re­nún­cia de PPK. Sur­gi­ram acu­sa­ções de cor­rup­ção tan­to con­tra Kuczyns­ki qu­an­to con­tra

Kei­ko. Ele es­tá em pri­são do­mi­ci­li­ar. Kei­ko tam­bém aguar­da jul­ga­men­to.

A ba­ta­lha en­tre Con­gres­so e pre­si­dên­cia não dá si­nais de ar­re­fe­cer. Viz­car­ra re­cor­reu a me­di­das drás­ti­cas pa­ra re­for­çar su­as pri­o­ri­da­des le­gis­la­ti­vas. Elas in­clu­em con­vo­car um re­fe­ren­do so­bre me­di­das an­ti­cor­rup­ção, com o qual o Con­gres­so con­cor­dou de má von­ta­de. Des­de en­tão, pre­si­den­te e Con­gres­so bri­gam a res­pei­to de tu­do. A co­mis­são de éti­ca do Par­la­men­to tem pro­te­gi­do de­pu­ta­dos acu­sa­dos de cor­rup­ção.

Em maio, o Con­gres­so se re­cu­sou a apro­var re­for­mas po­lí­ti­cas apoi­a­das por Viz­car­ra, in­cluin­do a cri­a­ção de um ór­gão in­de­pen­den­te pa­ra re­ver a imu­ni­da­de que pro­te­ge con­gres­sis­tas de pro­ces­sos. Em 26 de se­tem­bro, o Con­gres­so re­jei­tou uma pro­pos­ta de Viz­car­ra pa­ra pôr fim ao atu­al im­pas­se po­lí­ti­co con­vo­can­do elei­ções pa­ra abril – nas quais nem ele nem mem­bros do atu­al Con­gres­so po­de­rão se can­di­da­tar.

Um po­lí­ti­co mais há­bil que Viz­car­ra te­ria evi­ta­do a rup­tu­ra. Es­tá cla­ro, po­rém, que ele de­tém van­ta­gem no con­fron­to. Viz­car­ra che­fia as For­ças Ar­ma­das

e a po­lí­cia o apoia, as­sim co­mo as as­so­ci­a­ções que re­pre­sen­tam go­ver­na­do­res e pre­fei­tos. Seu ín­di­ce de apro­va­ção é de qua­se 50%. En­quan­to is­so, o Con­gres­so é odi­a­do. Se­gun­do pes­qui­sa­do jor­nal La Re­pú­bli­ca, 87% dos pe­ru­a­nos de­sa­pro­vam o Con­gres­so.

Al­guns de­pu­ta­dos de opo­si­ção ame­a­çam se tran­car no Con­gres­so. Mas Viz­car­ra, ten­do a po­lí­cia e as For­ças Ar­ma­das por trás, além do con­tro­le do di­nhei­ro, es­tá em po­si­ção de ven­cê-los pe­lo can­sa­ço. Nin­guém po­de pre­ver co­mo o im­pas­se vai ter­mi­nar. A OEA diz que o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal de­ve de­ci­dir so­bre a le­ga­li­da­de da dis­so­lu­ção. A cri­se vem aba­lan­do a con­fi­an­ça dos in­ves­ti­do­res e a eco­no­mia. Os di­as cin­zen­tos de 1992 não vol­ta­ram, mas há nu­vens pai­ran­do so­bre o fu­tu­ro. /

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.