Re­nún­cia de vi­ce fa­vo­re­ce pre­si­den­te e ate­nua cri­se

Mer­ce­des Aráoz dei­xou o car­go após a OEA re­co­men­dar que a Jus­ti­ça de­ci­da so­bre dis­so­lu­ção do Con­gres­so

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - / TRA­DU­ÇÃO DE RO­BER­TO MUNIZ

A vi­ce-pre­si­den­te do Pe­ru, Mer­ce­des Aráoz, re­nun­ci­ou um dia após pres­tar ju­ra­men­to no Con­gres­so co­mo pre­si­den­te in­te­ri­na, o que ali­vi­ou o im­pas­se cri­a­do com a de­ci­são do pre­si­den­te, Mar­tín Viz­car­ra, de dis­sol­ver o Par­la­men­to. Aráoz se de­cla­rou im­pos­si­bi­li­ta­da de exer­cer o car­go de in­te­ri­na após a Or­ga­ni­za­ção dos Es­ta­dos Ame­ri­ca­nos (OEA) ori­en­tar o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal ( Su­pre­ma Cor­te) do Pe­ru a de­ci­dir so­bre a le­ga­li­da­de da dis­so­lu­ção, se­gun­do pos­tou Aráoz, no Twit­ter, na noi­te de ter­ça-fei­ra.

Viz­car­ra dis­sol­veu, na se­gun­da-fei­ra, o Con­gres­so, con­tro­la­do pe­la opo­si­ção, e con­vo­cou uma elei­ção par­la­men­tar, na ten­ta­ti­va de pôr fim à paralisaçã­o po­lí­ti­ca cau­sa­da por ini­ci­a­ti­vas an­ti­cor­rup­ção to­ma­das pe­lo go­ver­no. Par­la­men­ta­res con­si­de­ra­ram a dis­so­lu­ção in­cons­ti­tu­ci­o­nal, votaram pe­la sus­pen­são de Viz­car­ra e de­ram pos­se a Aráoz. A re­nún­cia re­pre­sen­ta um du­ro gol­pe pa­ra a opo­si­ção e abre ca­mi­nho pa­ra que a Su­pre­ma Cor­te do Pe­ru re­sol­va a pi­or cri­se po­lí­ti­ca em dé­ca­das.

O Pe­ru, uma das eco­no­mi­as mais es­tá­veis da Amé­ri­ca La­ti­na, es­tá to­ma­do pe­la agi­ta­ção po­lí­ti­ca des­de a elei­ção de 2016, quan­do Pe­dro Pa­blo Kuczyns­ki foi elei­to, mas sua opo­nen­te, Kei­ko Fu­ji­mo­ri, ob­te­ve mai­o­ria no Con­gres­so. En­tão vi­ce-pre­si­den­te, Viz­car­ra to­mou pos­se há 18 me­ses, quan­do Kuczyns­ki re­nun­ci­ou ao car­go à vés­pe­ra de uma vo­ta­ção por seu im­pe­a­ch­ment.

Aráoz dis­se que es­ta­va re­nun­ci­an­do à vi­ce-pre­si­dên­cia por­que a or­dem cons­ti­tu­ci­o­nal ha­via si­do rom­pi­da. Ela dis­se tam­bém es­pe­rar que a de­ci­são per­mi­ta con­vo­car uma elei­ção ge­ral “pe­lo bem do país”.

O che­fe de ga­bi­ne­te de Viz­car­ra, Vi­cen­te Ze­bal­los, dis­se ao Ca­nal N que uma elei­ção ge­ral es­ta­va fo­ra de ques­tão, por­que uma vo­ta­ção já ha­via si­do con­vo­ca­da pa­ra 26 de ja­nei­ro.

Viz­car­ra en­trou em con­fli­to com o Con­gres­so após su­as pro­pos­tas não vin­ga­rem. Ele en­tão su­ge­riu a an­te­ci­pa­ção de elei­ções pre­si­den­ci­al e par­la­men­ta­res pa­ra 2020. Co­mo os par­la­men­ta­res tam­bém não apoi­a­ram es­sa ideia, Viz­car­ra pe­diu o cha­ma­do vo­to de con­fi­an­ça e re­sol­veu dis­sol­ver o Con­gres­so. Ele cha­mou sua de­ci­são de “so­lu­ção de­mo­crá­ti­ca” pa­ra en­cer­rar o im­pas­se po­lí­ti­co. O pre­si­den­te tam­bém se po­si­ci­o­nou con­tra uma elei­ção con­vo­ca­da pe­lo Par­la­men­to pa­ra juí­zes do Su­pre­ma Cor­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.