Não é sim­ples

O Estado de S. Paulo - - Economia - EVERARDO MA­CI­EL CON­SUL­TOR TRI­BU­TÁ­RIO, FOI SE­CRE­TÁ­RIO DA RE­CEI­TA FE­DE­RAL (1995-2002)

Ain­da que ti­mi­da­men­te, co­me­ça a ser des­ve­la­da a na­tu­re­za da PEC 45, au­to­de­sig­na­da re­for­ma tri­bu­tá­ria. Já se re­co­nhe­ce que os pe­que­nos e mé­di­os pres­ta­do­res de ser­vi­ço e a in­cor­po­ra­ção imo­bi­liá­ria te­rão au­men­to des­pro­por­ci­o­nal de car­ga tri­bu­tá­ria, sob a ale­ga­ção de que são sub­tri­bu­ta­dos (co­mo se exis­tis­se uma tri­bu­ta­ção “nor­mal”) e de que con­sul­tas mé­di­cas, men­sa­li­da­des es­co­la­res, pres­ta­ções da ca­sa pró­pria, alu­guéis, pas­sa­gens de ôni­bus, diá­ri­as de ho­téis, etc., são gas­tos “de ri­cos”, o que pa­ra a clas­se mé­dia po­de pa­re­cer ofen­si­vo. De igual mo­do, já se ad­mi­te que os mai­o­res be­ne­fi­ciá­ri­os da bru­tal re­dis­tri­bui­ção de car­ga de­cor­ren­te da PEC se­ri­am as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras, que pro­va­vel­men­te de­vem es­tar re­cla­man­do de seus mo­des­tos lu­cros.

Os pro­fis­si­o­nais autô­no­mos, os pro­du­to­res ru­rais, qua­li­fi­ca­dos co­mo pes­so­as fí­si­cas equi­pa­ra­das às ju­rí­di­cas, e os pe­que­nos e mé­di­os co­mer­ci­an­tes e in­dus­tri­ais ain­da não en­ten­de­ram cla­ra­men­te que es­tão no rol das ví­ti­mas po­ten­ci­ais. Su­as pe­que­nís­si­mas mar­gens se­ri­am tra­ga­das pe­la pro­pos­ta, o que in­vi­a­bi­li­za­ria seus ne­gó­ci­os, mes­mo sa­ben­do que são jus­ta­men­te ser­vi­ços e agro­ne­gó­cio a sus­ten­ta­ção dos raquí­ti­cos cres­ci­men­tos do PIB bra­si­lei­ro. Quan­do se aper­ce­be­rem da tragédia, é pou­co pro­vá­vel que fi­quem fe­li­zes.

Pu­de per­ce­ber que o prin­ci­pal elo­gio à pro­pos­ta se con­cen­tra na sua ín­do­le sim­pli­fi­ca­do­ra, por­que re­duz o nú­me­ro de tri­bu­tos. Se­ria is­so re­al­men­te uma sim­pli­fi­ca­ção?

O Sim­ples, ins­ti­tuí­do em 1996, era apu­ra­do pe­la sin­ge­la apli­ca­ção de uma alí­quo­ta so­bre uma ba­se de cál­cu­lo, subs­ti­tuin­do pra­ti­ca­men­te a ar­re­ca­da­ção de to­dos os tri­bu­tos fe­de­rais in­ci­den­tes so­bre mi­cro e pe­que­nas em­pre­sas. Com ele co­e­xis­ti­am har­mo­ni­ca­men­te sis­te­mas es­ta­du­ais sim­pli­fi­ca­dos (Sim­ples Cai­pi­ra, Sim­ples Can­dan­go, etc.). No bem-in­ten­ci­o­na­do pro­pó­si­to de tor­ná-los ain­da mais sim­ples, a Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal n.º 43, de 2003, pre­viu a ins­ti­tui­ção do Sim­ples Na­ci­o­nal, abran­gen­do to­das as en­ti­da­des fe­de­ra­ti­vas. Pa­ra­do­xal­men­te, o sis­te­ma se tor­nou com­ple­xo, a pon­to de a Lei Com­ple­men­tar n.º 123, de 2006, que im­ple­men­tou o Sim­ples Na­ci­o­nal, ad­mi­tir, em seu ar­ti­go 18, pa­rá­gra­fo 15, a in­dis­pen­sa­bi­li­da­de de um sis­te­ma ope­ra­ci­o­nal pa­ra pos­si­bi­li­tar a apu­ra­ção de um tri­bu­to pre­su­mi­da­men­te sim­ples. Era um pe­di­do de des­cul­pas do le­gis­la­dor.

Ho­je, o Sim­ples Na­ci­o­nal pre­ci­sa ser re­for­ma­do, an­tes que se tor­ne al­vo dos “sim­pli­fi­ca­do­res”.

Ima­gi­ne reu­nir num só tri­bu­to in­ci­dên­ci­as so­bre a re­cei­ta, co­mo PIS-Co­fins, e so­bre o con­su­mo, co­mo ICMS, IPI e ISS, com ad­mi­nis­tra­ção com­par­ti­lha­da por to­das as ad­mi­nis­tra­ções tri­bu­tá­ri­as dos en­tes fe­de­ra­ti­vos.

Co­mo é cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te ve­da­do con­ver­ter o País num Es­ta­do uni­tá­rio, se­ria ins­ti­tuí­da uma ci­cló­pi­ca ad­mi­nis­tra­ção tri­bu­tá­ria, com ares de um hi­po­pó­ta­mo trô­pe­go, sem fa­lar na ex­pan­são des­co­mu­nal da Jus­ti­ça Fe­de­ral, con­si­de­ran­do que o tri­bu­to se­ria in­cluí­do em sua ju­ris­di­ção.

PIS e Co­fins têm pra­ti­ca­men­te a mes­ma le­gis­la­ção. Fun­di-los im­pli­ca tão so­men­te abrir um con­ten­ci­o­so so­bre su­as res­pec­ti­vas des­ti­na­ções (Fun­do de Am­pa­ro ao Tra­ba­lha­dor e or­ça­men­to de se­gu­ri­da­de so­ci­al). Pa­ra o con­tri­buin­te, ne­nhu­ma van­ta­gem. É, por­tan­to, me­ro sim­plis­mo, e não sim­pli­fi­ca­ção.

Se a inclusão do IPI nes­se bo­lo se vol­ta pa­ra ex­tin­guir a Zo­na Fran­ca de

Prin­ci­pal elo­gio à PEC 45 es­tá na re­du­ção do nú­me­ro de tri­bu­tos. Mas se­ria is­so re­al­men­te sim­pli­fi­ca­ção?

Ma­naus, a do ISS e do ICMS é ofen­si­va ao pac­to fe­de­ra­ti­vo.

O au­men­to de car­ga tri­bu­tá­ria so­bre os op­tan­tes do lu­cro pre­su­mi­do, sob a égi­de da sim­pli­fi­ca­ção, é, pa­ra­do­xal­men­te, um pre­con­cei­to con­tra os re­gi­mes sim­pli­fi­ca­dos.

Se­gu­ra­men­te, ne­nhum dos mais de 850 mil con­tri­buin­tes op­tan­tes do lu­cro pre­su­mi­do, os in­cor­po­ra­do­res com re­gi­me do pa­trimô­nio de afe­ta­ção e os pro­du­to­res ru­rais equi­pa­ra­dos a pes­so­as ju­rí­di­cas, tem qual­quer quei­xa qu­an­to à com­ple­xi­da­de de seus res­pec­ti­vos mo­de­los de in­ci­dên­cia. Mas o que sa­bem eles so­bre tri­bu­tos, quan­do pes­so­as pre­ten­sa­men­te mais in­for­ma­das op­tam por tro­tar so­bre su­as pre­fe­rên­ci­as?

Não é de­mais lem­brar a li­ção do jor­na­lis­ta Henry Menc­ken (1880-1956): “To­do pro­ble­ma com­ple­xo tem uma so­lu­ção sim­ples, fá­cil e er­ra­da”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.