Bu­ro­cra­cia ti­ra União da ofer­ta de ações do BB

O Estado de S. Paulo - - Economia -

Uma com­bi­na­ção de pra­zo aper­ta­do e bu­ro­cra­ci­as in­ter­nas no Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES) dei­xou a União de fo­ra da ofer­ta sub­se­quen­te de ações (fol­low on) do Ban­co do Bra­sil. Jo­gou con­tra, so­bre­tu­do, a for­ma co­mo foi en­ca­mi­nha­do o pro­ces­so den­tro do ban­co de fo­men­to que te­ria atrapalhad­o o an­da­men­to da ope­ra­ção. Ha­via a ne­ces­si­da­de de que os trâ­mi­tes fos­sem rá­pi­dos em ra­zão da di­vul­ga­ção dos re­sul­ta­dos do BB, no mês que vem. Nem a cla­ra ori­en­ta­ção do go­ver­no Bol­so­na­ro pa­ra ven­der os pa­péis que ex­ce­di­am o con­tro­le nas mãos da União – o que mo­ti­vou a trans­fe­rên­cia des­sas ações pa­ra o BNDES – adi­an­tou. Com is­so, o fol­low on é es­pe­ra­do sem a fa­tia em ques­tão. » O que vem por aí? Sem as ações que fo­ram trans­fe­ri­das pa­ra o BNDES, a ofer­ta do BB se­rá re­du­zi­da em cer­ca de R$ 1 bi­lhão e po­de mo­vi­men­tar me­nos de R$ 6 bi­lhões, con­si­de­ran­do a co­ta­ção de fe­cha­men­to de on­tem, de R$ 43,42. O cál­cu­lo le­va em con­ta a par­ti­ci­pa­ção do ban­co de­ti­da pe­lo FI-FGTS, ad­mi­nis­tra­do pe­la Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral, e o li­mi­te pa­ra a ven­da de até 64 mi­lhões de ações man­ti­das na te­sou­ra­ria do BB.

» Quan­do? A pre­ci­fi­ca­ção da ofer­ta do BB de­ve acon­te­cer pos­si­vel­men­te na se­ma­na que vem. A ex­pec­ta­ti­va com o fol­low on de­ve pres­si­o­nar os pa­péis do BB pa­ra bai­xo. As ações do BB fe­cha­ram o pre­gão de on­tem com que­da de 3,40%. Pro­cu­ra­dos, BB, Cai­xa e BNDES não co­men­ta­ram

» Her­ma­nos. A Mi­ner­va Fo­ods es­tá na ex­pec­ta­ti­va das elei­ções pre­si­den­ci­ais na Ar­gen­ti­na e, es­pe­ci­al­men­te, seus des­do­bra­men­tos pa­ra dar sequên­cia à ofer­ta pú­bli­ca ini­ci­al de ações (IPO, na si­gla em in­glês) de sua sub­si­diá­ria no Chi­le, a Athe­na Fo­ods. A Ar­gen­ti­na re­pre­sen­ta 30% das ope­ra­ções da Athe­na. No fim de ju­lho, a com­pa­nhia re­ce­beu aval do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção pa­ra pros­se­guir com o IPO, cu­jo pro­ces­so foi in­ter­rom­pi­do em maio, de­pois de en­con­trar uma ava­li­a­ção de pre­ço pe­lo mer­ca­do aquém do que es­pe­ra­va. » No­vo en­tra­ve. A em­pre­sa tem até abril de 2020 pa­ra fa­zer a lis­ta­gem no mer­ca­do chi­le­no e es­pe­ra­va uti­li­zar a ja­ne­la de se­tem­bro pa­ra uma se­gun­da ten­ta­ti­va de le­var a uni­da­de pa­ra a bol­sa. No en­tan­to, a pro­fun­da cri­se econô­mi­ca na Ar­gen­ti­na, per­me­a­da pe­las elei­ções pre­si­den­ci­ais em 27 de ou­tu­bro, vol­ta­ram a atra­pa­lhar os pla­nos da Mi­ner­va. Pro­cu­ra­da, a Mi­ner­va não co­men­tou.

» Li­qui­da. A aqui­si­ção de um imó­vel do es­to­que de bens re­to­ma­dos pe­los ban­cos po­de ser um bom ne­gó­cio, uma vez que o des­con­to mé­dio nes­sas tran­sa­ções é de 34% pa­ra ca­sas e 30% pa­ra apar­ta­men­tos em re­la­ção aos va­lo­res pra­ti­ca­dos no mer­ca­do. Em um ter­ço dos ca­sos, a eco­no­mia che­ga a fi­car en­tre 40% e 50%. Em mé­dia, as ca­sas são ofer­ta­das por R$ 125,4 mil, en­quan­to os apar­ta­men­tos, por R$ 139,4 mil, con­for­me da­dos da pla­ta­for­ma de re­ven­da de imó­veis Re­sa­le. O ma­pe­a­men­to con­si­de­ra um uni­ver­so de 18,8 mil uni­da­des re­to­ma­das pe­la Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral e que es­ta­vam dis­po­ní­veis pa­ra co­mer­ci­a­li­za­ção no úl­ti­mo mês.

» Me­ga. Ao to­do, o es­to­que de imó­veis dos cin­co mai­o­res ban­cos do País – Cai­xa, Bra­des­co, Itaú Uni­ban­co, San­tan­der e Ban­co do Bra­sil – so­ma apro­xi­ma­da­men­te R$ 18 bi­lhões, se­gun­do a Re­sa­le.

» ‘Ta­mo jun­to’. Já na me­sa do pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), Di­as Tof­fo­li, a dis­pu­ta en­tre a Re­fi­na­ria de Man­gui­nhos, re­ba­ti­za­da de Re­fit, e o go­ver­no de São Pau­lo em tor­no do ICMS ga­nhou re­for­ço. O Sin­di­ca­to Va­re­jis­ta de Com­bus­tí­veis do Mu­ni­cí­pio do Rio de Ja­nei­ro (Sin­di­comb) aca­ba de in­gres­sar com um pe­di­do de “ami­cus cu­ri­ae”, ou se­ja, os do­nos dos pos­tos que­rem in­gres­sar na ação, pois têm in­te­res­se no jul­ga­men­to con­tra a re­fi­na­ria. En­quan­to is­so, um gru­po de 37 pos­tos pau­lis­tas de ban­dei­ra bran­ca fez o mes­mo mo­vi­men­to, mas do ou­tro la­do do rin­gue, em de­fe­sa da Re­fit. » Boa fon­te. A Ne­o­e­ner­gia de­ve de bus­car fi­nan­ci­a­men­to no Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES) e ban­cos de fo­men­to es­tran­gei­ros pa­ra a cons­tru­ção de dez par­ques eó­li­cos no Pi­auí e na Bahia. O in­ves­ti­men­to apro­va­do em se­tem­bro é de R$ 1,9 bi­lhão e ape­nas uma par­te vi­rá do cai­xa do gru­po. A com­pa­nhia não des­car­ta ir a mer­ca­do com uma no­va emis­são de de­bên­tu­res, no em­ba­lo do su­ces­so da mai­or de­bên­tu­re de in­fra­es­tru­tu­ra com se­lo “ver­de” já re­a­li­za­da no Bra­sil. A Ne­o­e­ner­gia le­van­tou R$ 1,3 bi­lhão com a ope­ra­ção em ju­nho. Pro­cu­ra­da, a Ne­o­e­ner­gia não co­men­tou.

COM CIRCE BONATELLI, MA­RI­A­NA DU­RÃO E CRISTIAN FA­VA­RO

ALI­NE BRONZATI - 7/1/2019

JF DIORIO/ES­TA­DÃO-7/9/2017

VI­VI ZANATTA/ES­TA­DÃO - 30/1/2007

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.