‘In­te­res­se de ri­vais pro­va po­ten­ci­al da Oi’

Pa­ra exe­cu­ti­vo, que po­de as­su­mir a pre­si­dên­cia da te­le no fim do ano, ope­ra­ção me­lho­rou e com­pa­nhia é viá­vel

O Estado de S. Paulo - - Economia | Negócios - Circe Bonatelli

A Oi ga­nhou no­vos ares es­ta se­ma­na com a pos­se do di­re­tor ope­ra­ci­o­nal, Ro­dri­go Abreu, ex-pre­si­den­te da TIM e da Cis­co. Abreu in­gres­sou no con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da ope­ra­do­ra no ano pas­sa­do e as­su­miu o co­mi­tê de in­ves­ti­men­tos. Re­de­se­nhou o pla­no es­tra­té­gi­co da te­le e se­lou a me­ta de in­ves­ti­men­tos de R$ 7 bi­lhões ao ano até 2022.

Em seu no­vo pos­to, te­rá pe­la fren­te o de­sa­fio de en­de­re­çar o atra­so em tec­no­lo­gia e aju­dar a equi­li­brar o cai­xa da em­pre­sa em re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al. Em meio a is­so, ain­da po­de se de­pa­rar com uma pro­pos­ta de com­pra por con­cor­ren­tes co­mo Te­lefô­ni­ca e TIM. “Is­so (ma­ni­fes­ta­ção de in­te­res­se de ou­tras ope­ra­do­ras) é um re­co­nhe­ci­men­to de que a Oi tem po­ten­ci­al imen­so”, dis­se Abreu ao Es­ta­dão/Bro­ad­cast.

Abreu dis­se que a Oi não pre­ci­sa ser ven­di­da e que não hou­ve or­dem do con­se­lho pa­ra que is­so ocor­ra, ain­da que ad­mi­ta que even­tu­ais pro­pos­tas te­rão de ser con­si­de­ra­das.

En­tre ana­lis­tas e in­ves­ti­do­res, Abreu já é vis­to co­mo o pre­si­den­te de fa­to da Oi, car­go que de­ve as­su­mir nos pró­xi­mos me­ses, se­gun­do fon­tes. Pa­ra evi­tar atro­pe­los nas atri­bui­ções, ele con­ce­deu a en­tre­vis­ta ao la­do do atu­al pre­si­den­te, Eu­ri­co Teles, res­pon­sá­vel por con­du­zir a ope­ra­do­ra na as­sem­bleia de cre­do­res de de­zem­bro de 2017, quan­do foi apro­va­do o pla­no de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al e a equa­li­za­ção de dí­vi­das de R$ 65 bi­lhões.

Leia, a se­guir, os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta.

• Qual a vi­são so­bre o mo­men­to atu­al da Oi?

Abreu: A Oi pas­sou por mui­tos mo­men­tos em que não te­ve equi­lí­brio. Mas ho­je há uma com­bi­na­ção de qu­a­tro ele­men­tos que per­mi­tem olhar pa­ra a em­pre­sa, que tem enor­me po­ten­ci­al. Du­ran­te al­gum tem­po, a es­tru­tu­ra fi­nan­cei­ra foi um dos ele­men­tos que apre­sen­ta­ram pro­ble­mas, o que le­vou à re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al, mas a fal­ta de sus­ten­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra não exis­te mais. Um se­gun­do ele­men­to ques­ti­o­na­do era a go­ver­nan­ça. De­pois da cons­tru­ção do no­vo con­se­lho, es­ta­mos em si­tu­a­ção de ab­so­lu­ta har­mo­nia. O ter­cei­ro ele­men­to era o de­se­qui­lí­brio da re­gu­la­men­ta­ção. Ti­ve­mos bo­as no­tí­ci­as, co­me­çan­do pe­lo au­men­to dos li­mi­tes de es­pec­tro que po­dem ser de­ti­dos por ca­da ope­ra­do­ra, o que abre es­pa­ço pa­ra um mer­ca­do mais di­nâ­mi­co. Is­so tu­do (as no­vas re­gu­la­men­ta­ções do se­tor) per­mi­ti­rá no­vos in­ves­ti­men­tos. O úl­ti­mo ele­men­to era a ope­ra­ção, que me­lho­rou e aju­dou a man­ter a com­pa­nhia viá­vel.

• Co­mo vo­cês pre­ten­dem equi­li­brar o cai­xa e in­ves­tir?

Abreu: No pla­no es­tra­té­gi­co já ti­nha a pre­vi­são de que, du­ran­te al­gum tem­po, os in­ves­ti­men­tos se­ri­am mai­o­res do que os re­sul­ta­dos. A si­tu­a­ção de cai­xa não é no­vi­da­de. Le­va al­gum tem­po pa­ra que os in­ves­ti­men­tos ge­rem re­sul­ta­dos. Mas o pla­no con­ta com vá­ri­as ma­nei­ras pa­ra equi­li­brar o cai­xa, co­me­çan­do pe­la ven­da de ati­vos.

• Até quan­do vai o fô­le­go do cai­xa da Oi sem a ven­da de ati­vos? Abreu: Não há o que se fa­lar so­bre uma com­pa­nhia sem a ven­da de ati­vos. Faz par­te do pla­no. Há ati­vos não es­sen­ci­ais já lis­ta­dos no pla­no pa­ra ven­da. Um de­les é a Uni­tel (ope­ra­do­ra an­go­la­na em que a Oi tem 25% das ações). Ela va­le cer­ca de US$ 1 bi­lhão. Há ain­da tor­res, da­ta cen­ters, em­pre­sas de fi­bra, ati­vos imo­bi­liá­ri­os... Com a apro­va­ção do no­vo mar­co re­gu­la­tó­rio, há chan­ce mai­or de ven­da de ati­vos imo­bi­liá­ri­os.

• Em que pé es­tá a ne­go­ci­a­ção pa­ra a ven­da da Uni­tel?

Abreu: Man­te­mos a con­fi­an­ça de cum­pri­men­to do pro­ces­so de ven­da até o fim des­se ano.

• E com as ven­das de imó­veis, qu­an­to po­dem ar­re­ca­dar? Eu­ri­co Teles: São qua­se R$ 1 bi­lhão em imó­veis. Tal­vez a Oi te­nha a mai­or car­tei­ra imo­bi­liá­ria do País, da­da a ca­pi­la­ri­da­de. Ven­de­mos há pou­co um pré­dio na Rua Ge­ne­ral Po­li­do­ro, em Bo­ta­fo­go (zo­na sul do Rio), por R$ 120 mi­lhões. A pri­mei­ra pro­pos­ta que che­gou foi de R$ 90 mi­lhões. Não es­ta­mos de­ses­pe­ra­dos por cai­xa.

• Quais as ou­tras op­ções em aná­li­se pa­ra fi­nan­ci­ar a Oi? Teles: O pró­prio pla­no pre­vê vá­ri­as for­mas de ca­pi­ta­li­za­ção (emis­são de ações, con­tra­ta­ção de dí­vi­da com ou sem ga­ran­tia e fi­nan­ci­a­men­to pa­ra a pro­du­ção). Al­gu­mas são mais rá­pi­das, ou­tras de­mo­ram mais pa­ra se­rem es­tru­tu­ra­das. A re­co­men­da­ção do con­se­lho é que se olhem to­das as op­ções. Es­ta­mos tra­ba­lhan­do nes­se pro­ces­so. Po­de ser con­cluí­do ain­da nes­te ano.

• Qual o gran­de ati­vo e por que há in­te­res­se de ou­tras ope­ra­do­ras na Oi, co­mo o ma­ni­fes­ta­do nos bas­ti­do­res por Te­lefô­ni­ca e TIM, en­tre ou­tras?

Teles: A Oi tem uma in­fra­es­tru­tu­ra de fi­bra fun­da­men­tal pa­ra qual­quer ope­ra­ção de te­le­co­mu­ni­ca­ções no País. Me ar­ris­co a di­zer que não exis­te fu­tu­ro no 5G nem em ban­da lar­ga de al­ta ve­lo­ci­da­de sem a Oi. Se­ja pa­ra a nos­sa pró­pria atu­a­ção, se­ja pa­ra pro­ver e sus­ten­tar a atu­a­ção das ou­tras ope­ra­do­ras. A Oi tem vo­ca­ção na­tu­ral pa­ra in­fra­es­tru­tu­ra, é a úni­ca que che­ga a mais de 5 mil mu­ni­cí­pi­os e tem qua­se 2.300 mu­ni­cí­pi­os com fi­bra.

• O con­se­lho quer ven­der a Oi? Teles: O con­se­lho não ma­ni­fes­tou es­se de­se­jo pa­ra a gen­te (di­re­ção).

Abreu: Pa­ra co­me­çar, is­so (ma­ni­fes­ta­ção de in­te­res­se de ou­tras ope­ra­do­ras) é um re­co­nhe­ci­men­to de que a Oi tem po­ten­ci­al imen­so, se­ja no to­do ou em vá­ri­os com­po­nen­tes. O pla­no abriu um ca­mi­nho sus­ten­tá­vel, com op­ções pa­ra se ge­rar va­lor. Nos­so ca­mi­nho po­de ser de­fi­ni­do por um pla­no que não de­pen­de de nin­guém. Não exis­te de­se­jo do con­se­lho de ven­der a Oi, mas o de­ver fi­du­ciá­rio de olhar qual se­ria a me­lhor si­tu­a­ção da com­pa­nhia.

• A Oi vai par­ti­ci­par do lei­lão de 5G pre­vis­to pa­ra 2020?

Abreu: Faz par­te do pla­no par­ti­ci­par dos leilões.

• É ce­do pa­ra fa­lar em fim da re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al?

Teles: Não há da­ta le­gal. A saí­da vai ser a da­ta da sus­ten­ta­bi­li­da­de. A mis­são é dei­xar a com­pa­nhia sus­ten­tá­vel.

EVELSON DE FREI­TAS/ES­TA­DÃO–10/10/2013

Di­nhei­ro no­vo. Abreu diz que ven­da da ope­ra­do­ra an­go­la­na Uni­tel po­de sair ain­da em 2019

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.