An­ti­ga ‘fe­bre’, fo­od trucks per­dem es­pa­ço em São Pau­lo

To­tal de per­mis­sões pa­ra es­se ti­po de ne­gó­cio caiu 40% en­tre 2014 e 2018; so­bre­vi­ven­tes re­for­çam mar­cas com even­tos

O Estado de S. Paulo - - Economia - Bár­ba­ra Ste­fa­nel­li ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO

Fe­bre ini­ci­a­da em São Pau­lo há cer­ca de cin­co anos, os fo­od trucks vi­ve­ram anos de re­tum­ban­te su­ces­so, mas ho­je es­tão em fa­se de de­ca­dên­cia. Es­se mer­ca­do é for­ma­do por ca­mi­nhões adap­ta­dos pa­ra ven­der de ham­búr­gue­res a pra­tos ita­li­a­nos. O au­ge do se­tor, po­rém, fi­cou pa­ra trás.

É ca­da vez me­nor o nú­me­ro de TPUs (Ter­mo de Per­mis­são de Uso) emi­ti­dos pe­la Pre­fei­tu­ra. Em 2014, fo­ram li­be­ra­das 153 li­cen­ças pa­ra fun­ci­o­na­men­to de fo­od trucks nas ru­as. Em 2018, fo­ram 89 pe­di­dos – uma que­da de 41%. Em si­tes co­mo Mer­ca­do Li­vre e OLX, ca­mi­nhões usa­dos es­tão à ven­da por cer­ca R$ 30 mil, en­quan­to um no­vo cus­ta em tor­no de R$ 200 mil.

Alex Ca­pu­to, do EATi­ne­ran­te, cri­a­do em 2013, vi­veu os anos de ou­ro dos fo­od trucks na ca­pi­tal pau­lis­ta. Che­gou a ter três ca­mi­nhões e a ven­der cer­ca de 2,5 mil ham­búr­gue­res em um fim de se­ma­na. “Te­ve um fe­ri­a­do pro­lon­ga­do em que a gen­te fa­tu­rou por vol­ta de R$ 40 mil – R$ 11 mil em uma só noi­te”, lem­bra Ca­pu­to, que de­sis­tiu da co­zi­nha iti­ne­ran­te, mas se­gue no ra­mo gas­tronô­mi­co.

“An­tes de re­gu­la­men­ta­rem a lei (da co­mi­da de rua, de 2013), o que a gen­te pe­diu era mo­bi­li­da­de, co­mo é em No­va York. Aqui is­so não acon­te­ceu. As per­mis­sões de São Pau­lo são fi­xas. É qua­se co­mo abrir uma lo­ja, só que sem a in­fra­es­tru­tu­ra fí­si­ca”, co­men­ta.

Pa­ra Ca­pu­to, pe­sa­ram con­tra o mo­de­lo de ne­gó­cio os al­tos in­ves­ti­men­tos, que obri­ga­vam os em­pre­en­de­do­res a co­brar ca­ro por co­mi­da de rua. As­sim, pas­sa­da a ex­ci­ta­ção ini­ci­al, o pú­bli­co foi per­ce­ben­do que “não ha­via gla­mour em co­mer em­bai­xo do sol, sen­ta­do em ban­qui­nho”. E as pes­so­as aca­ba­ram vol­tan­do pa­ra os res­tau­ran­tes.

Se­gun­do a con­sul­to­ra do Sebrae-SP Ju­li­a­na de Magalhães Ber­bert, a em­pol­ga­ção com os fo­od trucks tam­bém jo­gou con­tra o ne­gó­cio, pois le­vou às ru­as mui­tos em­pre­en­di­men­tos que não fi­ze­ram pla­ne­ja­men­to e su­bes­ti­ma­ram os cus­tos ope­ra­ci­o­nais. “Ocor­reu uma ‘gour­me­ti­za­ção’ ge­ne­ra­li­za­da. A pro­pos­ta de co­mi­da fá­cil, ba­ra­ta e aces­sí­vel se viu de­tur­pa­da.”

Gus­ta­vo Lo­bo Geig­ner foi ou­tro em­pre­en­de­dor que dei­xou o se­tor. Ele já ti­nha um res­tau­ran­te de co­mi­da kosher quan­do com­prou sua co­zi­nha mó­vel, a Bull­truck, com a qual fi­cou por qu­a­tro anos. “Quan­do o pú­bli­co dos even­tos caiu e os or­ga­ni­za­do­res co­me­ça­ram a co­brar ta­xas abu­si­vas, per­ce­bi que era a ho­ra de ven­der.”

Se pa­ra mui­tos o mo­de­lo não deu cer­to, al­guns se­guem na es­tra­da e sem pre­vi­são de pa­ra­da. É o ca­so do Bu­zi­na, que co­me­çou a fun­ci­o­nar em 2013 e ho­je tem até um res­tau­ran­te em São Pau­lo. Um dos dois trucks da mar­ca ro­da de se­gun­da a sá­ba­do – o ou­tro é re­ser­va­do pa­ra even­tos.

“Tra­ba­lha­mos com um mix de pon­tos. Um de­les é com TPU e há ou­tros pon­tos de es­ta­ci­o­na­men­to pri­va­do com aces­so pú­bli­co. Além dis­so, fa­ze­mos even­tos e fes­tas de ani­ver­sá­rio e de­li­very”, con­ta Jor­ge Gon­za­lez, só­cio do Bu­zi­na ao la­do de Már­cio Sil­va. Se­gun­do eles, um ca­mi­nhão no­vo e equi­pa­do do Bu­zi­na cus­ta R$ 145 mil.

Pa­ra Gon­za­lez, o su­ces­so da mar­ca es­tá na com­bi­na­ção de aten­di­men­to, am­bi­en­te – com me­sas na cal­ça­da e mú­si­ca – e boa co­mi­da. “Não é só o ham­búr­guer que faz a pes­soa vol­tar. Ele é só um pe­da­ci­nho des­sa equa­ção”, pon­de­ra Gon­za­lez. “Mui­tos cli­en­tes vi­ra­ram ami­gos do Bu­zi­na. Acho que as pes­so­as não de­ram im­por­tân­cia a is­so. Mui­ta gen­te olhou o truck ape­nas co­mo um ne­gó­cio.”

“Os chefs de­vem in­ves­tir no mar­ke­ting di­gi­tal, co­nhe­cer o per­fil dos cli­en­tes e di­vul­gar seu iti­ne­rá­rio.” Ju­li­a­na Ber­bert

CON­SUL­TO­RA DO SEBRAE

FE­LI­PE RAU/ES­TA­DÃO

So­bre­vi­ven­te. Már­cio Sil­va (E) e Jor­ge Gon­za­lez, do Bu­zi­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.