Po­lí­ti­ca am­bi­en­tal po­de ter im­pac­to co­mer­ci­al

Se­mi­ná­rio pro­mo­vi­do pe­lo ‘Es­ta­do’ evi­den­cia pre­o­cu­pa­ção com a ima­gem do País no que diz res­pei­to ao de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel

O Estado de S. Paulo - - Economia -

A po­lí­ti­ca am­bi­en­tal pas­sou a ser in­dis­so­ciá­vel da po­lí­ti­ca co­mer­ci­al e a re­tó­ri­ca ofi­ci­al do go­ver­no bra­si­lei­ro es­tá na con­tra­mão dos com­pro­mis­sos de de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel as­si­na­dos pe­lo País nos úl­ti­mos anos. A ava­li­a­ção é do em­bai­xa­dor Ru­bens Bar­bo­sa, pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to de Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais e Co­mér­cio Ex­te­ri­or (Iri­ce), e foi fei­ta no se­mi­ná­rio Agro­ne­gó­cio e Di­plo­ma­cia Am­bi­en­tal, on­tem em São Pau­lo (SP).

En­tre os com­pro­mis­sos que po­dem ser ques­ti­o­na­dos es­tá, se­gun­do Bar­bo­sa, o acor­do de li­vre-co­mér­cio en­tre Mer­co­sul e União Eu­ro­peia. “Dos 21 ca­pí­tu­los do acor­do, um fa­la es­pe­ci­fi­ca­men­te so­bre de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel e tem 17 ar­ti­gos. O acor­do pre­ci­sa ser ra­ti­fi­ca­do e o mo­men­to é de­li­ca­do pa­ra as re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais”, dis­se o em­bai­xa­dor du­ran­te o even­to, pro­mo­vi­do pe­lo Es­ta­do em par­ce­ria com o Cen­tro de In­te­gra­ção Em­pre­sa Es­co­la (CIEE) e a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra do Agro­ne­gó­cio (Abag).

Ex-em­bai­xa­dor em Washing­ton e em Lon­dres, Bar­bo­sa re­a­fir­mou que o dis­cur­so do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro na As­sem­bleia-Ge­ral da ONU, na se­ma­na pas­sa­da, di­fi­cul­ta­rá as ne­go­ci­a­ções co­mer­ci­ais pau­ta­das em ques­tões am­bi­en­tais. “A atu­al per­cep­ção ex­ter­na so­bre o Bra­sil só tem pre­ce­den­tes nas dé­ca­das de 70, 80, nos go­ver­nos mi­li­ta­res, quan­do a ima­gem em re­la­ção às ques­tões am­bi­en­tais e di­rei­tos hu­ma­nos foi mui­to afe­ta­da.”

Co­mo o acor­do Mer­co­sul-UE é de in­te­res­se do se­tor pri­va­do, em es­pe­ci­al do agro­ne­gó­cio, Bar­bo­sa con­si­de­ra que é ho­ra de ins­ti­tui­ções e com­pa­nhi­as co­me­ça­rem a agir. Ele ci­tou o exem­plo da Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as do Es­ta­do de São Pau­lo, que reu­niu 50 mul­ti­na­ci­o­nais com ope­ra­ções no Bra­sil e en­ca­mi­nhou um do­cu­men­to so­bre ações de de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel a ser en­vi­a­do pa­ra as ma­tri­zes no mun­do.

Pe­ri­go. O pre­si­den­te da Abag, Mar­cel­lo Bri­to, ava­li­ou que a al­ta do des­ma­ta­men­to no País, com a pers­pec­ti­va de que a área su­pri­mi­da de flo­res­tas su­pe­re 10 mil quilô­me­tros qua­dra­dos em 2019, é mui­to ruim no atu­al mo­men­to de dis­cus­são so­bre mu­dan­ças climáticas. “O País não po­de per­mi­tir que um nú­me­ro de dois dí­gi­tos de des­ma­ta­men­to se­ja en­tre­gue, al­go que não ocor­re des­de 2004 ou 2005.” Ele ain­da ra­ti­fi­cou a ne­ces­si­da­de de acor­dos co­mer­ci­ais pau­ta­dos em de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel. / GUS­TA­VO POR­TO

“O País não po­de per­mi­tir um nú­me­ro de dois dí­gi­tos (de des­ma­ta­men­to) em 2019, al­go que não ocor­re des­de 2004 ou 2005.”

Mar­cel­lo Bri­to

PRE­SI­DEN­TE DA ABAG

TABA BENEDICTO/ES­TA­DÃO

Fo­co. Pa­ra Bar­bo­sa (D em pé), po­si­ção do go­ver­no põe em ris­co acor­do UE-Mer­co­sul

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.