Emi­ci­da no Rock in Rio

Rap­per se en­con­tra com a du­pla Ibeyi ho­je no Pal­co Sun­set

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Gui­lher­me So­bo­ta EN­VI­A­DO ES­PE­CI­AL / RIO

O pri­mei­ro en­con­tro de Emi­ci­da e Ibeyi acon­te­ceu por Sky­pe: com o ar­ran­jo de um ami­go em co­mum, os três mú­si­cos en­tra­ram em con­ta­to pa­ra uma par­ce­ria de uma mú­si­ca, que já vi­ra­ram du­as, e ago­ra so­bem jun­tos ao Pal­co Sun­set do Rock in Rio 2019, nes­ta quin­ta-fei­ra, 3.

Es­te é o pri­mei­ro dia do se­gun­do fi­nal de se­ma­na do fes­ti­val – a pri­mei­ra par­te não te­ve gran­des sur­pre­sas, sem re­gis­tro de acon­te­ci­men­tos pro­ble­má­ti­cos e com al­gu­mas per­for­man­ces que de­vem fi­car gra­va­das na me­mó­ria do even­to.

O pró­prio Emi­ci­da – que vol­ta ao Rock in Rio dois anos de­pois de uma par­ti­ci­pa­ção no show do can­tor de R&B Mi­guel, em 2017 – apon­ta que o Sun­set tem se tor­na­do um pon­to de en­con­tros fun­da­men­tais na his­tó­ria do fes­ti­val.

“Não é pa­ra com­pa­rar com o mains­tre­am do Pal­co Mun­do, mas a mú­si­ca é fei­ta de en­con­tros. Põe o Dja­van e o Ste­vie Won­der na mes­ma fai­xa pa­ra ver o que acon­te­ce”, afir­mou.

No pri­mei­ro fim de se­ma­na, Iza con­sa­grou seu sta­tus de no­va es­tre­la do pop na­ci­o­nal num show mui­to bem pro­du­zi­do em que cha­mou Al­ci­o­ne ao pal­co. Emi­ci­da já não pre­ci­sa pro­var na­da pa­ra nin­guém – e um no­vo ál­bum vem aí ain­da nes­te se­mes­tre –, mas es­sa é a sua pri­mei­ra vez no fes­ti­val com seu no­me na fren­te do car­taz.

“A gen­te foi mui­to in­flu­en­ci­a­do por en­con­tros gran­di­o­sos que acon­te­ce­ram na mú­si­ca, e são eles que fa­zem a gen­te en­ten­der que a mú­si­ca é de fa­to uma lin­gua­gem uni­ver­sal, pa­ra além do cli­chê. Ela trans­cen­de os idi­o­mas. Qu­an­to a gen­te che­gar lá na quin­ta-fei­ra, a mai­o­ria não fa­la in­glês. Mas quan­do elas (as Ibeyi) co­me­ça­rem a can­tar, o co­ra­ção vai es­tar pul­san­do jun­to com o de­las e to­do mun­do se trans­for­ma em um só. É uma coi­sa que a po­lí­ti­ca ti­nha que fa­zer e mui­tas ve­zes não acon­te­ce. A re­li­gião tam­bém, às ve­zes é se­ques­tra­da pe­lo ódio. A mú­si­ca faz is­so es­pon­ta­ne­a­men­te”, diz o rap­per pau­lis­ta­no.

O can­tor le­va ao pal­co du­as ar­tis­tas jo­vens – Li­sa-Kain­dé Di­az e Na­o­mi Di­az – com uma car­rei­ra já re­co­nhe­ci­da internacio­nalmente

pe­lo seu ti­po de world mu­sic car­re­ga­do pa­ra o in­die, mas sem­pre com re­ve­rên­cia às su­as raí­zes an­ces­trais, ou­tro pon­to de con­ta­to fun­da­men­tal pa­ra os três ar­tis­tas.

“Quan­do to­ca­mos no Cir­co Vo­a­dor (em 2016), aque­le foi um dos nos­sos me­lho­res shows da vi­da to­da, por­que fi­nal­men­te en­ten­de­mos que de fa­to ha­via uma co­ne­xão mais pro­fun­da (com o Bra­sil)”, diz Li­za.

Os três per­ma­ne­cem no pal­co o tem­po to­do – for­ma­to que tam­bém vem fun­ci­o­nan­do no fes­ti­val – e o se­tlist al­ter­na mú­si­ca de um (Ho­je é Ce­do, Ama­rE­lo), com mú­si­cas de­las e, cla­ro, as mú­si­cas dos dois (Ha­cia El Amor e Li­bre, uma ce­le­bra­ção funk da li­ber­da­de).

“Es­se io­ru­bá an­ti­go, uma re­la­ção pro­fun­da de Bra­sil e Cu­ba, aca­ba por co­nec­tar a gen­te, é um vín­cu­lo di­re­to que te­mos com nos­sos an­ces­trais que trou­xe­ram es­sa re­a­li­da­de pa­ra os paí­ses ame­ri­ca­nos”, ex­pli­ca Emi­ci­da. “Quan­do nos jun­ta­mos no es­tú­dio pa­ra fa­zer uma mú­si­ca, ten­ta­mos dar se­gui­men­to à gran­di­o­si­da­de des­sa his­tó­ria.”

O rap­per é co­nhe­ci­do por apro­xi­mar ou­tros rit­mos, do rock ao sam­ba, pa­ra o uni­ver­so do hip hop, e o tra­ba­lho com Ibeyi se en­cai­xa bem nes­sa sua pro­cu­ra. “Sou um cu­ri­o­so. Na mú­si­ca de­las, sin­to que elas se co­nec­tam mui­to com o ho­je, é uma mú­si­ca ur­ba­na con­tem­po­râ­nea, mas sem que is­so se­ja um li­mi­ta­dor. É um pon­to de par­ti­da.” Pa­ra ele, o es­tú­dio en­tão se trans­for­ma num am­bi­en­te de pes­qui­sa, par­tin­do de mú­si­cas bra­si­lei­ras, afri­ca­nas e ame­ri­ca­nas pa­ra se co­nec­tar ao rap.

“Es­sas ja­ne­las de opor­tu­ni­da­de fi­cam sem­pre aber­tas e, no meu ca­so, a li­nha de ra­ci­o­cí­nio é a mú­si­ca rap. Sin­to que pa­ra elas tam­bém exis­te al­go mui­to se­me­lhan­te”, afir­ma.

Li­za, mais co­mu­ni­ca­ti­va do que a ir­mã, con­cor­da. “Sem li­mi­tes pa­ra nós”, diz Li­za. “Te­mos es­sa co­ne­xão, e tam­bém te­mos o amor pe­la mú­si­ca do pas­sa­do e pe­la mú­si­ca do fu­tu­ro, Emi­ci­da tam­bém. Acho que é por is­so que nos en­ten­de­mos tão bem”, co­men­ta.

A can­to­ra e pro­du­to­ra ex­pli­ca que, nos pri­mei­ros con­ta­tos, eles ain­da não se en­ten­di­am per­fei­ta­men­te (“es­sa é mi­nha es­co­la de in­glês”, diz Emi­ci­da, em in­glês), mas que, com o tem­po, to­dos apren­de­ram os idi­o­mas em co­mum (além do in­glês, elas fa­lam com fluên­cia fran­cês e es­pa­nhol, e mú­si­cas do seu re­per­tó­rio usam tam­bém a lín­gua io­ru­bá). “Quan­do fal­ta uma pa­la­vra, pro­cu­ra­mos nas ou­tras lín­guas”, diz Emi­ci­da. “Ou, quan­do não nos en­ten­de­mos, ape­nas ri­mos”, diz Na­o­mi – que diz gos­tar tan­to da mú­si­ca tra­di­ci­o­nal afri­ca­na qu­an­to dos rap­pers hi­per­con­tem­po­râ­ne­os de Car­di B.

Du­ran­te o en­saio, é pos­sí­vel ter um co­ro­lá­rio das mú­si­cas já lan­ça­das pe­lo trio e per­ce­ber que o ta­len­to vo­cal da du­pla com­bi­na bem com o flow úni­co de Emi­ci­da. “Na mi­nha ca­be­ça, es­se se­rá um show que lem­bra­re­mos pa­ra sem­pre. Es­tar no Bra­sil, com Emi­ci­da, to­can­do pa­ra tan­ta gen­te. Mais do que po­lí­ti­ca, o que qu­e­re­mos é dar a elas o sen­ti­men­to de que eles têm o po­der, por­que is­so é a ver­da­de. Quan­do to­dos can­ta­mos jun­tos, não é pos­sí­vel ‘des­ver’ is­so.”

ALEX RI­BEI­RO/ES­TA­DÃO

Da pe­sa­da. Na­o­mi Díaz (à esq.), Emi­ci­da e Li­sa-Kain­dé jun­tam idei­as e su­pe­ram até a bar­rei­ra pa­ra fa­zer uma mú­si­ca uni­ver­sal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.