Pe­ça ins­pi­rou dois fil­mes e se ba­se­ou em per­so­na­gem re­al

Lon­gas fo­ram in­ter­pre­ta­dos por ato­res com só­li­da car­rei­ra te­a­tral, co­mo Anthony Hop­kins e Ian McKel­len

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - / U.B.

Ro­nald Harwo­od ga­nhou no­to­ri­e­da­de mun­di­al quan­do sua pe­ça The Dres­ser (1980) foi adap­ta­da pa­ra o ci­ne­ma em 1983, com di­re­ção de Pe­ter Ya­tes – com Al­bert Fin­ney co­mo o ve­lho ator cha­ma­do de Sir e o fi­el ca­ma­rei­ro vi­vi­do por Tom Cour­te­nay, o lon­ga re­ce­beu cin­co in­di­ca­ções pa­ra o Os­car, mas não fa­tu­rou ne­nhum. Na ver­da­de, ele só ga­nha­ria uma es­ta­tu­e­ta pe­lo ro­tei­ro adap­ta­do de O Pi­a­nis­ta, lon­ga di­ri­gi­do por Ro­man Po­lans­ki em 2002.

O en­re­do de O Fi­el Ca­ma­rei­ro, co­mo o fil­me se cha­ma no Bra­sil, é ba­se­a­do em ex­pe­ri­ên­ci­as pes­so­ais de Harwo­od, que foi, de fa­to, aju­dan­te de um ator e em­pre­sá­rio in­glês, Do­nald Wol­fit, mo­de­lo pa­ra o per­so­na­gem Sir. Tan­to a pe­ça co­mo su­as ver­sões fil­ma­das re­for­çam a de­di­ca­ção des­me­di­da de Norman pe­lo ve­lho ator.

“No fi­nal de uma tu­mul­tu­a­da car­rei­ra, Sir per­ce­be que não tem ami­gos, foi um ti­ra­no; as pes­so­as ten­ta­ram amá-lo, mas na­da fun­ci­o­nou”, co­men­tou Anthony Hop­kins, que in­ter­pre­tou es­se per­so­na­gem no te­le­fil­me ro­da­do pe­la BBC em 2004 – Ian McKel­len vi­veu o ca­ma­rei­ro. “En­tão, ele es­ta­be­le­ce que, um dia, en­con­tra­rá seu apo­geu. Em meio ao co­lap­so, ele é con­du­zi­do ao pal­co e ali ocor­re o mo­men­to di­vi­no, e Sir com­pre­en­de: ‘Eu che­guei lá. Che­guei lá’.”

Com uma só­li­da tra­di­ção no te­a­tro in­glês, Hop­kins en­ten­de com per­fei­ção a se­ri­e­da­de com que se tra­ba­lham os tex­tos de Sha­kes­pe­a­re na In­gla­ter­ra. Rei Le­ar, por exem­plo, que ocu­pa um mo­men­to cru­ci­al de O Ca­ma­rei­ro, foi in­ter­pre­ta­do por Hop­kins pre­co­ce­men­te, nos anos 1980, co­mo ele mes­mo re­co­nhe­ceu, quan­do ha­bi­tu­al­men­te é um dos úl­ti­mos pa­péis vi­vi­dos por um ator.

“So­men­te ago­ra te­nho cons­ci­ên­cia dis­so”, re­co­nhe­ceu ele, em en­tre­vis­ta ao Los An­ge­les Ti­mes em 2016. “Eu era jo­vem de­mais pa­ra o pa­pel, mes­mo as­sim quis ten­tar. Se­ja pe­la fal­ta de pa­ci­ên­cia, na mi­nha vi­da pes­so­al, por­que quais­quer que se­jam as nos­sas con­vic­ções, nós so­mos acei­tos e ama­dos por aqui­lo que so­mos e não por aqui­lo que po­de­ría­mos ser. Não po­de­mos ser tu­do. So­mos o que so­mos, com nos­sos de­fei­tos, pe­ca­dos e vir­tu­des. Tam­bém co­me­te­mos er­ros e, por fim, vo­cê pen­sa: bom, é is­so aí. Fiz o me­lhor que pu­de. É dis­so que ele se dá con­ta no fim.”

O cu­ri­o­so é que a tra­ma é am­bi­en­ta­da na Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, épo­ca em que o ator que ins­pi­rou Sir, Do­nald Wol­fit, não era um ho­mem de ida­de, com pro­ble­mas fí­si­cos e de me­mó­ria, mas um se­nhor pró­xi­mo dos 40 anos e no me­lhor de sua saú­de.

JOSS BARRATT

Na BBC. Ian McKel­len e Anthony Hop­kins

CO­LUM­BIA PICTURES

Pri­mei­ra ver­são. Al­bert Fin­ney vi­veu Sir

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.