Fo­ra dos pal­cos, a Na­ve se tor­na es­pa­ço pa­ra re­fle­xão

Ins­ta­la­ção mul­ti­mí­dia mon­ta­da no ve­ló­dro­mo no Par­que Olím­pi­co sur­pre­en­de e cai no gos­to do pú­bli­co

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - G.S.

Uma das prin­ci­pais no­vi­da­des do Rock in Rio 2019 foi a Na­ve, ins­ta­la­ção mul­ti­mí­dia e imer­si­va de­sen­vol­vi­da pe­lo ator e di­re­tor Mar­cel­lo Dan­tas. A obra agra­dou ao pú­bli­co e à crí­ti­ca no pri­mei­ro fim de se­ma­na do fes­ti­val. Ação da mar­ca de cos­mé­ti­cos Na­tu­ra, a ex­pe­ri­ên­cia ex­tra­po­lou seu ca­rá­ter co­mer­ci­al pa­ra con­so­li­dar um es­pa­ço in­te­res­san­te de re­fle­xão no meio da lou­cu­ra do fes­ti­val.

A obra foi pen­sa­da pa­ra e mon­ta­da no ve­ló­dro­mo do Par­que Olím­pi­co, com 5 mil me­tros qua­dra­dos de pro­je­ções, além de ce­no­gra­fia fí­si­ca e vir­tu­al, efei­tos vi­su­ais, so­no­ros e ol­fa­ti­vos. Sons e ima­gens da na­tu­re­za são pro­je­ta­dos so­bre o pú­bli­co, que en­tra den­tro do es­pa­ço (uma ar­qui­ban­ca­da tam­bém com­por­ta 3 mil pes­so­as, que ve­em a exi­bi­ção de ci­ma). Pe­dras gi­gan­tes ins­ta­la­das so­bre o pi­so pro­po­si­ta­da­men­te aci­den­ta­do co­me­çam a flu­tu­ar em al­gum mo­men­to, e ao fi­nal, uma mú­si­ca iné­di­ta é exe­cu­ta­da pe­los apa­re­lhos de som su­per­po­ten­tes.

Rit­mo da Al­ma foi com­pos­ta por Zé Ri­car­do, cu­ra­dor do pal­co Sun­set do Rock in Rio, e a gra­va­ção tem ar­tis­tas li­ga­dos à his­tó­ria do fes­ti­val, co­mo El­za So­a­res, Do­na One­te, Johnny Ho­o­ker, Ma­ria Ri­ta, Gaby Ama­ran­tos, Xê­nia Fran­ça e Iza.

O di­re­tor Dan­tas diz que a ideia sur­giu do fes­ti­val e da mar­ca pa­ra bus­car al­go que dis­ses­se res­pei­to ao tem­po pre­sen­te. Co­mo o Rock in Rio, ain­da nas pa­la­vras de­le, é um es­pa­ço plu­ral com bas­tan­te gen­te mui­to di­fe­ren­te, o in­tui­to era bus­car uma agen­da po­si­ti­va e co­mum: ele foi en­tão bus­car res­pos­tas na na­tu­re­za – e na mú­si­ca.

“A mai­or par­te das pes­so­as, sem sa­ber, vi­ve nu­ma an­si­e­da­de mui­to gran­de. Vi­ver ho­je é es­tar vi­ven­do fo­ra do seu tem­po, no pas­sa­do ou no fu­tu­ro, fo­ra do pre­sen­te. Exis­te uma ten­dên­cia de achar que se es­tá em ou­tro lu­gar, com ou­tras pes­so­as, trans­mi­ti­da pe­lo ce­lu­lar. Is­so me ba­teu co­mo um si­nal do nos­so tem­po: é uma as­sin­cro­nia. Qu­e­ría­mos cri­ar uma ex­pe­ri­ên­cia que lem­brem que as pes­so­as po­dem es­tar con­si­go mes­mas”, ex­pli­ca Mar­cel­lo Dan­tas, por te­le­fo­ne.

A es­ca­la gran­de da obra tam­bém foi pen­sa­da pa­ra que o es­pec­ta­dor se sen­tis­se co­mo par­te de al­go mai­or – bem co­mo a “sus­pen­são da gra­vi­da­de”, im­pres­são cau­sa­da quan­do as pe­dras flu­tu­am du­ran­te a exi­bi­ção. “Se­ria o ato que pa­ra­ria o mun­do.”

Os as­so­bi­os pre­sen­tes na can­ção tam­bém jo­gam no mes­mo sen­ti­do, cri­an­do uma lin­gua­gem co­mum. Dan­tas co­men­ta tam­bém que a obra foi pen­sa­da num con­tex­to so­ci­o­po­lí­ti­co an­te­ri­or, em que as quei­ma­das na Amazô­nia e as re­a­ções dos go­ver­nos, por exem­plo, ain­da não es­ta­vam ocu­pan­do as man­che­tes glo­bais.

“Com o pas­sar do tem­po, a re­a­li­da­de se im­põe, e a ima­gem bu­có­li­ca da Amazô­nia (pre­sen­te na obra) se tor­nou uma ima­gem ex­tre­ma­men­te po­lí­ti­ca. O que pa­re­cia al­go ape­nas idí­li­co se trans­for­ma de fa­to em al­go que faz com que te­nha­mos nos po­si­ci­o­nar”, ex­pli­ca.

Pa­ra ele, a be­le­za é que is­so se tor­na um jo­go “lin­da­men­te di­nâ­mi­co”. “É o Zeit­geist. A Na­ve foi fei­ta com uma in­ten­ção, mas re­ve­la ou­tras.”

Dan­tas ex­pli­ca que as pro­je­ções enor­mes são ren­de­ri­za­das em 16k, em oi­to ve­zes me­lhor de­fi­ni­ção do que o HD co­mum. São ar­qui­vos na ca­sa dos te­raby­tes, que le­vam de seis a oi­to ho­ras pa­ra se­rem trans­fe­ri­dos en­tre má­qui­nas.

Há pla­nos de le­var a obra pa­ra ou­tros es­pa­ços? “Es­sa ideia po­de ter vá­ri­as en­car­na­ções, mas es­se pro­je­to é mui­to es­pe­cí­fi­co pa­ra o es­pa­ço. Exis­te ali um trá­fe­go de 100 mil pes­so­as, e o in­ves­ti­men­to é ca­ro de­mais. Mas se­ja lá com que en­car­na­ção téc­ni­ca ela sur­gir, a ideia é atem­po­ral.” /

‘A mai­or par­te das pes­so­as, sem sa­ber, vi­ve nu­ma an­si­e­da­de mui­to gran­de. Vi­ver ho­je é es­tar vi­ven­do fo­ra do seu tem­po...’ Mar­cel­lo Dan­tas ATOR E DI­RE­TOR

VERISSIMO

A co­lu­nis­ta es­tá em fé­ri­as e vol­ta em no­vem­bro

WILTON JU­NI­OR/ES­TA­DÃO

Oá­sis. Mon­ta­da em um es­pa­ço de 5 mil me­tros qua­dra­dos, a Na­ve per­mi­te ao pú­bli­co se des­li­gar da ‘lou­cu­ra’ do fes­ti­val

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.