Pla­nal­to quer di­vi­dir re­cur­sos do pré-sal com o Con­gres­so

Pa­ra o go­ver­no, di­vi­são dos re­cur­sos en­tre Es­ta­dos, mu­ni­cí­pi­os e par­la­men­ta­res des­tra­va­ria re­for­ma da Pre­vi­dên­cia

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Adri­a­na Fer­nan­des / BRA­SÍ­LIA

Além de Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os, o go­ver­no quer di­vi­dir re­cur­sos do me­ga­lei­lão de pe­tró­leo do pré-sal tam­bém com de­pu­ta­dos e se­na­do­res por meio do au­men­to de ver­bas pa­ra emen­das par­la­men­ta­res. Com a no­va pro­pos­ta, o Pla­nal­to es­pe­ra aca­bar com a dis­pu­ta, que en­vol­ve in­te­res­ses po­lí­ti­cos re­gi­o­nais e na­ci­o­nais – de go­ver­na­do­res do Nor­des­te e Sul-Su­des­te e pre­fei­tos –, e des­tra­var a vo­ta­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia em se­gun­do tur­no, ame­a­ça­da pe­lo em­ba­te po­lí­ti­co en­tre Câ­ma­ra e Se­na­do em tor­no da par­ti­lha do di­nhei­ro do pré-sal. Pe­la pro­pos­ta do go­ver­no, Es­ta­dos, mu­ni­cí­pi­os e par­la­men­ta­res (por meio das emen­das) fi­ca­ri­am com R$ 7,3 bi­lhões ca­da dos R$ 106,5 bi­lhões que se­rão ar­re­ca­da­dos com o lei­lão, mar­ca­do pa­ra 6 de no­vem­bro. O acor­do ini­ci­al pre­via cer­ca de R$ 11 bi­lhões pa­ra Es­ta­dos e o mes­mo va­lor pa­ra mu­ni­cí­pi­os. O res­tan­te iria pa­ra União, Pe­tro­brás e Rio.

Pa­ra aca­bar com a “gu­er­ra” aber­ta en­tre o Se­na­do e a Câ­ma­ra que ame­a­ça de­si­dra­tar ain­da mais a eco­no­mia da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, o go­ver­no propôs a di­vi­são do di­nhei­ro do me­ga­lei­lão de pe­tró­leo da área do pré-sal tam­bém com se­na­do­res e de­pu­ta­dos por meio do au­men­to de re­cur­sos pa­ra emen­das par­la­men­ta­res. A in­for­ma­ção, po­rém, não foi bem re­ce­bi­da pe­la Cú­pu­la do Con­gres­so.

A dis­pu­ta pe­la par­ti­lha do di­nhei­ro do pré-sal co­lo­cou em la­dos opos­tos os pre­si­den­tes do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-AP), e da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), e abriu uma cri­se tam­bém com go­ver­na­do­res e pre­fei­tos. Pró­xi­mos, Maia e Al­co­lum­bre bri­ga­ram an­tes e de­pois do acor­do fe­cha­do, na se­ma­na pas­sa­da, que abriu ca­mi­nho pa­ra o lei­lão, mas dei­xou pa­ra de­pois a de­fi­ni­ção so­bre a for­ma de di­vi­são dos re­cur­sos en­tre pre­fei­tos e go­ver­na­do­res.

Ca­ci­ques da Câ­ma­ra, en­tre eles os lí­de­res do PP, Arthur Li­ra (AL), e do DEM, El­mar Nas­ci­men­to (BA), co­man­da­ram nos bas­ti­do­res um mo­vi­men­to pa­ra di­mi­nuir a par­ce­la de 15% acer­ta­da pa­ra Es­ta­dos e su­bir de 15% pa­ra 20% o di­nhei­ro des­ti­na­do aos pre­fei­tos. Co­mo an­te­ci­pou o Es­ta­do, a in­ten­ção era tam­bém di­mi­nuir a par­te da União.

Em re­ta­li­a­ção, os se­na­do­res, prin­ci­pal­men­te da ban­ca­da do Nor­te e do Nor­des­te, or­ga­ni­za­dos em tor­no dos go­ver­na­do­res, im­pu­se­ram uma per­da de R$ 73,4 bi­lhões na eco­no­mia da re­for­ma na vo­ta­ção em pri­mei­ro tur­no no Se­na­do.

Ame­a­ça. Os se­na­do­res tam­bém ame­a­ça­ram não vo­tar a re­for­ma em se­gun­do tur­no até que o acor­do ini­ci­al fos­se res­pei­ta­do. Já os de­pu­ta­dos re­sis­tem a dar re­cur­sos aos go­ver­na­do­res, so­bre­tu­do do Nor­des­te, que não apoi­a­ram a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Nos bas­ti­do­res, eles re­cla­mam da atu­a­ção dos se­na­do­res Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-RN) e Edu­ar­do Bra­ga (MDB-AM).

Os dois la­dos fi­ze­ram acu­sa­ções mú­tu­as de des­cum­prir o acor­do, que in­cluía a vo­ta­ção da Pre­vi­dên­cia e a par­ti­lha igual en­tre Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. Com o im­pas­se, o go­ver­no bus­ca o acor­do pa­ra não per­der mais com a Pre­vi­dên­cia.

Além de par­ti­lhar o bô­nus que se­rá pa­go pe­las em­pre­sas ven­ce­do­ras, o go­ver­no ain­da pro­põe di­vi­dir os re­cur­sos ar­re­ca­da­dos nos pró­xi­mos 30 anos com a ex­plo­ra­ção do pré-sal (re­cei­tas de royal­ti­es e par­ti­ci­pa­ções de pe­tró­leo que ho­je são só da União) em três par­tes: Es­ta­dos, mu­ni­cí­pi­os e Con­gres­so.

Des­sa for­ma, lo­go de­pois do lei­lão, Es­ta­dos, mu­ni­cí­pi­os e par­la­men­ta­res (por meio das emen­das) fi­ca­ri­am ca­da um com R$ 7,3 bi­lhões dos R$ 106,5 bi­lhões que se­rão ar­re­ca­da­dos com o lei­lão.

Di­vi­são. A par­ti­lha acor­da­da ini­ci­al­men­te era de R$ 10,95 bi­lhões pa­ra Es­ta­dos e pa­ra mu­ni­cí­pi­os. Ou­tros R$ 2,19 bi­lhões se­ri­am dis­tri­buí­dos pa­ra o Rio. A União fi­ca­ria com R$ 48,9 bi­lhões Uma fon­te da equi­pe econô­mi­ca ava­li­ou que a pro­pos­ta, se acei­ta, po­de ser “ma­ta­do­ra” e a cha­ve da “no­va po­lí­ti­ca”, já que o Con­gres­so pas­sa­rá a ter mais re­cur­sos pa­ra as emen­das. Mui­tos par­la­men­ta­res re­cla­mam que ti­ve­ram “cus­to po­lí­ti­co” em apro­var a re­for­ma e os re­cur­sos aca­ba­ri­am in­do pa­ra os go­ver­na­do­res que não têm tan­ta in­fluên­cia no Con­gres­so.

Maia on­tem se en­con­trou com Gu­e­des. A in­ter­lo­cu­to­res, no en­tan­to, diz des­co­nhe­cer es­sa pro­pos­ta. “Va­mos fa­zer uma constru­ção em con­jun­to sob a li­de­ran­ça de Al­co­lum­bre pa­ra que a gen­te pos­sa apro­var a PEC da ces­são one­ro­sa na Câ­ma­ra e en­ca­mi­nhar pa­ra a pro­mul­ga­ção”, afir­mou Maia, após o en­con­tro. /

DIDA SAM­PAIO/ESTADÃO–11/6/2019

Dis­pu­ta. A dis­pu­ta pe­la par­ti­lha do pré-sal di­vi­diu os pre­si­den­tes do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre, e da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia, e abriu cri­se com go­ver­na­do­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.