PF in­ves­ti­ga su­pos­to va­za­men­to do Co­pom

In­for­ma­ção so­bre ju­ro en­tre 2010 e 2012 te­ria be­ne­fi­ci­a­do fun­do

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - /PAU­LO RO­BER­TO NETTO, LUIZ VAS­SAL­LO, FAUS­TO MA­CE­DO, RE­NÉE PE­REI­RA e FA­BRÍ­CIO DE CAS­TRO

Com ba­se em de­la­ção do ex-mi­nis­tro Antô­nio Pa­loc­ci, o Ministério Pú­bli­co Fe­de­ral e a PF de­fla­gra­ram ope­ra­ção que in­ves­ti­ga o su­pos­to va­za­men­to de al­te­ra­ções na ta­xa bá­si­ca de ju­ros (Se­lic) em reu­niões do Co­pom en­tre 2010 e 2012. Com as in­for­ma­ções pri­vi­le­gi­a­das, su­pos­ta­men­te pas­sa­das pe­lo mi­nis­tro da Fa­zen­da à épo­ca, Gui­do Man­te­ga, o fun­do de in­ves­ti­men­tos Bin­tang – pa­la­vra que sig­ni­fi­ca es­tre­la em in­do­né­sio –, aber­to em 2010, te­ria ob­ti­do ga­nhos su­pe­ri­o­res à mé­dia do mer­ca­do. O fun­do era ad­mi­nis­tra­do pe­lo Ban­co BTG, de An­dré Es­te­ves. O BTG in­for­mou que não ti­nha po­der de ges­tão ou par­ti­ci­pa­ção no Bin­tang. A de­fe­sa de Man­te­ga afir­mou que Pa­loc­ci “jun­tou fa­tos ale­a­tó­ri­os pa­ra cri­ar nar­ra­ti­va falsa”.

Ação. Ba­ti­za­da de Es­tre­la Ca­den­te, ope­ra­ção te­ve co­mo al­vo fun­do de in­ves­ti­men­to ad­mi­nis­tra­do pe­lo BTG Pac­tu­al, de An­dré Es­te­ves, cu­ja se­de foi al­vo de bus­ca e apre­en­são; in­ves­ti­ga­ções apu­ram a di­vul­ga­ção dos re­sul­ta­dos das reu­niões do Co­pom en­tre 2010 e 2012

O Ministério Pú­bli­co Fe­de­ral em São Pau­lo (MPF-SP) e a Po­lí­cia Fe­de­ral de­fla­gra­ram on­tem uma ope­ra­ção con­jun­ta que in­ves­ti­ga su­pos­to va­za­men­to de re­sul­ta­dos de reu­niões do Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria (Co­pom) nos anos de 2010, 2011 e 2012. Cha­ma­da de Es­tre­la Ca­den­te, a ope­ra­ção mi­rou um fun­do de in­ves­ti­men­to ad­mi­nis­tra­do pe­lo ban­co BTG Pac­tu­al (de An­dré Es­te­ves), cu­ja se­de em São Pau­lo foi al­vo de bus­ca e apre­en­são pe­la se­gun­da vez em me­nos de dois me­ses en­vol­ven­do in­ves­ti­ga­ções dis­tin­tas.

A ope­ra­ção de on­tem foi de­sen­ca­de­a­da pe­la de­la­ção do ex­mi­nis­tro pe­tis­ta Antô­nio Pa­loc­ci, que co­man­dou a Fa­zen­da no go­ver­no Lu­la e a Ca­sa Ci­vil na ad­mi­nis­tra­ção de Dil­ma Rous­seff. Em de­poi­men­to à Po­lí­cia Fe­de­ral, ele afir­mou que ha­via um su­pos­to es­que­ma de va­za­men­to de in­for­ma­ções pri­vi­le­gi­a­das so­bre as al­te­ra­ções na ta­xa bá­si­ca de ju­ros (Se­lic) en­vol­ven­do o ban­quei­ro An­dré Es­te­ves, do BTG, e o ex-mi­nis­tro da Fa­zen­da Gui­do Man­te­ga.

Pa­loc­ci dis­se que, em agos­to de 2011, o en­tão pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral (BC) Ale­xan­dre Tom­bi­ni se reu­niu com a ex-pre­si­den­te Dil­ma e com Man­te­ga pa­ra in­for­mar que a au­to­ri­da­de mo­ne­tá­ria de­ve­ria re­du­zir a ta­xa Se­lic. Se­ria a pri­mei­ra re­du­ção dos ju­ros após um ci­clo de al­ta de dois anos. Após a reu­nião, o en­tão mi­nis­tro da Fa­zen­da te­ria re­pas­sa­do a in­for­ma­ção pri­vi­le­gi­a­da pa­ra Es­te­ves. O ban­quei­ro, por sua vez, “re­a­li­zou di­ver­sas ope­ra­ções no mer­ca­do fi­nan­cei­ro, ob­ten­do lu­cros mui­to aci­ma da mé­dia dos ou­tros ope­ra­do­res fi­nan­cei­ros”, dis­se Pa­loc­ci.

Es­tre­la. Os ga­nhos, se­gun­do o de­poi­men­to, vi­nham de um fun­do de in­ves­ti­men­to cha­ma­do Bin­tang – pa­la­vra que sig­ni­fi­ca es­tre­la em in­do­né­sio –, aber­to em 2010. A car­tei­ra era ad­mi­nis­tra­da pe­lo BTG e ge­ri­da por Mar­ce­lo Au­gus­to Lus­to­sa de Sou­za, do­no do in­ves­ti­men­to e ex-te­sou­rei­ro do ban­co Mul­ti­plic – com­pra­do pe­lo Lloyds Bank.

As apli­ca­ções e apos­tas cer­tei­ras do fun­do já ti­nham des­per­ta­do a aten­ção do mer­ca­do, o que foi abor­da­do em re­por­ta­gem do Es­ta­do. Em abril de 2012, o jor­nal mos­trou que o Bin­tang ha­via acu­mu­la­do ren­ta­bi­li­da­de de 402% em 2011 apos­tan­do nas os­ci­la­ções da ta­xa bá­si­ca de ju­ros. A mé­dia de fun­dos se­me­lhan­tes no pe­río­do ha­via si­do de 25%. Só en­tre ju­lho e se­tem­bro de 2011, o pa­trimô­nio da car­tei­ra ha­via sal­ta­do de R$ 20 mi­lhões pa­ra R$ 38 mi­lhões.

Em 31 de agos­to de 2011, o Co­pom re­du­ziu ines­pe­ra­da­men­te a Se­lic de 12,5% pa­ra 12% ao ano, na con­tra­mão das apos­tas da mai­o­ria dos eco­no­mis­tas, que pro­je­ta­va a ma­nu­ten­ção da ta­xa. Na reu­nião an­te­ri­or, em ju­lho de 2011, a mai­o­ria das ins­ti­tui­ções pre­via ele­va­ção de 0,75 pon­to por­cen­tu­al, mas o Co­pom ele­vou em 0,5 pon­to.

Ques­ti­o­na­do so­bre a ope­ra­ção de on­tem, o Ban­co Cen­tral li­mi­tou-se a di­zer que “não foi co­mu­ni­ca­do so­bre o con­teú­do da Ope­ra­ção Es­tre­la Ca­den­te, que cor­re sob se­gre­do de Jus­ti­ça”.

In­ves­ti­ga­ção. Se­gun­do Pa­loc­ci, a Co­mis­são de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os (CVM) che­gou a abrir in­ves­ti­ga­ção pa­ra apu­rar o ca­so, que foi en­cer­ra­da sem cons­ta­ta­ção de ir­re­gu­la­ri­da­des. “Comentou-se in­ten­sa­men­te que An­dré Es­te­ves ti­nha, fi­nal­men­te, por in­ter­mé­dio de Gui­do Man­te­ga, con­se­gui­do ‘gram­pe­ar o Ban­co Cen­tral’”, afir­mou Pa­loc­ci. Pro­cu­ra­da, a CVM dis­se que não co­men­ta ca­sos es­pe­cí­fi­cos.

Em con­tra­par­ti­da, se­gun­do o de­poi­men­to, Es­te­ves te­ria pa­go R$ 9,5 mi­lhões co­mo “do­a­ção ofi­ci­al” da cam­pa­nha de Dil­ma, em 2014, e re­pas­sa­do 10% dos lu­cros ob­ti­dos pa­ra o ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va “em for­ma de van­ta­gens in­de­vi­das”.

O BTG in­for­mou, em no­ta, que exer­ceu pa­pel ape­nas de ad­mi­nis­tra­dor do fun­do, não ten­do ne­nhum po­der de ges­tão ou par­ti­ci­pa­ção no mes­mo (ler

mais na pág. B3). Se­gun­do re­gu­la­men­to da CVM, ad­mi­nis­tra­do­ra res­pon­de pe­lo “con­jun­to de serviços re­la­ci­o­na­dos di­re­ta ou in­di­re­ta­men­te ao seu fun­ci­o­na­men­to e à sua ma­nu­ten­ção”. O ges­tor, por sua vez, é res­pon­sá­vel pe­las de­ci­sões de com­pra e ven­da.

Após caí­rem qua­se 10% du­ran­te o dia, os pa­péis do BTG fe­cha­ram em que­da de 3,78%.

Os ad­vo­ga­dos de Sou­za, ges­tor do Bin­tang, Le­tí­cia Peres e Ro­dri­go Eu­gê­nio Pe­rei­ra de Mo­ra­es, fo­ram pro­cu­ra­dos, mas afir­ma­ram que só de­fen­dem o cli­en­te na área cí­vel e, por­tan­to, não po­de­ri­am res­pon­der so­bre as acu­sa­ções. Cri­a­do em 2010, o fun­do foi en­cer­ra­do em 2013.

O cri­mi­na­lis­ta Fa­bio To­fic Si­man­tob, que de­fen­de o ex-mi­nis­tro Gui­do Man­te­ga, dis­se que Pa­loc­ci jun­tou fa­tos ale­a­tó­ri­os pa­ra cri­ar uma nar­ra­ti­va falsa ca­paz de se­du­zir a po­lí­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.