Fer­nan­do Ga­bei­ra

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - •✽ FER­NAN­DO GA­BEI­RA

O Su­pre­mo de­ci­de pe­los par­la­men­ta­res. Além dis­so, tan­to a es­quer­da co­mo a di­rei­ta têm pro­ble­mas cri­mi­nais.

Em­bo­ra não co­nhe­ça os bas­ti­do­res e meu tra­ba­lho cos­tu­me ser dis­tan­te de Bra­sí­lia, às ve­zes sou ten­ta­do a dar ex­pli­ca­ções sim­ples so­bre es­se com­ple­xo mo­vi­men­to do Su­pre­mo. Tof­fo­li num cer­to mo­men­to, aten­den­do Flá­vio Bol­so­na­ro, proi­biu o Co­af de pas­sar in­for­ma­ções fi­nan­cei­ras aos ór­gãos de in­ves­ti­ga­ção. Em se­gui­da, Ale­xan­dre de Mo­ra­es sus­pen­deu uma in­ves­ti­ga­ção do Co­af, na es­tei­ra da de­ci­são de Tof­fo­li. Fi­nal­men­te, Gil­mar con­fir­mou a sus­pen­são do pro­ces­so de Flá­vio e Qu­ei­roz.

A de­ci­são de Tof­fo­li é pro­ble­má­ti­ca em si, pois traz pre­juí­zos à lu­ta con­tra a cor­rup­ção e se cho­ca com com­pro­mis­sos in­ter­na­ci­o­nais do País. De sua par­te, Bol­so­na­ro es­can­te­ou o Co­af e o trans­for­mou num ór­gão de in­te­li­gên­cia fi­nan­cei­ra no Ban­co Cen­tral.

Tu­do co­me­çou com o di­nhei­ro de Fa­brí­cio Qu­ei­roz e Flá­vio Bol­so­na­ro. O mí­ni­mo que se po­de di­zer e que é di­fí­cil de ex­pli­car, se­não não ha­ve­ria tan­to em­pe­nho em blo­que­ar as in­ves­ti­ga­ções. Mas o Co­af nu­ma ou­tra di­men­são es­ta­va tam­bém exa­mi­nan­do as con­tas ban­cá­ri­as da mu­lher de Tof­fo­li e da de Gil­mar. Po­bre Co­af: uniu o pre­si­den­te e dois Po­de­res con­tra ele. Sem con­tar Se­na­do e Câ­ma­ra, cu­jos lí­de­res não mor­rem de amo­res por quem se­gue o cur­so do di­nhei­ro.

Pa­ra agra­var o pro­ble­ma, sur­giu um gru­po cor­rup­to na Re­cei­ta Fe­de­ral, pre­ci­sa­men­te em con­ta­to com a Lava Jato do Rio de Ja­nei­ro. Foi des­man­te­la­do nes­ta se­ma­na. Tu­do in­di­ca que aces­sou ile­gal­men­te os da­dos da mu­lher de Gil­mar.

Quan­do Tof­fo­li proi­biu usar da­dos do Co­af, ain­da não se sa­bia des­ses cri­mes dos fis­cais, le­van­ta­dos pe­la pró­pria Lava Jato. E sua de­ci­são re­per­cu­te em cen­te­nas de ca­sos po­li­ci­ais no Bra­sil, pa­ra­li­sa in­ves­ti­ga­ções. A sus­pei­ta de cor­rup­ção na Po­lí­cia Fe­de­ral, por exem­plo, não po­de­ria sus­pen­der to­das as su­as ati­vi­da­des no com­ba­te ao cri­me.

Tof­fo­li cri­ou uma de­le­ga­cia pró­pria den­tro do STF. Ale­xan­dre de Mo­ra­es fun­ci­o­na co­mo o de­le­ga­do. Cen­su­rou a re­vis­ta Cru­soé, de­ter­mi­nou buscas e apre­en­sões na ca­sa das pes­so­as.

Eles têm um can­to pró­prio de po­der e os ou­tros mi­nis­tros pa­re­cem con­for­mar-se. As la­men­tá­veis de­cla­ra­ções de Ja­not ser­vi­ram pa­ra for­ta­le­cer es­se nú­cleo e, si­mul­ta­ne­a­men­te, re­ve­lar seu viés au­to­ri­tá­rio.

Con­si­de­ro ra­zoá­vel que, de­pois do que dis­se, fos­se apre­en­di­da a ar­ma de Ro­dri­go Ja­not. Pa­ra evi­tar re­caí­das. No en­tan­to, é com­ple­ta­men­te inex­pli­cá­vel apre­en­der ce­lu­la­res, com­pu­ta­do­res e ta­blets na ca­sa do ex­pro­cu­ra­dor. Não es­cla­re­ce na­da so­bre o ca­so, to­da­via abre um le­que de in­for­ma­ções va­li­o­sas no jo­go do po­der.

Da mes­ma for­ma, é exa­ge­ra­do proi­bir que Ja­not se apro­xi­me de qual­quer mi­nis­tro do Su­pre­mo. Não há ne­nhum in­dí­cio de que re­pre­sen­te pe­ri­go pa­ra os dez res­tan­tes. É su­por que Ja­not en­con­tras­se um mi­nis­tro e dis­ses­se: não tem o Gil­mar, vai vo­cê mes­mo.

São pas­sos de uma dan­ça ve­lha co­mo a po­lí­ti­ca. A pre­tex­to de com­ba­ter os mé­to­dos au­to­ri­tá­ri­os, en­ve­re­dam pe­lo ca­mi­nho que que­rem com­ba­ter.

Nu­ma de­ci­são do ple­ná­rio, o Su­pre­mo deu a en­ten­der que po­de­ria sus­pen­der mui­tas con­de­na­ções da Lava Jato. Mi­nha pre­sun­ção é de ter si­do ape­nas um bo­de na sa­la: res­trin­gir a anu­la­ção da sen­ten­ça aos ca­sos de quem re­cor­reu.

Ape­nas uma pre­sun­ção. O Su­pre­mo sa­be que não há uma opo­si­ção pe­que­na no Con­gres­so e Jair Bol­so­na­ro foi neu­tra­li­za­do pe­lo flan­co aber­to no ca­so de Flá­vio e Qu­ei­roz. A úni­ca mo­du­la­ção pos­sí­vel nas­ce na so­ci­e­da­de, em­bo­ra al­gu­mas ma­ni­fes­ta­ções que pe­dem o fe­cha­men­to do STF aca­bem por for­ta­le­cê-lo, tal co­mo é. É uma si­tu­a­ção com­pli­ca­da e no fun­do es­tá em jo­go não a extinção da Lava Jato, mas o li­mi­te do freio de ar­ru­ma­ção.

Se as coi­sas mar­cham nes­se rit­mo, o li­mi­te se­rá da­do com o fim da pri­são em se­gun­da ins­tân­cia. Su­po­nho que es­se se­ja o mar­co que pre­ten­dem atin­gir.

Não con­si­de­ro sur­pre­en­den­te que Lu­la te­nha des­pre­za­do a pro­gres­são de sua pe­na e se re­cu­sa­do a dei­xar a pri­são. Em­pre­gou to­da a sua ener­gia na te­se de que é ino­cen­te e ne­ga o pro­ces­so de cor­rup­ção. Por que, ago­ra, sair da ca­deia e en­fra­que­cer a pró­pria nar­ra­ti­va? So­bre­tu­do por­que no ho­ri­zon­te es­tá a de­ci­são do Su­pre­mo so­bre a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia, ou mes­mo a sus­pei­ção de Ser­gio Mo­ro. Ele se mos­tra mais ex­pe­ri­en­te que seus con­se­lhei­ros.

Num mun­do em que as nar­ra­ti­vas atro­pe­lam as evi­dên­ci­as, elas são a ma­té­ria-pri­ma do pro­ces­so elei­to­ral. Nar­ra­ti­vas con­tra nar­ra­ti­vas, as do po­pu­lis­mo de di­rei­ta ou de es­quer­da con­ti­nu­am sen­do as que mais po­la­ri­zam. Es­se con­fron­to é pre­vi­sí­vel e exis­te em ou­tros paí­ses. O que há de sin­gu­lar é ver co­mo a po­lí­ti­ca caiu nas mãos da Jus­ti­ça. De um la­do, pe­la in­ca­pa­ci­da­de de re­sol­ver no es­pa­ço pró­prio gran­des te­mas na­ci­o­nais. O Su­pre­mo de­ci­de pe­los par­la­men­ta­res. Além dis­so, tan­to es­quer­da co­mo di­rei­ta têm seus pro­ble­mas cri­mi­nais e pre­ci­sam sem­pre da boa von­ta­de dos mi­nis­tros.

Não creio que Tof­fo­li, Gil­mar e Mo­ra­es quei­ram o po­der ape­nas pa­ra si. Du­vi­do que con­tes­tas­sem o sur­gi­men­to de ou­tro nú­cleo, com ob­je­ti­vos pró­pri­os e, quem sa­be, sua pró­pria de­le­ga­cia in­for­mal. Po­de­res mo­no­crá­ti­cos ou mes­mo gru­pais na al­ta Cor­te são ape­nas um re­fle­xo do va­zio em tor­no de­la.

O que é pos­sí­vel ho­je, e nes­se sen­ti­do a de­mo­cra­cia es­tá de pé, é pro­tes­tar, mes­mo sa­ben­do que são eles que de­ci­dem se ou­vem ou não. Co­mo dis­se aci­ma, é uma de­mo­cra­cia. Mas não do ti­po que vo­cê es­tá sa­tis­fei­to com seu fun­ci­o­na­men­to.

O pro­ces­so de re­de­mo­cra­ti­za­ção foi to­ca­do com con­sen­sos bas­tan­te am­plos, co­mo o da lu­ta pe­las elei­ções di­re­tas. Os pró­pri­os ato­res o le­va­ram pa­ra um im­pas­se. Vi­e­ram a Lava Jato, as de­la­ções do fim do mun­do.

As elei­ções eram um ca­mi­nho pa­ra re­co­me­çar. Mas a re­no­va­ção foi in­su­fi­ci­en­te no Con­gres­so. E Bol­so­na­ro é um mu­seu de no­vi­da­des.

O pró­prio ca­len­dá­rio elei­to­ral po­de re­a­ni­mar a ener­gia re­no­va­do­ra, vol­ta­da pa­ra as ci­da­des e seus pro­ble­mas. Ain­da as­sim, o qua­dro na­ci­o­nal con­ti­nua in­qui­e­tan­te.

É al­go que po­de ser tam­bém re­to­ma­do com no­vas ba­ta­lhas elei­to­rais. Mas não su­pri­me a ques­tão: o que fa­zer até lá, co­mo se mo­ver nes­se la­bi­rin­to?

A po­lí­ti­ca caiu nas mãos da Jus­ti­ça. O STF de­ci­de pe­los par­la­men­ta­res

✽ JOR­NA­LIS­TA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.