A de­la­ção no STF

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Se­ja qual for a de­ci­são do STF a res­pei­to dos efei­tos do cer­ce­a­men­to de de­fe­sa dos réus de­la­ta­dos, é mais que ho­ra de o Con­gres­so re­ver e apri­mo­rar a le­gis­la­ção so­bre de­la­ção pre­mi­a­da.

No­ta-se uma re­a­ção de per­ple­xi­da­de e de in­dig­na­ção con­tra a de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) a res­pei­to da or­dem da apre­sen­ta­ção das ale­ga­ções fi­nais nos pro­ces­sos pe­nais em que en­vol­ve de­la­ção. A his­tó­ria é vis­ta as­sim: a Su­pre­ma Cor­te in­ven­tou uma re­gra, até en­tão ine­xis­ten­te, que po­de­rá acar­re­tar a nu­li­da­de de vá­ri­as sen­ten­ças, es­pe­ci­al­men­te de ca­sos da Lava Jato, on­de foi abun­dan­te o uso da co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da. De­pois de tan­to es­for­ço no com­ba­te à cor­rup­ção, a Jus­ti­ça te­ria aber­to uma bre­cha pa­ra a im­pu­ni­da­de ou, ao me­nos, pa­ra pro­te­la­ções pro­ces­su­ais. A con­clu­são é de que o STF cri­ou um ino­por­tu­no e ab­so­lu­ta­men­te des­ne­ces­sá­rio pro­ble­ma.

Não há dú­vi­da de que a ques­tão da or­dem das ale­ga­ções fi­nais foi ex­pli­ci­ta­da no STF. Ao jul­gar o ha­be­as cor­pus im­pe­tra­do em fa­vor de Al­de­mir Ben­di­ne, a 2.ª Tur­ma en­ten­deu que ele ti­nha o direito de fa­lar de­pois dos réus de­la­to­res. Na quar­ta-fei­ra pas­sa­da, foi a vez de o ple­ná­rio do STF con­fir­mar que, nas ações pe­nais com réus co­la­bo­ra­do­res e não co­la­bo­ra­do­res, os de­la­ta­dos têm direito a apre­sen­tar as ale­ga­ções fi­nais de­pois dos réus que fir­ma­ram acor­do de co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da. É um en­ga­no, no en­tan­to, atri­buir a cau­sa do pro­ble­ma ao Su­pre­mo. A ori­gem des­se im­bró­glio es­tá na im­por­ta­ção, sem os de­vi­dos cui­da­dos, da fi­gu­ra da co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da pa­ra o pro­ces­so pe­nal bra­si­lei­ro. A de­la­ção nas­ceu num sis­te­ma de jus­ti­ça com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te do bra­si­lei­ro, com ou­tros prin­cí­pi­os e pro­ce­di­men­tos.

O te­ma me­re­ce re­fle­xão. O pro­ble­ma não es­tá em re­co­nhe­cer nu­li­da­de quan­do de fa­to hou­ve des­res­pei­to ao cons­ti­tu­ci­o­nal direito de de­fe­sa. Ao con­trá­rio, o de­ver do STF é pre­ci­sa­men­te pro­te­ger e fa­zer va­ler as ga­ran­ti­as cons­ti­tu­ci­o­nais. O que de­ve cau­sar in­dig­na­ção é a in­cor­po­ra­ção, sem os de­vi­dos cui­da­dos, da fi­gu­ra da de­la­ção no Direito bra­si­lei­ro. Se an­tes não fo­ram fei­tos os de­vi­dos ajus­tes ou se an­tes não fo­ram ana­li­sa­das as su­as con­sequên­ci­as e seus efei­tos, era ine­vi­tá­vel que pro­ble­mas pro­ces­su­ais sé­ri­os fos­sem cau­sa­dos pe­la no­va fi­gu­ra.

Por exem­plo, a de­la­ção afe­ta o direito ao con­tra­di­tó­rio. No en­tan­to, is­so não foi le­va­do em con­si­de­ra­ção no mo­men­to em que se im­por­tou a fi­gu­ra da co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da. Ao con­trá­rio de ou­tros paí­ses, aqui é per­mi­ti­do fa­zer de­la­ção em qual­quer mo­men­to do pro­ces­so pe­nal. Com is­so, uma ação pe­nal, se­ja qual for o seu es­tá­gio, po­de ter sua di­nâ­mi­ca pro­fun­da­men­te mo­di­fi­ca­da em vir­tu­de da de­la­ção de um dos réus, o que afe­ta­rá di­re­ta­men­te o direito de de­fe­sa dos ou­tros réus.

Não se po­de pe­dir que o STF fe­che os olhos aos pro­ble­mas de­cor­ren­tes da de­la­ção. O pa­pel da Su­pre­ma Cor­te é pre­ci­sa­men­te não ig­no­rar a exis­tên­cia de in­com­pa­ti­bi­li­da­des da le­gis­la­ção or­di­ná­ria com os di­rei­tos e as ga­ran­ti­as fun­da­men­tais. Cul­par o Su­pre­mo pe­las even­tu­ais nu­li­da­des que pos­sam sur­gir do des­res­pei­to ao direito de de­fe­sa é uma for­ma na­da su­til de su­pri­mir um ele­men­to do Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Direito, que é o con­tro­le de cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de das leis e das de­ci­sões judiciais.

Ain­da não se sa­be a exa­ta ex­ten­são dos efei­tos do direito do réu de­la­ta­do de apre­sen­tar por úl­ti­mo as ale­ga­ções fi­nais. O ple­ná­rio do Su­pre­mo de­ve­rá fi­xar uma te­se ge­ral pa­ra ori­en­tar ou­tras ins­tân­ci­as do Ju­di­ciá­rio em ca­sos se­me­lhan­tes. O mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li, por exem­plo, apre­sen­tou na quar­ta-fei­ra pas­sa­da uma pro­pos­ta pa­ra a mo­du­la­ção des­ses efei­tos. Pa­ra o pre­si­den­te do STF, a con­de­na­ção só po­de ser anu­la­da nos ca­sos em que o réu de­la­ta­do pe­diu à Jus­ti­ça pa­ra fa­lar por úl­ti­mo, te­ve a so­li­ci­ta­ção ne­ga­da em pri­mei­ra ins­tân­cia e rei­te­rou o pe­di­do em ins­tân­ci­as su­pe­ri­o­res. Se­ria um mo­do, as­sim, de com­pro­var pre­juí­zo à de­fe­sa, cum­prin­do a re­gra do Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal de que “ne­nhum ato se­rá de­cla­ra­do nu­lo, se da nu­li­da­de não re­sul­tar pre­juí­zo pa­ra a acu­sa­ção ou pa­ra a de­fe­sa”.

Se­ja qual for a de­ci­são do STF a res­pei­to dos efei­tos do cer­ce­a­men­to de de­fe­sa dos réus de­la­ta­dos, é mais que ho­ra de o Con­gres­so re­ver e apri­mo­rar a le­gis­la­ção so­bre a de­la­ção pre­mi­a­da. A ma­nu­ten­ção das re­gras atu­ais é fon­te cer­ta de no­vos e con­tí­nu­os pro­ble­mas, que só ge­ra­rão mais per­ple­xi­da­de e in­dig­na­ção. É pre­ci­so ata­car a cau­sa da do­en­ça, não quem pôs a des­co­ber­to o pro­ble­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.