Iro­nia fi­na na mo­da

Em des­fi­les de Paris, es­ti­lis­tas mes­clam so­fis­ti­ca­ção e hu­mor.

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Ma­ria Ri­ta Alon­so ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO / COLABORARA­M LAYS TA­VA­RES E MA­RIA CA­RO­LI­NA GIMENEZ

Foi um tan­to tu­mul­tu­a­da es­sa tem­po­ra­da de mo­da, que co­me­çou com os des­fi­les de

No­va York, em se­tem­bro, pas­sou por Lon­dres, Mi­lão e aca­bou na úl­ti­ma terça-fei­ra, dia 1.º, em Paris.

Em meio às dis­cus­sões da Cú­pu­la de Ação Cli­má­ti­ca e pro­tes­tos con­tra o aque­ci­men­to glo­bal, as pas­sa­re­las fran­ce­sas aca­ba­ram es­pe­lhan­do o es­pí­ri­to his­tri­ô­ni­co de ago­ra, sem per­der a iro­nia fi­na e o olhar so­fis­ti­ca­do de sem­pre.

Nin­guém con­ta­va, no en­tan­to, com a sur­pre­si­nha de­bo­cha­da no fi­nal do des­fi­le da Cha­nel, no úl­ti­mo dia do even­to, quan­do a co­me­di­an­te fran­ce­sa Ma­rie S’In­fil­tre in­va­diu a pas­sa­re­la, ca­mi­nhan­do ao la­do das mo­de­los e fa­zen­do ca­ras e tre­jei­tos en­gra­ça­dos pa­ra a pla­teia que re­gis­tra­va tu­do com os ce­lu­la­res (Ma­rie já ga­nhou mais de 50 mil se­gui­do­res em sua con­ta no Ins­ta­gram de­pois da performanc­e). En­fim, uma da­que­las ce­nas que fi­cam pa­ra a his­tó­ria.

Em ter­mos de ten­dên­ci­as, as ru­as con­ti­nu­am apon­tan­do ca­mi­nhos e de­fi­nin­do hits. Ime­di­a­tis­ta, o stre­et sty­le in­cor­po­ra as no­vi­da­des exi­bi­das nas apre­sen­ta­ções das gri­fes em um mi­nu­to, além de lan­çar ou­tras pro­pos­tas in­te­res­san­tes. Mas, ver­da­de se­ja di­ta, ain­da é nos gran­des des­fi­les que as pe­ças-cha­ve se con­fir­mam, as idei­as de sty­ling mais in­crí­veis apa­re­cem, os arqué­ti­pos fe­mi­ni­nos ga­nham no­vas rou­pa­gens e as re­fe­rên­ci­as cul­tu­rais são cri­a­ti­va­men­te res­ga­ta­das co­mo for­ma de ex­pres­são pes­so­al.

Nas co­le­ções apre­sen­ta­das, des­ta­que pa­ra no­vas for­mas de usar as pe­ças clás­si­cas de sem­pre. O ter­ni­nho de al­fai­a­ta­ria ga­nhou ver­são mais co­ol com a ber­mu­da no lu­gar da cal­ça, o tren­ch co­at sur­giu des­cons­truí­do, com pon­tas sol­tas e as­si­mé­tri­cas, en­quan­to o je­ans apa­re­ceu em no­vas mo­de­la­gens (a reta e bá­si­ca é a mais le­gal de to­das) e em la­va­gens di­ver­sas, al­gu­mas de­las bem man­cha­das.

As pe­ças lu­xu­o­sas da vez ga­nha­ram re­pre­sen­ta­ções a par­tir de ele­men­tos bar­ro­cos, ma­xi­ma­lis­tas, bri­lhan­tes, bor­da­dos e di­ver­ti­dos – de­mo­cra­ti­zan­do es­té­ti­cas aris­to­crá­ti­cas de ou­tros tem­pos. O de­co­ra­ti­vis­mo de ho­je é usa­do co­mo si­nal de em­po­de­ra­men­to e res­pos­ta a qual­quer ti­po de dis­cri­mi­na­ção (ra­ci­al, cor­po­ral ou li­ga­da à sexualidad­e).

A Louis Vuit­ton, por si­nal, apre­sen­tou a ar­tis­ta trans Sophie Xe­on em uma vi­de­o­per­for­man­ce co­mo pa­no de fun­do. Ou­tros ce­ná­ri­os es­pe­ta­cu­la­res de­ram ares de me­ga­pro­du­ção a des­fi­les me­mo­rá­veis, co­mo o da Di­or e de Stel­la McCart­ney, que le­van­ta­ram ban­dei­ras da cons­ci­ên­cia am­bi­en­tal.

Man­gas bu­fan­tes. Om­bros em­pi­na­dos por man­gas bem 80 re­fle­tem o em­po­de­ra­men­to fe­mi­ni­no

Flo­ral exu­be­ran­te. Es­tam­pas poé­ti­cas, co­lo­ri­das e exó­ti­cas re­vi­go­ram a veia ma­xi­ma­lis­ta da mo­da

Tie dye. A es­tam­pa per­de a au­ra hip­pie de­pois de um ba­nho de so­fis­ti­ca­ção (com uma saia des­sas, bi­cho?)

Es­tam­pa de on­ça. En­tre os imor­tais da mo­da, on­ças, le­o­par­dos e ze­bras se­guem fir­mes e for­tes

ALEXANDERM­CQUEEN

Je­ans re­to. Quer lo­ok mais co­ol que es­se da Ce­li­ne? Vi­da lon­ga ao je­ans des­pre­ten­si­o­so dos anos 1970

Ber­mu­da. Elas es­tão por to­da par­te, al­fai­a­ta­ria, cou­ro e je­ans, ti­ran­do ter­ni­nhos do sé­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.