BTG afir­ma que não faz ges­tão do fun­do al­vo da ope­ra­ção

Em no­ta, ban­co de­ta­lha que fun­do Bin­tang ti­nha um úni­co co­tis­ta, pes­soa fí­si­ca e pro­fis­si­o­nal do mer­ca­do cre­den­ci­a­do na CVM

O Estado de S. Paulo - - E&n economia & negócios -

En­quan­to a se­de do BTG Pac­tu­al, em São Pau­lo, era al­vo da Es­tre­la Ca­den­te – ope­ra­ção con­jun­ta do Ministério Pú­bli­co Fe­de­ral em São Pau­lo (MPF-SP) e da Po­lí­cia Fe­de­ral que in­ves­ti­ga su­pos­tos va­za­men­tos de re­sul­ta­dos de reu­nião do Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria (Co­pom) –, no Rio, o fun­da­dor do ban­co, An­dré Es­te­ves, par­ti­ci­pa­va de al­mo­ço com em­pre­sá­ri­os e exe­cu­ti­vos de gran­des em­pre­sas no res­tau­ran­te Emi­li­a­no, em Co­pa­ca­ba­na.

Se­gun­do apu­rou o Es­ta­do,o ban­quei­ro afir­mou que a ins­ti­tui­ção era ape­nas a ad­mi­nis­tra­do­ra do fun­do. Es­ti­ve­ram pre­sen­tes no al­mo­ço, os exe­cu­ti­vos da Vin­ce Part­ners, Truxt In­ves­ti­men­tos, Ele­tro­brás, Sto­ne, Gru­po Lo­rent­zen, Oi e Amil, en­tre ou­tros.

Em no­ta, o BTG Pac­tu­al afir­mou que re­ce­beu on­tem “pe­di­dos de in­for­ma­ção do MPF re­fe­ren­tes a ope­ra­ções re­a­li­za­das pe­lo fun­do Bin­tang”. Se­gun­do o ban­co, o fun­do al­vo da ope­ra­ção ti­nha um úni­co co­tis­ta, pes­soa fí­si­ca e pro­fis­si­o­nal do mer­ca­do fi­nan­cei­ro que tam­bém era o ges­tor cre­den­ci­a­do jun­to à Co­mis­são de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os (CVM).

A ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra es­cla­re­ceu ain­da que tal co­tis­ta “nun­ca foi fun­ci­o­ná­rio do BTG Pac­tu­al ou te­ve qual­quer vín­cu­lo pro­fis­si­o­nal com o Ban­co ou qual­quer de seus só­ci­os”. Se­gun­do o BTG, o ban­co “exer­ceu ape­nas o pa­pel de ad­mi­nis­tra­dor do re­fe­ri­do fun­do, não ten­do qual­quer po­der de ges­tão ou par­ti­ci­pa­ção no mes­mo”.

A ope­ra­ção de­fla­gra­da on­tem in­ves­ti­ga as de­ci­sões do Co­pom en­tre 2010 e 2012. Em 2010, o eco­no­mis­ta Hen­ri­que Mei­rel­les era o pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral e for­ma­va o Co­pom ao la­do de se­te di­re­to­res da ins­ti­tui­ção – en­tre eles, Ale­xan­dre Tom­bi­ni, que as­su­mi­ria a pre­si­dên­cia a par­tir de 2011.

Em co­mu­ni­ca­do, Mei­rel­les afir­mou que a hi­pó­te­se de in­ge­rên­cia po­lí­ti­ca e va­za­men­to de in­for­ma­ções pri­vi­le­gi­a­das do Co­pom, em 2010, é ab­sur­da e in­com­pa­tí­vel com o modelo de ges­tão da ins­ti­tui­ção. Se­gun­do Mei­rel­les, que atu­al­men­te ocu­pa a se­cre­ta­ria da Fa­zen­da de São Pau­lo, as de­ci­sões to­ma­das pe­lo co­mi­tê ti­nham ca­rá­ter es­tri­ta­men­te téc­ni­co e a di­vul­ga­ção se da­va em ab­so­lu­ta con­for­mi­da­de com a le­gis­la­ção. “A ori­en­ta­ção do en­tão pre­si­den­te do BC era pa­ra que ca­da mem­bro do co­mi­tê exer­ces­se seu vo­to de ma­nei­ra in­de­pen­den­te e não o dis­cu­tis­se com seus pa­res até o mo­men­to das reu­niões.”

Ca­bia ao pre­si­den­te, diz Mei­rel­les, o úl­ti­mo vo­to, sem co­nhe­ci­men­to pré­vio à reu­nião do po­si­ci­o­na­men­to dos de­mais mem­bros.

A re­por­ta­gem não ob­te­ve re­tor­no do ex-pre­si­den­te do BC, A le­xan­dre Tom­bi­ni.

En­de­re­ço. No sis­te­ma da Co­mis­são de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os (CVM) cons­ta que o fun­do Bin­tang, al­vo da Es­tre­la Ca­den­te, foi cons­ti­tuí­do em 2010 e en­cer­ra­do em 2013. Seu ges­tor era Mar­ce­lo Au­gus­to Lus­to­sa de Sou­za. O en­de­re­ço re­gis­tra­do por Lus­to­sa na CVM co­mo sen­do o de sua re­si­dên­cia é, na ver­da­de, co­mer­ci­al, lo­ca­li­za­do na Bar­ra da Ti­ju­ca, zo­na oes­te do Rio de Ja­nei­ro. Na re­cep­ção do pré­dio, uma pla­ca in­for­ma que na sa­la fun­ci­o­na um es­cri­tó­rio de con­ta­bi­li­da­de. A CVM não comentou a ope­ra­ção. / RE­NÉE PE­REI­RA, FER­NAN­DA GUI­MA­RÃES, NIVIANE MA­GA­LHÃES, ALI­NE BRONZATI, FA­BRÍ­CIO CAS­TRO, MA­RI­A­NA DU­RÃO E FER­NAN­DA NUNES

THE NEW YORK TI­MES

Al­vo. BTG re­ce­beu on­tem pe­di­dos de in­for­ma­ção do MPF

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.