Co­pom sob sus­pei­ta se Ro­ber­to Cam­pos Ne­to não agir

O Estado de S. Paulo - - Economia - Fá­bio Alves

Adi­vul­ga­ção da Ope­ra­ção Es­tre­la Ca­den­te, do Ministério Pú­bli­co Fe­de­ral em São Pau­lo (MPF-SP) e da Po­lí­cia Fe­de­ral (PF), não ar­ra­nha ape­nas a ima­gem do Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria (Co­pom), do Ban­co Cen­tral, nos anos ci­ta­dos na in­ves­ti­ga­ção.

Da­qui em di­an­te, sem­pre po­de­rá ha­ver des­con­fi­an­ça so­bre as de­ci­sões do Co­pom e dos mo­vi­men­tos de mer­ca­do de­cor­ren­tes de­las, ca­so o pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral, Ro­ber­to Cam­pos Ne­to, não ve­nha a pú­bli­co di­zer quais as me­di­das já em vi­gor ou fu­tu­ras me­di­das que po­de­rão ser ado­ta­das pa­ra evi­tar a re­pe­ti­ção des­ses ale­ga­dos va­za­men­tos.

O MPF e a PF in­ves­ti­gam va­za­men­tos de re­sul­ta­dos da reu­nião do Co­pom ocor­ri­dos nos anos de 2010, 2011 e 2012, quan­do o BC era co­man­da­do por Hen­ri­que Mei­rel­les – ain­da no go­ver­no Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va – e por Ale­xan­dre Tom­bi­ni, já na ges­tão de Dil­ma Rous­seff. O fa­vo­re­ci­do des­ses va­za­men­tos te­ria si­do um fun­do ad­mi­nis­tra­do pe­lo ban­co BTG.

Ob­vi­a­men­te, é de se es­pe­rar um pro­nun­ci­a­men­to ou uma de­cla­ra­ção de Hen­ri­que Mei­rel­les e Ale­xan­dre Tom­bi­ni.

Mas o que in­te­res­sa da­qui em di­an­te é um ar­ca­bou­ço de me­di­das pa­ra sal­va­guar­dar as de­ci­sões de sus­pei­tas de va­za­men­tos.

Ver­da­de se­ja di­ta: não é de ho­je que sem­pre se des­con­fi­ou que os re­sul­ta­dos do Co­pom va­zas­sem pa­ra fon­tes pri­vi­le­gi­a­das do mer­ca­do. Sem­pre se fa­lou de mo­vi­men­tos es­tra­nhos em ati­vos an­te­ce­den­do al­gu­mas reu­niões.

E es­sa sus­pei­ção vem de lon­ga da­ta – mui­to an­tes dos go­ver­nos Lu­la e Dil­ma. Nos anos 90, por exem­plo, era co­mum a re­cla­ma­ção de mui­tos in­ter­lo­cu­to­res que es­te ou aque­le eco­no­mis­ta sem­pre acer­ta­va as de­ci­sões so­bre a ta­xa de ju­ros, mes­mo as mais sur­pre­en­den­tes. O al­vo era sem­pre um eco­no­mis­ta com enor­me pro­xi­mi­da­de de quem es­ta­va no co­man­do do go­ver­no em de­ter­mi­na­do mo­men­to.

Acon­te­ce que nun­ca hou­ve uma de­la­ção pre­mi­a­da em que al­guém fa­las­se so­bre is­so, co­mo no ca­so da de­la­ção de Antô­nio Pa­loc­ci, ex-mi­nis­tro nos go­ver­nos de Lu­la e de Dil­ma.

Ao lon­go dos úl­ti­mos anos, es­pe­ci­al­men­te na ges­tão de Ilan Gold­fajn, o BC deu pas­sos lar­gos na sua trans­pa­rên­cia, em­bo­ra não a pon­to de eli­mi­nar to­da e qual­quer sus­pei­ta so­bre as de­ci­sões da au­to­ri­da­de mo­ne­tá­ria.

Foi po­si­ti­va, por exem­plo, a de­ci­são de pas­sar a di­vul­gar a agen­da de en­con­tros de Ilan Gold­fajn com par­ti­ci­pan­tes do mer­ca­do, em­bo­ra sem a di­vul­ga­ção do te­or da con­ver­sa.

Já pre­sen­ci­ei tam­bém, no pas­sa­do, di­re­to­res do BC em con­ver­sa com in­ves­ti­do­res em ple­no pe­río­do de si­lên­cio que antecede a de­ci­são do Co­pom.

Com a Ope­ra­ção Es­tre­la Ca­den­te, Ro­ber­to Cam­pos Ne­to pre­ci­sa ado­tar me­di­das pa­ra as­se­gu­rar ao mer­ca­do que va­za­men­tos do Co­pom – se aca­so im­pos­sí­veis de con­ter – se­rão al­vo de um con­tro­le mais se­ve­ro pe­lo Ban­co Cen­tral.

A in­ves­ti­ga­ção do MPF e da PF se de­bru­ça so­bre o pas­sa­do, mas is­so não sig­ni­fi­ca que não ha­ve­rá mais a som­bra da sus­pei­ção so­bre as pró­xi­mas reu­niões do Co­pom, es­pe­ci­al­men­te as mais po­lê­mi­cas ou as de re­sul­ta­do sur­pre­en­den­te.

Pa­ra o fu­tu­ro, sem um po­si­ci­o­na­men­to da atu­al di­re­to­ria do BC, o Co­pom fi­ca­rá sob eter­na sus­pei­ta. E is­so não é bom.

✽ É CO­LU­NIS­TA DO BRO­AD­CAST

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.