Go­ver­no ‘des­co­bre’ ter fa­tia em 637 em­pre­sas

Le­van­ta­men­to in­clui par­ti­ci­pa­ções em mi­no­ri­tá­ri­as; até en­tão, eram só 133 es­ta­tais

O Estado de S. Paulo - - Economia - Lo­ren­na Ro­dri­gues Edu­ar­do Ro­dri­gues / BRA­SÍ­LIA

O go­ver­no fe­de­ral “des­co­briu” ter mais em­pre­sas do que ima­gi­na­va. São 637 com­pa­nhi­as en­tre con­tro­la­das pe­la União, sub­si­diá­ri­as, co­li­ga­das e par­ti­ci­pa­ções, de acor­do com ba­lan­ço di­vul­ga­do on­tem pe­lo Ministério da Eco­no­mia.

Até en­tão, o go­ver­no tra­ba­lha­va com o nú­me­ro de 133 em­pre­sas es­ta­tais, que só con­si­de­ra­va con­tro­la­das e sub­si­diá­ri­as. Foi a pri­mei­ra vez que as par­ti­ci­pa­ções mi­no­ri­tá­ri­as fo­ram in­cluí­das no le­van­ta­men­to, o que aca­bou in­flan­do o nú­me­ro.

De­pois do pen­te-fi­no, mes­mo o to­tal de em­pre­sas con­tro­la­das e sub­si­diá­ri­as cres­ceu, pas­san­do pa­ra 205, com a in­clu­são, prin­ci­pal­men­te, de so­ci­e­da­des de par­ti­ci­pa­ção es­pe­ci­al (SPE) e em­pre­sas in­ter­na­ci­o­nais. O ba­lan­ço mos­trou que só a União tem par­ti­ci­pa­ção mi­no­ri­tá­ria em 43 em­pre­sas, fo­ra as par­ti­ci­pa­ções de em­pre­sas co­mo BNDES e Ban­co do Bra­sil.

“É um Es­ta­do em­pre­sá­rio”, afir­mou o secretário es­pe­ci­al de Desestatiz­a­ção, Desinvesti­mento e Mer­ca­dos, Sa­lim Mat­tar. Ele jus­ti­fi­cou a in­clu­são de par­ti­ci­pa­ções mi­no­ri­tá­ri­as da União no ba­lan­ço di­zen­do que é ne­ces­sá­rio au­men­tar a trans­pa­rên­cia dos da­dos. “Es­ta­mos com es­ses da­dos mos­tran­do que, por exem­plo, União tem ação da Bom­bril. Não te­mos ga­ze nos hos­pi­tais, mas te­mos mi­lhões de re­ais em em­pre­sas. Is­so é éti­co?”, ques­ti­o­nou. “O Es­ta­do tem em­pre­sas que não faz sen­ti­do ter, es­ta­mos bus­can­do trans­pa­rên­cia pa­ra que so­ci­e­da­de sai­ba on­de es­ta­mos in­ves­tin­do o di­nhei­ro do pa­ga­dor de im­pos­tos”, afir­mou.

Ba­lan­ço. O go­ver­no di­vul­gou on­tem ain­da que as pri­va­ti­za­ções, de­sin­ves­ti­men­tos, con­ces­sões e ven­das de ati­vos na­tu­rais da União so­ma­ram US$ 23,5 bi­lhões (R$ 96,2 bi­lhões) de ja­nei­ro a se­tem­bro des­te ano. O va­lor ul­tra­pas­sou a me­ta do mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des, que dis­se, em ja­nei­ro, es­pe­rar um nú­me­ro de pe­lo me­nos US$ 20 bi­lhões.

O ba­lan­ço mos­tra ain­da que o go­ver­no gas­tou R$ 190 bi­lhões nos úl­ti­mos dez anos com sub­ven­ções e apor­tes em es­ta­tais.

Mat­tar dis­se que o go­ver­no te­rá mais uma reu­nião do Pro­gra­ma de Par­ce­ria de In­ves­ti­men­tos (PPI) e que um no­vo gru­po de em­pre­sas en­tra­rá no gru­po de “pri­va­ti­zá­veis” – já há 17 nes­ta lis­ta, in­cluin­do Cor­rei­os e Da­ta­prev. “Mas Pe­tro­brás, Cai­xa e BB não es­tão em nos­so man­da­to pa­ra pri­va­ti­za­ção”, fri­sou.

O secretário res­sal­tou que o go­ver­no re­du­zi­rá a par­ti­ci­pa­ção mi­no­ri­tá­ria que tem em em­pre­sas, mas não quis di­zer em qual rit­mo. Ele afir­mou que o go­ver­no po­de­rá ser “mais ou­sa­do” na ven­da de par­ti­ci­pa­ções do BNDES, que tem mais li­qui­dez. “O BNDES vai ven­der par­ti­ci­pa­ções de for­ma a não per­tur­bar o mer­ca­do. Não va­mos ven­der tu­do de uma vez, se­re­mos “cé­le­res de for­ma gra­da­ti­va”, com­ple­tou.

Se­gun­do ele, exis­te gran­de ali­nha­men­to en­tre os mi­nis­tros so­bre pri­va­ti­za­ções, mas ain­da se dis­cu­te o “ti­ming” pa­ra ca­da pro­ces­so. O secretário dis­se es­pe­rar ce­le­ri­da­de a par­tir de ago­ra, por exem­plo, no pro­je­to de saí­da do con­tro­le da Ele­tro­brás.

“O Con­gres­so tem mos­tra­do res­pon­sa­bi­li­da­de e sen­sa­tez, mes­mo com de­si­dra­ta­ção da Pre­vi­dên­cia. Es­tou con­fi­an­te que Con­gres­so se­rá mui­to fa­vo­rá­vel às pri­va­ti­za­ções. Os par­la­men­ta­res te­rão res­pon­sa­bi­li­da­de e apro­va­re­mos os pro­je­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra as pri­va­ti­za­ções”, afir­mou.

MINISTÉRIO DA ECO­NO­MIA

Trans­pa­rên­cia. Pa­ra Sa­lim Mat­tar (D), ‘Es­ta­do tem em­pre­sas que não faz sen­ti­do ter’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.