Zuck não en­ten­deu o pro­ble­ma

O Estado de S. Paulo - - Economia - PE­DRO DO­RIA E-MAIL:CO­LU­[email protected] TWIT­TER: @PEDRODORIA PE­DRO DO­RIA ESCREVE ÀS SEX­TAS-FEI­RAS

Não há no­tí­cia mais im­por­tan­te, es­ta se­ma­na, do que o va­za­men­to de du­as ho­ras de áu­dio em que Mark Zuc­ker­berg, em du­as con­ver­sas dis­tin­tas com fun­ci­o­ná­ri­os do Fa­ce­bo­ok, fa­la aber­ta­men­te a res­pei­to de sua vi­são da com­pa­nhia no mo­men­to. Sim: é mais im­por­tan­te do que o Su­pre­mo de­ci­din­do re­ver sen­ten­ças da Lava Jato ou o Se­na­do apro­van­do em pri­mei­ra rodada a PEC da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. A em­pre­sa que Zuck co­man­da con­tro­la Fa­ce­bo­ok, Ins­ta­gram e WhatsApp. Ne­nhu­ma es­tru­tu­ra tem mais im­pac­to so­bre o fu­tu­ro po­lí­ti­co de na­ções do que es­se trio. E o que o CEO de­mons­tra, quan­do con­ver­sa com seus fun­ci­o­ná­ri­os, é que ele não en­ten­deu na­da.

O fu­ro é de Ca­sey New­ton, re­pór­ter do ex­ce­len­te si­te de tec­no­lo­gia The Ver­ge. New­ton se es­pe­ci­a­li­zou no en­con­tro en­tre o Va­le do Si­lí­cio e a po­lí­ti­ca e os áu­di­os va­za­dos re­pre­sen­tam uma opor­tu­ni­da­de úni­ca. Zuck faz com frequên­cia es­ses gran­des en­con­tros com fun­ci­o­ná­ri­os. Ja­mais hou­ve qual­quer va­za­men­to. E, lá, ele fa­la com li­ber­da­de. A des­con­fi­an­ça é de que quem lhe man­dou as du­as gra­va­ções te­nha si­do um es­ta­giá­rio. É que, das du­as reu­niões, uma era ape­nas pa­ra os jo­vens re­cém-for­ma­dos que vi­vem sua pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia pro­fis­si­o­nal na com­pa­nhia. Nun­ca ou­vi­mos o bri­lhan­te CEO da mai­or re­de so­ci­al do pla­ne­ta fa­lan­do sem a rí­gi­da dis­ci­pli­na à qual se im­põe quan­do em pú­bli­co.

“Di­vi­dir es­tas em­pre­sas, se­ja Fa­ce­bo­ok ou Go­o­gle ou Ama­zon, não vai re­sol­ver os pro­ble­mas”, afir­mou o exe­cu­ti­vo. Fa­la­va da gran­de ques­tão que ron­da o Va­le: a pos­si­bi­li­da­de de que es­tá por vir um pro­ces­so usan­do a Lei An­ti­trus­te que po­de, ao fi­nal, par­ti­lhar uma das gi­gan­tes em com­pa­nhi­as me­no­res. “Is­so não vai fa­zer com que a in­ter­fe­rên­cia em elei­ções fi­que me­nos pro­vá­vel. Na ver­da­de, vai fa­ci­li­tar a in­ter­fe­rên­cia, por­que es­sas no­vas com­pa­nhi­as não po­de­rão tra­ba­lhar em con­jun­to.”

Em ou­tro mo­men­to, Zuck tra­tou da ques­tão das vá­ri­as au­di­ên­ci­as par­la­men­ta­res às quais tem si­do con­vi­da­do. “Não vou a ca­da uma des­sas au­di­ên­ci­as. Mui­ta gen­te di­fe­ren­te es­tá pe­din­do. Par­ti­ci­pei de au­di­ên­ci­as nos EUA e na União Eu­ro­peia, mas não faz sen­ti­do que eu apa­re­ça em ca­da au­di­ên­cia de ca­da país que de­se­ja me ou­vir.”

Zuc­ker­berg é um es­tra­te­gis­ta ge­ni­al, bas­ta ver co­mo cui­dou do cres­ci­men­to de sua com­pa­nhia. Tem uma com­pre­en­são ím­par do pul­so dos há­bi­tos di­gi­tais do mun­do e sua in­tui­ção é ra­ra até num am­bi­en­te on­de há tan­ta in­te­li­gên­cia ao re­dor co­mo o Va­le. Mas ele não en­ten­de as su­ti­le­zas de uma de­mo­cra­cia.

Pa­ra que a li­be­ral de­mo­cra­cia fun­ci­o­ne é ne­ces­sá­ria a exis­tên­cia de um es­pa­ço on­de o diá­lo­go ocor­ra. Por tra­di­ção, o cha­ma­mos de Pra­ça Pú­bli­ca – é uma me­tá­fo­ra. O que Mark Zuc­ker­berg cons­truiu foi tão bem cons­truí­do que, em es­sên­cia, ele pri­va­ti­zou a pra­ça pú­bli­ca. É em su­as pro­pri­e­da­des que um bom na­co do mun­do se in­for­ma. São al­go­rit­mos que seus fun­ci­o­ná­ri­os es­cre­ve­ram que de­ci­dem qual in­for­ma­ção che­ga a um nú­me­ro mai­or ou me­nor de pes­so­as.

O que ocor­re no Fa­ce­bo­ok é de in­te­res­se pú­bli­co. Ja­mais a Pra­ça Pú­bli­ca foi pri­va­da e con­tro­la­da por uma úni­ca pes­soa. Em to­das as de­mo­cra­ci­as.

Se­ria por cer­to im­pos­sí­vel pa­ra ele apa­re­cer pe­ran­te to­dos os Con­gres­sos do pla­ne­ta. Mas é de uma ar­ro­gân­cia sem ta­ma­nho su­ge­rir que “não fa­ça sen­ti­do pa­ra ele”, co­mo se fos­se me­ra ques­tão de su­as von­ta­des. Con­ver­san­do com seus fun­ci­o­ná­ri­os, o que ele diz é que qual­quer pro­ble­ma que o Fa­ce­bo­ok crie só o Fa­ce­bo­ok, por seu ta­ma­nho e sa­pi­ên­cia, tem con­di­ções de re­sol­ver.

A na­tu­re­za da Pra­ça Pú­bli­ca é de in­te­res­se pú­bli­co. Não po­de ser um úni­co exe­cu­ti­vo, por mai­or que se­ja sua boa von­ta­de, in­te­gri­da­de e in­te­li­gên­cia, que toma as de­ci­sões so­bre co­mo cir­cu­la a in­for­ma­ção de in­te­res­se das so­ci­e­da­des.

Zuck não en­ten­deu o pro­ble­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.